13 de dezembro de 2018

Um esclarecimento incompleto!

1- No dia 9 de Dezembro, o Correio dos Açores, em Editorial, deu conta dos perigos que se antevêem para o regime autonómico resultantes do reavivar de bairrismos doentios que apenas servem para dividir as Ilhas e as suas gentes. 
2- Tomou-se para exemplo a discussão que se acendeu na opinião pública e publicada sobre a origem da operação da Delta Air Lines para Ponta Delgada, como suposta contrapartida pela redução da presença americana na Base das Lajes.
3- A suposição tornou-se quase verdade, depois das notícias publicadas a nível nacional, a propósito de um livro da autoria do ex-Embaixador dos Estados Unidos da América lançado no dia 3 de Dezembro, e onde afirmou, segundo a imprensa nacional, que:
4- Além da situação pessoal dos funcionários, na Base das Lajes, havia preocupação com os efeitos negativos sobre a economia da ilha. Também aí foram tomadas medidas, que parecem ter produzido algum resultado. “O turismo, certamente, aumentou”, diz Sherman.
5- “Criou-se um voo direto da Delta Airlines para Ponta Delgada. A nível da tecnologia, há oportunidades para fazer mais no lançamento de microsatélites. O MIT acaba de relançar a sua colaboração com as universidades americanas. Fala-se de utilizar os Açores para estudar as alterações climáticas. Há muitas discussões em curso, e não apenas entre os Estados Unidos e o Governo português. Tenta-se que haja um esforço internacional.”
6- A forma e o conteúdo do que acima se transcreve é ambíguo e ganha foros de verdade para os incautos, que não hesitaram em servir-se da palavra de ex-Embaixador para colocarem em causa a palavra dos da casa.
7- Tal despique fez com que o Presidente do Governo viesse a terreiro esclarecer toda a urdidura feita à volta da operação da Delta Air Lines numa carta que o Jornal Correio dos Açores publicou na íntegra.
8- Agora, veio o ex- Embaixador Sherman dizer que nunca  afirmou que a decisão da Delta Airlines de voar para os Açores estava ligada a medidas compensatórias, resultantes da decisão de redução da presença Americana, na Base Aérea das Lajes. 
9- “Isso é absolutamente falso”, diz o senhor Sherman concluindo  “que nunca disse ou insinuou tal coisa. Já não era o Embaixador na época em que foi tomada a decisão e nunca participei em nenhuma reunião com a Delta ou com qualquer outra autoridade dos EUA, sobre voos para os Açores. Na verdade, só tomei conhecimento da decisão da Delta quando esta foi anunciada publicamente.”
10- É pena que o senhor Sherman não tenha vindo a público desfazer tal equivoco que há um ano atrás, quando o Presidente do Governo foi confrontado na Assembleia Legislativa dos Açores sobre a matéria agora em causa.
11- O senhor Sherman não teve a destreza de publicamente afirmar, na devida altura, o que agora se viu na obrigação de fazer.
12- O esclarecimento do ex-Embaixador dos EUA,  está incompleto pois devia ser acompanhado por um público pedido de desculpas ao Presidente do Governo dos Açores pela forma hostil como a ele se refere quanto ao comportamento do representante da Região nas reuniões da Comissão de Acompanhamento do Acordo das Lajes.
13- O que escreveu o senhor Sherman não molesta apenas o Presidente do Governo dos Açores. Molesta a Região que ele representa.
                                        
                                         
 

Print

Categorias: Editorial

Tags:

x