União Sportiva ganhou o 11.º título em 7 anos

Jogo épico para corações fortes

A cumprir o sétimo ano nas provas nacionais femininas de basquetebol, faltava no palmarés do Clube União Sportiva ganhar a Taça Federação.
A falha foi colmatada domingo, em Coimbra, ao ganhar num jogo épico o Santo André do Barreiro (GDESA) por 63-62. Tudo o que há para ganhar em Portugal no basquetebol feminino está ganho pelo União Sportiva. São 11 títulos. 
Apenas na época de 2013/2014, na estreia no principal campeonato (Liga), é que o clube de Ponta Delgada não venceu nenhuma prova. O máximo de triunfos foi na temporada de 2015/2016, com 4 vitórias em 5 troféus.
A Taça Federação vai na décima edição. É disputada por eliminatórias, em fase concentrada durante 3 dias, pelas equipas classificadas nos 8 primeiros lugares no final da primeira volta do campeonato.
Foi o terceiro triunfo do União Sportiva em outras tantas competições. Havia ganho a Taça Vitor Hugo, ao derrotar, na final, o Santo André, por 60-48, e, uma semana depois, venceu a Super Taça com a vitória, por 80-69, sobre a Associação de Vagos.

MUITO COM POUCO

Para quem recebe pelo contrato programa de apoio pela promoção dos Açores no exterior cerca de 38 400 euros, atingir estes êxitos revelam a capacidade de com pouco  se consegue fazer muito. 
Três taças ganhas desde Setembro em comparação com quem recebe mais e não ganha nada, mesmo que as competições sejam diferentes e até algumas mais exigentes, é de enaltecer.
O União Sportiva apresentou para esta época um orçamento que nem chega aos 50 mil e 500 euros, reforçado porque esteve a disputar uma prova europeia.
Ao proporcionar que a Região seja falada com tantos êxitos, o que falta para o clube receber, pelo menos, 80% do que recebe a equipa de basquetebol masculina do Lusitânia pelo mesmo contrato (126 520.00)? Uma pergunta que não tem obtido resposta... 
A diferença de cerca 88 mil euros, numa altura que se fala e que se escreve tanto sobre a igualdade de género, reforça o desejo de os critérios serem repensados.

LÍDER “ESMAGADO”

Mas para chegar à final da Taça Federação, o que aconteceu pelo segundo ano seguido, o União Sportiva teve de afastar duas equipas. 
A primeira foi a Ovarense. Ganhou por 91-70, com os fortes contributos de Sara Djassi (22 pontos), de Catarina Mateus (15), de Joana Soeiro (14) e de Josephine Filipe (13 pontos).
O adversário que se apresentou ao União Sportiva 20 horas depois foi nada mais nada menos do que a Quinta dos Lombos, actual líder do campeonato com uma derrota em  15 jogos. Eliminara o Benfica por 75-50. Quinta dos Lombos com quem havia perdido por 3 pontos, há um ano, na final desta prova.
O União Sportiva, que perdeu os dois jogos que efectuou para o campeonato com a Quinta dos Lombos, esteve imparável, com uma exibição perfeita, vencendo por 40!!! pontos de diferença (89-49). Ao intervalo estava 40-26 (22-8 e 18-18 nos dois períodos). Nos dois períodos de 10 minutos da 2.ª parte continuou o acerto total da equipa treinada por Ricardo Botelho. Os 30-13 e os 19-10 ajudaram a contabilizar os 89-49, que “esmagaram” por completo a principal candidata ao triunfo nesta prova.
A norte americana Destinee Young (29 pontos), o maliana Kankou Coulibaly (25) e Josephine Filipe (16 pontos) foram as mais certeiras do União.
TUDO MUDOU EM 5 SEGUNDOS

A final foi 19 horas depois de ter feito talvez o melhor jogo da época. O adversário foi o Santo André do Barreiro, que havia afastado o Vagos (67-62) e o Olivais de Coimbra (75-69). Uma equipa que está em 4.º lugar no campeonato, com 10 vitórias e 5 derrotas e que nos últimos 10 jogos havia perdido apenas um desafio. Derrota frente ao União Sportiva, no Barreiro, por 88-86, relativo ao campeonato.
A formação do Santo André começou a estar com vantagem no marcador e assim continuou até ao minuto 39.55. 
No final dos 10 primeiros minutos vencia por 20-19 e no termo dos segundos 10 minutos por 16-15, dando ao intervalo 36-34.
O jogo continuou equilibrado no primeiro quarto da 2.ª parte, mas com o Santo André a terminá-lo com 17-13. Aumentava a vantagem para 6 pontos (53-47).
A 5.42 minutos do fim o União Sportiva perdia por 10 pontos (48-58) e a 2 minutos por 7 pontos (53-60). 
Mas como qualquer jogo só acaba quando soa o último apito, as atletas do União Sportiva sempre acreditaram ser possível sair de Coimbra com a taça. A 1.50 minuto Catarina Mateus, com 3 pontos, relançou o jogo (56-62); a 52 segundos havia 62-58 para o Santo André e a 37 segundos do final o avanço da equipa do Barreiro era de 2 pontos (62-60).
Eis que a 5 segundos do final Sara Djassi fez um lançamento para 3 pontos que não concretizou, ganhando novamente a bola no ressalto. Conseguiu fazer os 2 pontos e como sofreu uma falta, teve a possibilidade de um lançamento da linha de lance livre. Estava o marcador em 62-62. Marcou a internacional portuguesa e ficou o jogo a 63-62. Ainda houve um lançamento por parte de uma jogadora da equipa do Barreiro que não entrou, ganhando Coulibaly o ressalto. 
O jogo terminou logo a seguir com a festa das jogadoras, treinadores e dirigentes do União Sportiva, que contaram com cerca de 10 apoiantes em Coimbra. 
Do outro lado, o desânimo e a tristeza por terem estado tão perto de levarem a taça.
No União Sportiva Kankou Coulibaly concretizou 23 pontos; Sara Djassi 17; Catarina Mateus 8; Destinee Young, 7; Josephine Filipe, 6 e Anna Seilund, 2 pontos. 
Por parte do Santo André, as melhores pontuadoras foram Ashunae Durant com 16 pontos, Ana Jesus com 12 e Isabela Macedo com 10 pontos.

12.ª DERROTA

O União Sportiva averbou, em Torres Vedras, a décima segunda derrota na zona Sul da 1.ª divisão nacional de basquetebol masculino em 15 jogos. Perdeu com a Física por 87-72. 
Reparte o 11.º lugar com o Scalipus de Setúbal e apesar de a segunda volta estar a começar, tem quase garantida a disputa dos jogos, através de uma eliminatória, que apurarão as 3 equipas da zona Sul que descem à 2.ª divisão. As eliminatórias, à melhor de três partidas, opõem o 9.º ao 14.º; o 10.º ao 13.º e o 11.º ao 12.º classificados. Quem perder baixa.
Resultados da 15.ª jornada: Fisica-U. Sportiva, 87-72; Basket Almada-Cruz Quebradense, 76-46; Chamusca-Odisseia, 67-49; Gin. Olhanense-Atl. Moscavide, 72-54; Scalipus-C. B. Queluz, 55-80; Portimonense-Atlético, 98-106. Queluz-Algés adiado.
Classificação: 1.ºs Clube Basket de Queluz e Atlético, 27 pts; 3.º Queluz, 26; 4.ºs Atlético Moscavide e Basket Almada, 25; 6.º Algés, 24; 7.ºs Física Torres Vedras e Ginásio Olhanense, 23; 9.º Odisseia Basket, 21; 10.º Chamusca, 20; 11.ºs União Sportiva e Scalipus de Setúbal, 18; 13.º Cruz Quebradense, 17 e 14.º Portimonense, 15 pts.


PALMARÉS U. SPORTIVA

Campeão Liga Feminina:    2014/15 (17.ª edição)
                                                 2015/16 (18.ª edição)
                                                 2017/18 (20.ª edição)
Campeão 1.ª divisão:           2012/13 (53.ª edição)
Taça de Portugal:                 2015/16 (53.ª edição)
SuperTaça:                            2015/16 (31.ª edição)
                                                2016/17 (32.ª edição)
                                                2018/19 (34.ª edição)
Taça Vitor Hugo:                   2015/16  (9.ª edição)
                                                2018/19 (12.ª edição)
Taça Federação:                   2018/19 (10.ª edição)

Print
Autor: CA

Categorias: Desporto

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima