9 de fevereiro de 2019

Recados com Amor

Meus Queridos! Certamente ainda não se esqueceram do escarcéu político que se levantou por causa duns documentos sobre os negócios à volta do processo de privatização de 49% do capital social da SATA, que o Governo do meu querido Presidente Vasco, a pedido dos deputados da Comissão de Inquérito, remeteu à Assembleia Legislativa dos Açores, documentos que supostamente eram confidenciais, sujeitos apenas a consulta dos membros da Comissão… e acabaram copiados pelos serviços da Assembleia e distribuídos como se fossem “normais”… A sua distribuição fez com que saltasse para a opinião pública o que era para se manter no segredo dos Deuses… e vai daí, o Governo aproveitou a fuga e cancelou as negociações com a Icelandair, negociações que me parece nunca terem existido a sério… O pior foi as suspeitas que foram levantadas na altura, com ameaças de levar o caso a tribunal… porque parecia ter havido uma tentativa de “golpe de estado”… Passados três meses, o processo foi concluído (tanto tempo para tão pouco), e quatro funcionários da Assembleia foram objecto de uma sanção de advertência pelo pecado cometido que foi a cópia e distribuição dos ditos documentos…. O silêncio perante as conclusões contrasta com o alarido feito na altura do acontecimento… mas as suspeitas por quem as levantou quanto às intenções da publicitação dos documentos… não foram apagadas, e só espero que haja coragem agora, para um esclarecimento público e, se for caso disso, de um pedido de desculpas… e já agora que seja dito quando temos novo concurso, porque as contas da companhia estão a sair e os milhões de euros de prejuízo assustam qualquer mortal… muito mais qualquer candidato à compra prometida de 49% da empresa…


Ricos! O ano ainda agora começou, mas o leite anda a ferver por aí e pode azedar de um momento para o outro, se não houver um pacto de entendimento entre quem produz e quem industrializa… Não se pode apenas pensar na valorização do produto final sem pensar na distribuição dessa valorização pela produção, senão continuaremos com pobres a produzir para os ricos ganharem mais… A mesma coisa se passa com o pescado, quando se enche a boca com o grande feito com a valorização da venda, conseguida  à custa do consumidor final, que cada vez tem mais dificuldade em comer peixe,… e a tal valorização continua a não chegar ao verdadeiro trabalhador que é o pescador… Muita gente está engordando com a valorização do pescado…. Isso é verdade, mas os consumidores comem menos peixe porque não podem lá chegar… e os pobres pescadores continuam pobres…. Dirá a minha prima Agostinha que são as regras do mercado, mas eu que não percebo nada disso… digo que os governos existem para alguma coisa… senão não precisamos deles para nada! Os governos dominam instrumentos que vão para além de regras legais ou corporativas… saibam usa-las com destreza !  


Meus queridos! Esta semana fui tomar um chazinho a casa da minha prima na Rua do Poço, e no meio da conversa veio à baila o trabalho que a Junta de Freguesia de São Pedro tem feito, com o pessoal que tem à sua conta e a velha carrinha de caixa aberta possui… Segundo a minha prima, com aqueles meios, a Junta tem feito a recolha de resíduos, limpeza de bermas de caminhos e até tratado lugares e garetos onde proliferam consumidores de droga e de álcool. Cá por mim, acho um trabalho louvável e saúdo o Presidente José Manuel Leal pela iniciativa porque como já o ouvi dizer, a falta de civismo não pode servir de argumento à inércia de quem deve agir. Mas, metendo a foice em cearia alheia, digo que muita coisa poderia mudar se as Junta ou as Câmaras começassem a mandar a continha para que tem o dever de limpar e não limpa ou para quem deposita resíduos fora de horas e fora do lugar. Se a lei não reza tal regra, pois que se corrija a lei, de forma a responsabilizar os desmazelados que assim procedem. Há coisas que só vão quando doem no bolso. Mas vou avisando que se houver recolha de resíduos 3 vezes ao dia, a pandilha de comentadores de meia tigela que tudo sabem…ainda vão dizer que é pouco…


Ricos! Não é por mal, mas acreditem que já vou ficando velha para ver como câmaras e Governo não são capazes de dar uma notícia, através dos seus (muitos) gabinetes de imprensa, sem fazerem propaganda política… Desta vez foi a forma como se anunciou um reforço de verba para o Orçamento Participativo Regional – pegou de galho a moda dos Orçamentos participativos- que passou de seiscentos mil para um milhão de euros. Mas como lhe aumentaram as categorias e agora até a Cultura entra na dança, o que quer dizer que não vão faltar propostas para festas e concertos, o pilim, a dividir por todas as categorias é quase o mesmo e a diferença quase não dá para fazer cantar um cego. Mas se é assim que querem…


Meus queridos! Muito contente fiquei em ouvir, em ano de eleições, que vem aí obras para reforçar a estrada da Ribeira Quente, agora com semi-túnel à vista, como li no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio. Se alguém acompanhou os meus recadinhos ao longo destes mais de quarenta anos sabe que eu apostei (e ganharia, mesmo que fosse a feijões), que nunca ia haver estrada alternativa para a Ribeira Quente. E também apostei que nunca ia haver semi-túnel na estrada da Praia de Água d’Alto, que foi apresentado com pompa e circunstância. Fico agora de ouvido à escuta para saber  se em tempo das Regionais de 2020…  o túnel da Praia de Água  d’Alto, não vai renascer…. Vai uma apostinha? É que há dias lá no rectângulo foi anunciado aos quatro cantos com pompa e circunstância pelo Ministro do Planeamento várias obras a lançar o concurso ainda este ano… e o promotor parece que agora vai largar o cargo para ser candidato ao Parlamento Europeu… e o que vêm atrás já não será responsável pela andança dos projectos porque não são da sua autoria… É o que há!


Meus queridos! Completou ontem o seu primeiro ano de vida o restaurante TiXico, do sempre simpático e bonacheirão Francisco Branco, na Calheta, no edifício onde funcionou a velha Marisqueira Açoreana. Sempre que passo ali, quando vou fazer uma visita à minha prima da Rua do Poço, gosto de ver o movimento e sei pelo que me conta a minha prima que o TiXico  se tornou rapidamente num local de grande frequência, todos os dias, e aos fins-de-semana para festas particulares não tem mãos a medir, pelos sabores e pelo acolhimento. Francisco Branco quis trazer memória ao local onde se situa o restaurante… e o dia de ontem fica marcado pela inauguração de uma série de quadros, a preto e branco todos alusivos à velha Calheta e aos seus portinhos, assinalando dessa forma um lugar tão emblemático para a história da cidade, valorizando ao  mesmo tempo o ambiente do restaurante. Para o TiXico e toda a sua equipa, o meu ternurento beijinho e prometo lá ir um dia destes, com a minha prima da Rua do Poço…


Meus queridos! Há uns tempos, mesmo em frente à Escola das Laranjeiras, abateu-se um bocado de estrada, armando um buracão enorme que foi logo e prontamente tapado. O que não se percebe é que passado todo este tempo não tenha havido o cuidado de dar ali uma camada de alcatrão para evitar aqueles metros de solavancos, pó e lama, todos os dias para os que vão de popó e para os alunos que ali atravessam para ir para a escola. Como diz a minha sobrinha-neta que lá estuda, ou estão à espera de novo buraco para tapar tudo de uma vez, ou então esperam que haja um acidente ou escorregão. A  gente sabe que há muito buraco para tapar, mas há coisas que dão nas vistas com tanta demora, como é por exemplo, a falta de um pincel e um balde de tinta para pintar as passadeiras em frente à cadeia que já estão assim há anos sem que ninguém lhes valha… Mas hei-de ir repetindo aqui nos meus recadinhos a mesma coisa até que até que chegue o dia… ou me falte acção na mão para escrever… porque quem espera sempre alcança!


Ricos! E como estou a falar da Calheta, por onde passei esta semana, também quero dizer que finalmente foi colocado um letreiro enorme, à entrada do parque de estacionamento da Fundição, a dizer que por um euro se pode ali estacionar o dia inteiro, entrando e saindo as vezes que se quiser. E o parque que estava quase sempre às moscas já começa a ter muito mais movimento. Agora o que se espera é que os seus donos ou concessionários tenham em atenção a limpeza das ervas e a falta de iluminação à noite que torna aquela zona num verdadeiro perigo. E também não se percebe que tendo desaparecido o bar que lá havia, ainda não se tenham retirado os restos e as pinturas de lua cheia que lá jazem!…


Meus queridos! Sempre fui uma mulher contra fundamentalismos, sejam eles quais forem. Por isso, esta semana, quando li que um miúdo de 12 anos escreveu uma carta ao Papa Francisco a pedir que durante a Quaresma o Papa não comesse, nem vestisse nada de origem animal, porque ele, criança, era uma activista dos direitos dos animais e um defensor do veganismo, fiquei para Deus me levar. E que o mesmo Deus me perdoe se aquele miúdo de 12 anos não está a ser instrumentalizado para escrever uma carta ao Papa, em nome de interesses de defesa de ideais que são fruto de novos lóbis. E já estou a ver o Papa toda a Quaresma a comer alfaces e pepinos… Tenham dó e sobretudo que desçam à Terra, ricos, porque viver nas nuvens provoca o delírio que alastra larvarmente na sociedade…


Meus queridos! Para quem ainda consegue ver televisão, as notícias seguidas de exageros cometidos por autarcas de todos os quadrantes políticos e partidários dão que pensar. Agora foi o presidente de Ovar que comprou um popó de 130 mil euros para a presidência… Sei que por cá já houve disparates parecidos, mas apetece-me perguntar se isto está mesmo tudo doido? Numa altura em que se exige transparência, numa altura em que se pede para apertar o cinto, numa altura em que se faz requisição civil para cortar uma greve, como é que a gente fica ao ver que há quem gaste o pilim dos impostos dos cidadãos desta maneira? E não há quem ponha cobro a isto? É caso para dizer que a desorientação tomou conta de muita gente e a pouca vergonha já deu lugar à falta de vergonha completa… Tenham juízo!
 

Print
Autor: CA

Categorias: Opinião, Maria Corisca

Tags:

x
Revista Pub açorianissima