Goreti Gaspar, filha e mãe, em Dia da Mãe

“O abraço e um sorriso de um filho é uma bênção que Deus nos deu”

Assinala-se hoje o Dia da Mãe mas há quem não esqueça a celebração antiga que assinala esta data tão especial no dia 8 de Dezembro, Dia de Nossa Senhora da Conceição. Hoje, as mães são recordadas por muitas filhas, que hoje também elas mães. São recordadas as mães que partiram, porque a doença ou a idade as levaram, mas a sua memória não é esquecida. Mães de ontem e mães de hoje são recordadas pelos filhos. Quem perdeu a Mãe tem um sentimento de vazio, falta uma palavra amiga e só resta a memória que está sempre presente como presente para quem hoje tem Mãe está a memória passada e quer também para além da presente ter a futura. Goreti Gaspar e Liliana Botelho são duas irmãs e têm para com a mãe uma atenção muito especial, assim como mães, estão sempre presentes na vida dos filhos. Fazem parte de uma grande família de dez filhos e todos muitos unidos quer na alegria e na tristeza, quer na saúde como na doença. Ajudam-se mutuamente e contribuem para o bem-estar de todos quantos precisam, assim como da mãe. Não há dia que passe que não a vejam ou não a telefonem. Mãe para estas mulheres tem um grande significado já que também elas são mães, mães-galinha mas também mães 24 horas. Um exemplo de mãe guerreira é Goreti Gaspar que procura no dia-a-dia fazer o melhor pelos seus filhos.
Goreti Gaspar é, por excelência, uma mulher batalhadora que não cruza os braços às adversidades da vida. Ao longo da sua existência, e principalmente desde que foi mãe, hoje também avó, sempre procurou dar o melhor aos seus filhos: Vanessa, Tatiana e Lourenço. 
Trabalhou desde jovem, ficou sem emprego quando a empresa de flores em que trabalhava fechou, mas não desistiu de se realizar profissionalmente e foi sempre integrando vários projectos de trabalho que lhe foram aparecendo. Voltou aos bancos da escola e continuou os seus estudos e hoje está ao serviço da Câmara Municipal da Lagoa. Se a nível profissional foi conquistando o seu lugar, isso nunca fez com que deixasse de lado a família, muito pelo contrário, está presente desde que se levanta, porque antes de sair de casa para o trabalho já realizou, como conta, uma séries de afazeres, desde deixar a roupa em ordem, a casa impecável, o almoço preparado e o jantar já desenhado. Lourenço é o mais pequenino, ainda está na escola primária, e este é o que tem mais atenção e com ele realiza os trabalhos da escola, mas mesmo as duas filhas mais velhas ,merecem toda a sua atenção, e agora a netinha, que é também a sua maior alegria.
Goreti Gaspar vive para o marido e para os filhos, enfim vive para a família. Não compra nada para si porque primeiros estão os filhos. E o Dia da Mãe que hoje se celebra tem o significado de uma data especial porque, como diz, permite juntar várias gerações de mães, a maior dádiva que uma mulher pode ter.” Ser mãe é passar noites sem dormir preocupada quando estão doentes, preocupada quando a escola não corre bem e como será o futuro deles”, diz a nossa entrevistada, acrescentando que é “também uma bênção que Deus nos deu”.
Goreti Gaspar lembra sempre que nos dias “em que estamos mais em baixo um sorriso um abraço de um filho faz-nos esquecer os momentos mais difíceis da nossa atribulada vida. E isso é que é ser mãe”.
Liliana Botelho é irmã de Goreti Gaspar. Ambas são filhas e, como referem, têm cuidados muito presentes com a mãe. Não há dia que não a visitem e não há dias que não tenham uma palavra de conforto. Liliana Botelho, mãe de Augusto e Maria, hoje desempenha a função de mãe e esposa a tempo inteiro, mas não se pense que não trabalha. Tem todos os dias muito a fazer. Trata dos seus afazeres domésticos e uma preocupação constante com os filhos. Levá-los à escola e os ir buscar, almoçar com eles, e fazer os trabalhos de casa. Para esta mulher-mãe a sua vida é dedicada à família. “para mim ser mãe é tudo”, mas também admite que tem uma atenção especial como filha que é. “A minha mãe também significa muito” e neste dia “é o um dia em que paramos para fazer uma reflexão do que é ter mãe e ser mãe. Embora sejamos mãe e filhos todos os dias do ano, esta data assume uma particularidade diferente, somos lembradas como mãe”.
Liliana Botelho refere tem um marido muito presente “mas os meus filhos, mesmo quando está o pai presente, estão sempre a chamar-me: Mãe, mãe, mãe, e isso é muito gratificante”.
        
   
 

Print

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima