Emanuel Furtado, Presidente da Junta de Freguesia do Porto Formoso

“Todos os dias confrontamo-nos com novos desafios”

Há quanto é Presidente da Junta de Freguesia do Porto Formoso?
Candidatei-me à Junta de Freguesia em 2013, pois achei que, 20 anos depois da minha primeira experiência, quando em 1993 me candidatei à Junta de Freguesia, aquele era o momento de dar mais um pouco de mim à terra que me viu nascer. E fi-lo com base naquilo em que sempre acreditei dever nortear a actuação política: a responsabilização, a transparência, a ambição, a exigência, a imparcialidade, a honestidade e a dedicação à causa pública como pilar de tudo o resto.
Fui Presidente da Juventude Socialista dos Açores entre 2001 e 2002, deputado regional em 2002, membro da Assembleia Municipal da Ribeira Grande no mandato de 2001 a 2005. Tive, ainda, a honra de ser Presidente da Mesa da Assembleia de Freguesia do Porto Formoso, durante dois mandatos consecutivos (2005 – 2009 e 2009 - 2013).
Passados 20 anos da minha primeira experiência política e depois do percurso feito, julguei reunir, em 2013, as condições necessárias e suficientes para participar de forma mais activa e mais consistente nos destinos da minha terra, como Presidente da Junta.

Como tem sido esta caminhada?
Esta é uma caminhada que se faz caminhando. Como todas as caminhadas, todos os dias confrontamo-nos com novos desafios. Mas, acima de tudo, tem sido muito reconfortante podermos, em conjunto com a minha equipa – a Ana Carolina, como secretária e o Arnaldo, como tesoureiro – dar o nosso melhor para, dentro das limitações a que uma Junta de Freguesia está sujeita, podermos construir um Porto Formoso cada vez melhor.

Enumere alguns dos objectivos que inicialmente foram propostos e que tenham sido cumpridos?
Em 2013, quando nos candidatámos, delineámos diversos objectivos, que cumprimos quase integralmente – os que dependiam na nossa exclusiva responsabilidade – ao longo do mandato. Outros houve, que não dependendo exclusivamente da nossa acção, não conseguimos cumprir, apesar das sucessivas e insistentes reivindicações.
De todos, destacaria três compromissos que levámos a «bom porto» e que para a freguesia são, actualmente, e sem sombra para dúvidas, uma mais-valia. Trata-se do Pavilhão Desportivo do Porto Formoso, que veio trazer outro dinamismo ao desporto, designadamente, ao desporto federado, na freguesia; A aquisição de uma viatura de 9 lugares, que tanta falta fazia e que veio proporcionar aos pais e encarregados de educação e às crianças o apoio no transporte para a escola. Além disso, veio proporcionar uma enorme ajuda às instituições da freguesia, como é o caso do Clube União Desportiva do Porto Formoso, do Grupo Folclórico Nossa Senhora da Graça, da Escola, e ainda a outras instituições que frequentemente solicitam o nosso apoio; A contratualização de programas de emprego. Numa altura em que o desemprego foi devastador nesta freguesia, a Junta teve um papel preponderante no combate a esta chaga social, contribuindo para proteger muitas famílias da nossa terra, garantindo-lhes um trabalho com dignidade e um rendimento mensal para fazer face às suas necessidades do dia-a-dia. Foi ainda uma contribuição muito positiva para ajudar a revitalizar a economia local.

Obras por realizar na Freguesia?
Existem, ainda, algumas coisas que têm de ser feitas na freguesia. Na sua maioria, de entidades como a Câmara Municipal e o Governo Regional.
Destacaria as mais importantes. Relativamente às necessidades da competência do município, destaca-se a asfaltagem, na rua principal da freguesia, desde o porto de pescas até à freguesia vizinha de São Brás e do acesso à praia dos Moinhos; a resolução do problema que resulta no derrame de detritos domésticos no porto de pescas.
Da responsabilidade do Governo Regional, e em vias de resolução, a asfaltagem do Ramal do Porto Formoso.
Estão em fase de projecto algumas obras como é caso da remodelação do jardim da Casa do Povo, que deverá arrancar ainda este ano em parceria com a Secretaria Regional dos Transportes e Obras Públicas. Por outro lado, pretendemos preconizar uma transformação do antigo campo de futebol numa zona verde de lazer, em parceria com a Câmara Municipal.

A habitação, tal como noutras freguesias, também é um problema? O que tem feito o executivo que lidera para minimizar o problema?
No que concerne a habitação, não tem sido um problema que possa ser considerado como grave. Há alguns anos, o Governo Regional promoveu um programa de habitação a custos controlados, do qual resultou a construção de cerca de 50 moradias de raiz. Nessa altura, sim, havia um problema de grave carência habitacional. Pelo menos por agora, este não é um problema. Contudo, existem agregados familiares que vão começando a ter problemas nas suas moradias e nesse contexto, o Governo Regional, a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia, estão sempre prontos a ajudar por forma, a que esses problemas sejam debelados.

Como é a relação institucional com a Câmara Municipal da Ribeira Grande e com as outras forças vivas da freguesia?
Normalmente, a relação com a Câmara Municipal é uma relação cordata, sendo que existem altos e baixos. Às vezes existem atritos, quando verificamos que existe tratamento preferencial a outras freguesias e as coisas não são resolvidas atempadamente. Mas, na generalidade, é cordata e respeitosa.
Quando às demais relações com as instituições da freguesia, acho que posso considerar que, com todas, é muito afectuosa. Ajudámo-nos mutuamente, sempre com enorme disponibilidade, até porque o que está em causa é o nosso Porto Formoso.

O que mais poderia destacar da Freguesia do Porto Formoso?
O Porto Formoso é uma freguesia muito pitoresca. Tem muitas belezas naturais, tem a praia dos Moinhos, que eu considero uma das melhores de São Miguel, o belíssimo porto de pescas, a Fábrica do Chá do Porto Formoso, restaurantes onde se come maravilhosamente bem, em que o peixe é sempre fresco. Tem trilhos pedestres que proporcionam vistas de cortar a respiração. É de destacar as festividades em honra da nossa padroeira, Nossa Senhora da Graça, o ponto alto em termos de festas, o festival internacional de folclore do Porto Formoso, a recriação histórica da apanha manual do chá, e diversas outras pequenas festividades que dão muito calor e emoção à nossa Terra. É de destacar que uma das nossas características intrínsecas, enquanto comunidade, é o saber receber.

O que faz nos seus tempos livres e como consegue conciliar a sua vida profissional como professor e como Presidente de Junta de Freguesia?
Muitas vezes não é fácil conciliar tanto a vida profissional e familiar com as funções de presidente da Junta de Freguesia, mas tudo se consegue quando é feito por amor à nossa Terra. E é isso que me move, fazer o melhor que sei e posso pelo meu Porto Formoso.
Ultimamente, não tenho tido muitos tempos livres, contudo sempre que posso, pratico desporto, designadamente, ténis de mesa. Gosto muito de ler, nomeadamente livros com algum cunho científico ou político. Outra coisa que adoro fazer é ir à praia, com mais preponderância para a Praia dos Moinhos. E, claro, estar com a família, que é o nosso mais importante pilar!.

 

Print

Categorias: Regional

Tags:

x
Revista Pub açorianissima