Parlamento açoriano vai atribuir Ínsignia Autonómica de Valor ao Comando da Zona Marítima dos Açores

A Região vai atribuir, no Dia da Região, a 10 de Junho, a Insígnia Autonómica de Valor ao Comando da Zona Marítima dos açores – Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo (MRCC Ponta Delgada).
As condecorações foram ontem aprovadas por unanimidade em plenário da Assembleia Legislativa Regional e a cerimónia de imposição de condecorações vai realizar-se na Calheta de São Jorge. 
Ao instituir as insígnias honoríficas açorianas, a Assembleia Legislativa Regional pretende “prestar homenagem a pessoas singulares ou colectivas que, em múltiplas vertentes da sua actuação e em actos com os mais diversos enquadramentos, se hajam distinguido em benefício da comunidade e na valorização da Região Autónoma dos Açores”.
A Insígnia Autonómica de Reconhecimento vai ser atribuída a Francisco Inácio de Sousa Pereira Forjaz de Lacerda (a título póstumo); a Frederico de Menezes Avelino Machado (a título póstumo); Genuíno Alexandre Goulart Madruga; Manoel Tomaz Gaspar da Costa; Milton Augusto de Azevedo Morais Sarmento; Nuno Sequeira Correia de Sá e ao Centro de Informação e Vigilância sismovulcânica dos Açores (CIVISA).
A Insígnia Autonómica de Mérito Profissional vai ser atribuída a Carlos Manuel Pimentel Enes e a Maria João Maciel Jorge Dodman.
A insígnia Autonómica de Mérito Industrial, Comercial e Agrícola vai ser atribuída a Carlos Manuel da Silva; João Silveira Tavares, Maria de Jesus dos Santos Bettencourt Félix (a título póstumo); Maria de Melo Pacheco de Medeiros; Renato Manuel Gonçalves Goulart; Vasco Elias Bensaude (a título póstumo) e àConfraria do Queijo de São Jorge.

Ínsígnia de Mérito

A Insígnia Autonómica de Mérito Cívico vai ser atribuída a Adelino Paim de Lima Andrade; António de Fraga Pimentel (a título póstumo); a Clélia de Fátima de Brito Nunes Vicente; o Guilherme João de Fraga Gomes (a título póstumo); o João de Brito do Carmo Menezes; a Luís Miguel Costa Oliveira Mota dos Santos (a título póstumo); Manuel António das Matas Santos; Associação Cultural Angra Jazz; Clube Desportivo Escolar Flores; Filarmónica “Clube União Instrução e Recreio”; Instituto São João de Deus – Casa de Saúde de São Miguel e à Santa Casa da Misericórdia das Velas.
A atribuição das insígnias honoríficas açorianas, para além de “representar o reconhecimento público para com os cidadãos ou instituições que, ao longo dos anos, contribuíram de forma expressiva para consolidar a identidade histórica, cultural e política do povo açoriano.”.
“Pretende, também, de forma simbólica, estimular a continuidade e emergência de feitos, méritos e virtudes com especial relevo na construção do nosso património insular”.
“Continuar a distinguir, formal e solenemente, o inestimável contributo daqueles que se notabilizaram com o seu labor, a sua arte ou o seu pensamento, simboliza a perpetuação da nossa própria identidade”, sublinha-se no diploma regional que cria as Insígnias Honoríficas Açorianas.
Num dos ultimos anos surgiram em pública discordâncias sobre alguma das personalidades propostas para receber as Ínsignias mas, este ano, todos os partidos chegaram a acordo sobre os nomes e instituições propostas.

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

x
Revista Pub açorianissima