23 de junho de 2019

Dos Ginetes

Festa do Corpo de Deus

Retirado há poucos anos, diziam-nos que por questões de produtividade, mas felizmente reposto em 2016, este feriado religioso pleno de significado para o mundo dos Cristãos mais uma vez foi vivido na Igreja dos Ginetes com grande solenidade pois é o dia em que as crianças do terceiro ano de Catequese recebem pela primeira vez a Sagrada Comunhão.
Mesmo se repetimos assiduamente que a prática religiosa se encontra em constante decadência, para pais e crianças é este o primeiro grande passo após o Sacramento do Baptismo na maioria dos casos administrado quando ainda muito jovens e sem qualquer noção do compromisso assumido pelos pais e padrinhos. É interessante presenciar o entusiasmo dos jovens no dia da Primeira Comunhão pois sentimos que o fazem com muito orgulho, nervosismo mas também respeito após um trabalho nem sempre fácil das respectivas Catequistas às quais muitas vezes não damos o merecido reconhecimento. Sei que se dedicam ao ensino da Catequese com muito gosto e que a grande recompensa é precisamente a alegria de ver os pequeninos ultrapassar todas as etapas da formação Cristã.
Sempre que assisto às várias cerimónias que durante o ano catequético se realizam na Igreja dos Ginetes tento recordar a minha infância nas mesmas situações mas infelizmente nada encontro, além de uma fotografia tirada no legendário “Foto Nóbrega” e da preocupação da minha mãe a ensinar-me todos os dias antes de dormir as que hoje já são consideradas velhas orações. Catequese organizada na Paróquia dos Ginetes na década de cinquenta do século passado não existia. Tudo deu a volta a partir do ano de 1958 com a chegada do Pe. António Leite a esta terra. Anteriormente já tinha realizado em simultâneo Primeira Comunhão e Profissão de Fé. O Sacramento do Crisma igualmente, pois como o Bispo da Diocese visitava-nos apenas de cinco em cinco anos aproveitavam a passagem do mesmo para “colocar” o Sacramento da Confirmação “em dia” não importando a idade nem a formação, caso contrário ficaria adiado por mais cinco. Aos 14 anos entrei para o Seminário e então aí iniciei uma formação mais a sério na qual assento as minhas convicções religiosas fazendo igualmente o meu cérebro trabalhar para o melhor possível cultivar uma fé sem qualquer vergonha.
Das recordações do meu tempo tenho ainda na memória a preocupação que existia sobre a indumentária, meninas de vestido branco e longo até aos pés enquanto os rapazes de fato preto, camisa branca e “lacinho”. Tenho bem presente na memória que algumas crianças não tiveram a alegria de viver esse dia precisamente porque pertenciam a famílias demasiado carenciadas e como consequência os pais não tinham condições económicas para prepará-los para que estivessem “bem vestidos” como os amigos nesse dia.
Felizmente com o tempo tudo mudou. Hoje, rico ou pobre, vestidos de branco azul ou cor-de-rosa não importa pois tais “mundícies” não significam uma melhor preparação.
Não era a paróquia que o exigia mas uma tradição do povo, neste caso dos pais, que nessa época distante mantinham outras prioridades.
Curiosamente grande parte da minha geração não recorda o dia da Primeira Comunhão. Não é certamente pela idade avançada mas, tal como eu, não tiveram ocasião de fazer um percurso como hoje é dado, com o consentimento dos pais evidentemente, a todas as crianças.
Podemos apontar muitas falhas ao que se passa à nossa volta nestes tempos, mas não aos métodos actuais do ensino da Catequese que o torna mais acessível a todos dependendo da idade dos nossos jovens.
Neste Domingo quero aqui salientar a importância das nossas Catequistas, pois continuam a desempenhar um trabalho excelente na formação religiosa das crianças dos Ginetes. Algumas aqui nasceram mas há muito por motivos profissionais tiveram de partir para outros lados mas ao fim-de-semana aqui estão, satisfeitas e motivadas num trabalho nem sempre fácil mas que conseguem com algum “carisma”, humanamente também importante, fazer pais e crianças felizes sobretudo em momentos como aquele que vivemos na Igreja dos Ginetes na passada Quinta-feira.
Terminando quero aqui recordar sobretudo aos filhos desta terra que na próxima semana teremos as nossas tradicionais Festas em Honra de S. João. Calendário litúrgico pouco habitual como este ano, obrigou ao adiamento das mesmas por 1 semana. 
Uma ocasião para visitar a nossa terra.

Print

Categorias: Opinião

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima