As oscilações no preço do pescado nas últimas quatro semanas

Na última semana de Maio, de acordo com os dados da Lotaçor, foram pescados 842 quilos de abrótea, número este que variou nas três semanas seguintes, registando-se o valor mais baixo da captura desta espécie na semana de 17 a 24 de Junho, onde foram apanhados no arquipélago um total de 367 quilos, representando 3 mil 501 euros vendidos a 9,53 euros na lota.
Entre 3 e 17 de Junho foram apanhados em cada semana 448 kg e 775 kg de abrótea, avaliados em 4 mil 185 euros e 6 mil 620 euros respectivamente, vendidos em lota a 9,34 euros e a 8,54 euros o quilo, apontam os dados disponíveis na plataforma online da Lotaçor, sendo esta uma espécie que actualmente se encontra à venda nas superfícies comerciais por 11,99 euros o quilo.
Dos peixes seleccionados entre a vasta lista de espécies disponíveis na plataforma online da Lotaçor, de onde foram retiradas informações relativas aos peixes de maior calibre, o goraz apresenta também algumas variações de preço, sendo facilmente uma das espécies mais caras vendidas nas lotas açorianas.
O preço mais caro deu-se entre 17 e 24 de Junho, quando foram capturados 2219 quilos de goraz, representando 41 mil 820 euros, uma quantidade vendida a um preço médio de 18,84 euros o quilo. Por seu turno, o preço mais baixo terá ocorrido na semana anterior, quando foram pescados 3065 quilos deste peixe, avaliados em 48 mil 914 euros, vendidos depois a 15,96 euros o quilo.
No que diz respeito ao alfonsim, nas últimas quatro semanas a maior captura deu-se na última semana, a partir de 17 de Junho, atingindo os 1320 kg de peixe, representando um total de 10 mil e 894 euros vendidos a 7,65 euros por quilo, o valor mais acessível registado na lota nas últimas semanas.
Em contraste, este peixe esteve mais caro entre 3 e 10 de Junho, uma vez que foram capturados nos Açores 701 kg deste peixe, representando 6 mil 390 euros vendidos na lota a 9,11 euros o quilo.
Quanto ao atum-patudo, o preço mais alto registado na lota, nas últimas quatro semanas, deu-se entre 27 de Maio e 3 de Junho, quando foram capturados 889 quilos desta espécie avaliados em 5 mil 338 euros e vendidos a seis euros o quilo, preço muito semelhante ao registado na semana de 3 de Junho a 10 de Junho. No entanto, de 10 a 17 de Junho foram capturados 501 de atum-patudo, representando 2 mil 505 euros vendidos em lota a cinco euros o quilo.
A bicuda, actualmente vendida em algumas superfícies comerciais a 7,99 euros o quilo, atingiu em lota o seu preço mais alto de 27 de Maio a 3 de Junho, adiantando os dados disponíveis no site da Lotaçor que foram apanhados 839 quilos deste pescado, avaliados em 3 mil 574 euros e vendidos a partir da lota a 4,26 euros por cada quilo.
Por seu turno, o preço mais baixo registou-se na semana seguinte, de 3 até 10 de Junho, sendo que foram capturados uma média de 439 quilos de peixe avaliados em 1760 euros e vendidos a partir das lotas a quatro euros por quilo.
Também a cavala, uma das espécies frequentemente consumida, apresentou alguma variação de preços nas lotas açorianas, atingindo o preço mínimo de 1,49 euros e 2,10 euros, sendo o valor mais alto atingido entre a última semana do mês de Maio e a primeira semana do mês de Junho, sendo que foram apanhados 2 mil 568 quilos deste peixe, representando 5 mil 381 euros.
O preço mais baixo desta espécie em lota ocorreu entre 10 e 17 de Junho, quando foram apanhados cerca de 5 mil 240 quilos de peixe avaliados em 7 mil 830 euros vendidos a partir das lotas açorianas a 1,49 euros, em média.
O cherne aparece, por outro lado, entre aqueles que podem ser os peixes mais caros, uma vez que nas últimas quatro semanas o preço mais baixo que atingiu nas lotas dos Açores, de acordo com os dados da Lotaçor, foi a média de 11,94 euros o quilo, tendo sido capturados um total de 1480 quilos, valendo 17 mil 670 euros.
Quanto ao preço médio máximo registado pela Lotaçor, este ocorreu entre 3 e 10 de Junho, quando foram capturados nos mares açorianos um total de 1007 quilos, representando 14 mil 140 euros vendidos por 14,03 euros o quilo.
No que diz respeito ao chicharro-do-alto, que actualmente pode ser visto à venda por 3,99 euros o quilo em algumas superfícies comerciais em Ponta Delgada, o preço mais alto foi registado entre a última semana do mês de Maio e a primeira semana do mês de Junho, quando foi registada no arquipélago uma apanha de cerca de 1085 quilos deste peixe, representando 2 mil 922 euros, vendidos a 2,69 euros por quilo.
Na semana de 10 a 17 de Junho foram apanhados 747 quilos deste peixe, avaliado numa média de 1489 euros vendidos nas lotas açorianas a uma média de 1,99 euros por cada quilo, oscilando na semana seguinte para uma média de 2,64 euros o quilo.
Quanto à apanha de congro, o preço médio mais alto registado nas lotas dos Açores foi de 3,97 euros por cada quilo de peixe, entre a última semana de Maio e a primeira de Junho, onde foram capturados 1759 quilos de peixe, representando 6 mil 978 euros.
Sobre o valor mais baixo registado nas últimas quatro semanas, o respectivo preço registado foi 2,88 euros entre 10 e 17 de Junho, quando foi registada uma apanha de peixe desta espécie de 1451 quilos que representam 4176 euros.
 

Print

Categorias: Regional

Tags:

x
Revista Pub açorianissima