GNR detecta 10 infracções na identificação de cavalos nas Cavalhadas e dá prazo para cavaleiros regularizarem situação

No passado Sábado foi o dia grande das festas de São Pedro, na Ribeira Grande, com o desfile das tradicionais Cavalhadas em que cento e cinquenta cavaleiros cumpriram a tradição que se iniciou no século XVI.
Tal como acontece há alguns anos a esta parte, a GNR também marcou presença para sensibilizar cavaleiros e participantes para o bem-estar animal e para a obrigatoriedade de identificação dos animais. Isto depois de, duas semanas antes, ter realizado no Teatro Ribeiragrandense uma acção de sensibilização com os militares da GNR, através do SEPNA, a Câmara Municipal da Ribeira Grande e demais organização deste evento secular. 
No próprio dia do desfile em que cavaleiros, lanceiros, corneteiros e o rei, se concentram junto ao Solar da Mafoma, na Ribeira Seca, e seguem em direcção à Câmara Municipal da Ribeira Grande, os militares da Guarda marcaram presença no evento a fim de averiguarem as obrigatoriedades que os cavalos estarem devidamente identificados. 
De acordo com a Guarda Nacional Republicana, foram fiscalizados entre 30 a 40 animais, dos 150 presentes, e foram detectadas cerca de dez infracções. Ou seja, “animais detectados sem chip e sem registo”, explica o Capitão Tiago Garrinhas. 
O responsável revela que tendo havido uma acção de sensibilização prévia junto da organização das Cavalhadas, foi dado um prazo de cerca de um mês aos infractores para procederem à legalização dos animais. 
“O objectivo não foi levantar autos de notícia mas que regularizassem a situação”, explica o Capitão Tiago Garrinhas que acrescenta que os militares também estiveram atentos ao bem-estar animal mas que “não foi detectada nenhuma infracção”, neste âmbito. 
A propósito desta acção de fiscalização da GNR, que tem vindo a ser presença assídua no evento que leva sempre milhares de visitantes à Ribeira Grande, nas redes sociais começou a circular o rumor de que os militares teriam autuado os cavaleiros que participaram nesta demonstração secular. Várias fotografias onde é possível ver dois jovens cavaleiros e os militares da GNR foram sendo partilhadas nas redes sociais perante a indignação dos internautas face à alegada actuação da GNR “nesta tradição secular” que são as Cavalhadas.  
A GNR garante, no entanto, que não foram levantados quaisquer autos de notícia mas apenas foram informados os proprietários dos cavalos da necessidade de estarem devidamente identificados para poderem circular na via pública. 
Por seu lado, o Rei das Cavalhadas, Rui Maré, confirma que houve realmente uma acção de sensibilização para alertar os participantes para a legisslação que desde há cinco anos obriga à identificação do animal, 

Cheque veterinário também para os cavalos
Por seu lado, o Rei das Cavalhadas, Rui Maré, confirma que este ano houve novamente uma acção de sensibilização para alertar os participantes para a legislação que desde há cinco anos obriga à identificação dos animais, mas alerta que muitos cavaleiros “tratam do cavalo todo o ano apenas para sair à rua naquele dia, por devoção”.
Rui Maré diz que “as Cavalhadas não estão acima da lei” e refere que desde que a lei entrou em vigor quase 90 cavalos, dos 150 presentes no desfile, estão identificados e acredita que no próximo ano “talvez 99% dos cavalos já tenha chip”.
Até porque, explica o Rei das Cavalhadas, há o compromisso da Câmara Municipal da Ribeira Grande de alargar aos cavalos que participem nas Cavalhadas o “cheque veterinário”, já instituído pela autarquia para garantir o acesso gratuito a consultas e tratamentos médicos veterinários aos animais domésticos. Havendo essa intenção para que até às próximas Cavalhadas haja essa possibilidade de gratuitamente os cavalos terem também o acesso gratuito a consultas veterinárias para que depois se agilize o processo de identificação e colocação de chip junto dos serviços competentes.
Perante os 10 cavaleiros que foram alertados pela GNR para que procedessem à regularização dos animais, Rui Maré acredita que possa haver algum bom senso para que esta intenção da Câmara Municipal da Ribeira Grande possa ajudar estes cavaleiros para que, de forma mais célere, possam realizar a identificação dos animais.

C.D.
 

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima