Celebra-se hoje o Dia Internacional da Amizade

A “amizade sincera é rara e deve ser cultivada e trabalhada para se contar com as pessoas quando se precisa delas”

 A Assembleia Geral das Nações Unidas decidiu implementar o Dia Internacional da Amizade com o objectivo de reforçar a amizade entre os países, povos e culturas. Tendo em conta a conjuntura actual que o mundo está a viver, a organização crê que a amizade reforça o companheirismo, a solidariedade e a confiança entre todos.
Além do mais, para assinalar esta efeméride, a ONU encoraja a realização de iniciativas por parte de organizações internacionais e governos a fim de contribuir para uma união e uma melhor compreensão entre as civilizações.
É uma data importante e multiplica-se por vários lugares. No caso de Portugal Continental, o Dia do Amigo é a 20 de Julho, não sendo uma data tão celebrada. Este dia remonta ao ano de 1969, o dia em que o Homem chegou à Lua e foi escolhido precisamente devido ao que se consegue alcançar ao unir esforços. No entanto, no arquipélago dos Açores, o Dia dos Amigos é comemorado, sendo uma tradição que se crê ter cerca de 100 anos. Nas quatro quintas-feiras antes do Carnaval, nomeadamente nas duas primeiras, são celebrados o dia dos amigos e das amigas consecutivamente, um festejo muito dedicado e celebrado pelos açorianos. Realizam-se jantares, trocam-se mensagens de amizade e afecto entre amigos e também prendas! Pode-se afirmar que é uma das datas mais festivas no calendário açoriano e muito referida como se poderá observar mais à frente.
Uma coisa é certa: para manter uma amizade, há que trabalhá-la e haver sinceridade, principalmente!
Fomos à rua saber o que pensam as pessoas sobre a amizade e a comemoração deste dia em concreto. Para Miguel Correia, de 64 anos, a amizade é “contar com as pessoas quando precisamos delas”, sendo necessário ser fiel aos princípios. “Quando um amigo precisar de nós e estarmos lá para ele”, acrescenta. A solidariedade é um dos principais elementos que devem fazer parte numa relação entre amigos. Referiu que mantém algumas amizades da sua juventude, apesar de alguns se encontrarem no estrangeiro. Realizam encontro, mas com menos frequência. Sobre o Dia Internacional implementado pela ONU, refere ser uma redundância pois diz que “já comemoramos cá o dia dos amigos nos Açores antes do Carnaval” como é tradição.
Já a partilha é o elemento fundamental numa amizade, como referiu Paulo Baptista, de 47 anos. Diz manter algumas amizades “sobretudo do ensino secundário e comemoram sempre no tradicional dia dos amigos cá nos Açores”. Realçou a importância das novas tecnologias e das redes sociais nos dias de hoje pois é possível manter o contacto com os amigos por aí e “tornou-se mais fácil marcar encontros”. Para além da partilha, a honestidade, a lealdade, o compromisso e a ajuda-mútua são fundamentais para se manter uma amizade. Como efeméride criada pela ONU, crê ser uma boa iniciativa: “existem outros dias internacionais, como o Dia da Criança, por exemplo. Apesar de já termos o nosso próprio dia dos amigos, porque não?”.
Tal como o entrevistado anterior, Paulo Botelho, de 57 anos, é da mesma opinião: a partilha é fundamental numa amizade e esta “faz com que possamos partilhar momentos importantes com as pessoas de quem mais gostamos. Costuma dizer que “conhecidos temos muitos, amigos nem por isso” por isso há que haver sinceridade absoluta numa amizade. Felizmente, ainda tem contato com os amigos conquistados na infância e na juventude e são essas relações que dão força à palavra “amizade”. Os amigos fazem parte do nosso quotidiano, por isso é dia dos amigos todos os dias “pois eles são a família que nós escolhemos”, destaca.
“A amizade é um assunto muito abrangente”, diz Isaltina Costa, com 70 anos de idade. No entanto, deve ultrapassar todas as coisas e por vezes, é mais importante que o amor, mas que “sem amigos, é muito difícil estarmos em pleno”. Mantém muitos amigos da sua juventude e é com alegria que diz que quando se encontram, mesmo não sendo todos os dias, é como se estivessem estado juntos no dia anterior pois “o dia dos amigos é todos os dias”. A sinceridade é a palavra-chave para uma relação de amigos e “tem que haver cultivo: amizade do lado de lá e amizade do lado de lá”.
Lúcia Faria, de 49 anos, também partilha a opinião que “a amizade deve ser cultivada, trabalhada e sobretudo sincera”. Manter o contato e estar presente nos bons e nos maus momentos é fundamental para que as relações não se percam.
Já Zulaia Melo, de 33 anos, conta que não tem nenhuma amizade dos seus tempos de escola e de juventude. Diz que “a amizade sincera é rara nos dias de hoje e que é um laço que já não aparece muito”. Crê que as pessoas, no geral, já não dão tanto valor como acontecia antes. Mas afirma ter grandes e verdadeiras amizades que foram surgindo na sua vida, fruto já sua maturidade, e que estas devem ser batalhadas.

Print
Autor: Rita Frias

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima