Poder Local também deve fazer a sua parte neste processo, diz João Ponte

“Investir na modernização das infraestruturas é preparar a agricultura para o futuro”

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou, em Santa Maria, que investir na modernização das infraestruturas agrícolas é preparar o setor para vencer os desafios do futuro, lembrando que esta é uma responsabilidade partilhada entre o Governo dos Açores e as Câmaras Municipais.
“Investir na modernização das infraestruturas agrícolas, como é o caso do abastecimento de água à agricultura, é apostar no futuro, é dar confiança e ajudar os agricultores a estarem melhores preparados para vencerem os desafios futuros e, sobretudo, melhorarem a competitividade da agricultura na Região”, frisou João Ponte, que falava sábado à margem da visita à empreitada de melhoria da captação de água do Cardal, na freguesia de Santo Espírito.
O governante salientou que esta responsabilidade não é exclusiva do Governo Regional, considerando que o Poder Local também deve fazer a sua parte neste processo, sendo certo que, para desenvolver uma agricultura de qualidade e de sucesso, é imprescindível apostar em infraestruturas agrícolas modernas e adequadas às exigências atuais.
João Ponte considerou que a obra de melhoria da captação de água do Cardal, da responsabilidade da IROA, constitui mais um bom exemplo do investimento público que está em curso em várias ilhas ao nível do abastecimento de água, que atinge este ano três milhões de euros, gera benefícios diretos para o trabalho diário dos agricultores, como a redução de custos de produção e um aumento da rentabilidade das explorações.
O reservatório do Cardal, com capacidade para 250 metros cúbicos de água, irá beneficiar cerca de três dezenas de explorações agrícolas, numa área de 70 hectares.

“O Governo dos Açores, dentro das suas competência e capacidades, vai continuar a trabalhar, independentemente da área ou do número de agricultores existentes, para dotar todas as ilhas de boas condições para alavancar o desenvolvimento do setor agrícola”, assegurou João Ponte.
Na ilha de Santa Maria, além do Cardal, a IROA vai avançar com a construção de um reservatório no Poço Grande, na freguesia de Santa Bárbara, e com a captação, a adução e a construção de um açude na Ribeira do Aveiro, com reservatório e ponto de abastecimento.

Aumento na ajuda do POSEI à
produção de meloa é um bom
incentivo ao crescimento desta cultura
 
Também em Vila do Porto, o secretário disse que o aumento de 22% na ajuda do POSEI em 2020 à produção de meloa é um bom incentivo ao crescimento desta cultura na ilha de Santa Maria.
“Em virtude da reclassificação da ajuda à produção de meloa na proposta de alteração do POSEI em 2020, que passará de hortícola para frutícola, haverá um aumento dos atuais 1.150 euros por hectare para 1.400 euros”, revelou João Ponte, acrescentando que Santa Maria tem um grande potencial para produzir mais meloas de grande qualidade e com mercado assegurado.
À margem de uma visita à exposição de produtos agrícolas, na Central Hortofrutícola da AgroMarienseCoop, no âmbito da Semana de Diversidade e da Festa da Meloa, Ponte salientou que se trata de uma alteração “muito significativa e um bom estímulo”, que visa incentivar o aumento da produção de Meloa de Santa Maria, a entrada de novos produtores, a entrega de mais meloas na cooperativa e, por via disso, contribuir para o desenvolvimento económico.
O Secretário referiu ainda que, na atual legislatura, já ocorreu uma majoração de 10% da ajuda, no caso de se tratar de meloa classificada com Identificação Geográfica Protegida (IGP), que é mais um incentivo importante para a apoiar o rendimento dos produtores, garantindo que que o Governo dos Açores esteve, está e estará sempre ao lado dos produtos de meloa, apoiando o desenvolvimento e o crescimento desta cultura, cuja qualidade é reconhecida e com potencial de valorização no mercado.
Na sequência do sucesso alcançado com esta edição da Semana da Diversificação e da Festa da Meloa, o Secretário Regional lançou um desafio à Direção da AgroMarienseCoop para realizar em 2020 um evento promocional similar na ilha de São Miguel.
Relativamente à Central Hortofrutícola da AgroMarienseCoop, João Ponte referiu que possui instalações devidamente preparadas para fazer o processamento das meloas, salientando que, além de produzir com qualidade, é preciso, hoje em dia, apostar no processamento e na apresentação do produto aos consumidores.
“Estas instalações têm todas as condições para fazer esse trabalho e a verdade é que a meloa mariense tem chegado ao mercado regional e nacional em excelentes condições e isso é importante do ponto de vista da valorização do produto e do rendimento dos produtores”, frisou João Ponte.

 

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

x
Revista Pub açorianissima