Opinião de Paulo Enes da Silveira - membro da SKI Portugal

Tributo aos praticantes, eternos alunos, de Artes Marciais

Nesta segunda parte do documento para a compreensão do “espírito Soshinkai”, a propósito dos 40 anos da Academia Soshinkai de Artes Marciais de Ponta Delgada, o autor presta um tributo aos praticantes e eternos alunos das Artes Marciais e por último lança uma conclusão-apelo.

 

(Continuação da edição anterior)

O meu primeiro tributo é, sem hesitação, dedicado a um estudioso e eterno praticante, fundador do Karate-do (a via do Karate) moderno:Mestre Gichin Funakoshi (1984-1957) que postulou em publicações [2] os fundamentos do Karate Shotokan,na primeira metade do século XX. Nascido ilha de Okinawa, é autor do impresionante livro KARATE-DO My Way of Life[1] (Fig. 13), onde aponta algumas regras: Deve treinar com muita e forte seriedade; Treine com o coração e a alma sem se refugiar na teoria (Fig. 14); Evite a presunção e o dogmatismo; Tente ver-se como realmente é e tente adoptar dos otros o que de meritório eles têm; Respeite as regras da Ética na sua vida diária, seja em público ou em privado.
São estes princípios, entre outros, que foram transmitidos na Soshinkai de Ponta Delgada, há quarenta anos.

O segundo tributo, é dedicado a Shihan Mário Águas que há quase cinco décadas me orienta e inspira na evolução das Artes Marciais, em particular no Karate e inicialmente no Viet Vo Dao, no Aikido e outras Artes. É um expoente máximo do Karate em Portugal, indigitado por Soke Hirokaru Kanazawa, fundador e responsável máximo da SKIF, para ser seu representante em  Portugal através da SKI Portugal.

O terceiro tributo, por ordem cronológica de conhecimento, devo-o a Soke Hirokazu Kanazawa, antigo aluno de Gichin Funakoshi, de quem tive o prazer de receber conhecimentos profundos no Tatemi e fora deste, sempre na companhia de Shihan Mário Águas (Fig. 13). Logo, os praticantes da Academia Soshinkai de Ponta Delgada, receberam ensinamentos através da terceira geração de praticantes conhecedores do Karate-do do Grande Mestre Gichin Funakoshi, o fundador do Karate moderno.

O quarto tributo dirijo aos meus companheiros da Soshinkai, SKKP e SKI Portugal, que através da Soshinkai-Mãe (no Porto), nos acompanharam nos primeiros anos de actividade ministrando treinos e estágios na Soshinkai de Ponta Delgada: Álvaro Pinto, Avelino Oliveira, Torcato e João Medeiros.

O quinto tributo, não podia faltar aos meus país Luísa Enes e Pedro Silveira que constituíram a base de apoio organizativo e aos meus irmãos Ana e Luís, praticantes entusiastas desde o primeiro dia, na Soshinkai de Ponta Delgada.

O sexto tributo abrange todos os alunos e companheiros, com quem sempre aprendi, nesta via das Artes Marciais, do Karate-Do, em particular, os que foram avançando (Senpai) e mais tarde se tornaram Mestres (Sensei). Da prática inicial da Academia Soshinkai, saliento três então destacados Senpai: Manuel Fernandes, António Terra e Fernando Vicente, pela dedicação e valia técnica. Ficou sempre na mina memória o António Melo, exemplo de perseverância. Especial referencia devo ao Sensei Álvaro França, na altura 2.º Dan de Judo, que sempre nos acompanhou e partilhou do seu saber e da sua experiência. Ao Sensei António Terra agradeço a iniciativa de ter realizar um treino na Vila Franca, de celebração dos 40 anos do início da prática do Karatena Academia Soshinkai em Ponta Delgada.

O meu sétimo tributo aos que nos últimos quarenta anos contribuíram, por diferentes vias, para a divulgação das Artes Marciais através da sua prática com bons e salutares princípios, proporcionada em diferentes ilhas dos Açores.

Conclusão-apelo: “Respeite as regras da Ética na sua vida diária, seja em público ou em privado”

Concluindo, faço votos para que alguns dos princípios referidos neste escrito, possam inspirar e incentivar os praticantes de Artes Marciais, especialmente nos Açores, salientado o pensamento de Mestre Gichin Funakoshi, para a boa conduta de um karateca: “Respeite as regras da Ética na sua vida diária, seja em público ou em privado”. Infelizmente, existem praticantes que atingem altas graduações, mas que não aplicam na sua conduta diária este elementar principio.
Mas o ser humano está sempre a tempo de encontrar o melhor caminho.
Não será esta, também, uma característica do “espírito Shoshinkai”?


Paulo Enes da Silveira,
membro da SKI Portugal 

Print
Autor: CA

Categorias: Opinião

Tags:

x
Revista Pub açorianissima