Menos 7,9 milhões de kilowatts/hora de energia geotérmica e mais 2,9 milhões de energia a partir do fuel

A EDA explicou ao Correio dos Açores que a quebra de 7,9 milhões de kilowatts na produção de energia geotermia, de Janeiro e Outubro deste ano, em relação a igual período de 2018 se deveu a trabalhos esperados de manutenção nas centrais do Pico Vermelho e da Ribeira Grande e a uma avaria numa das turbinas na central geotérmica do Pico Vermelho que deverá estar reparada nos próximo dias.   

Segundo dados revelados pelo Serviço Regional de Estatística, de Janeiro a Outubro deste ano a EDA produziu 678,9 milhões de kiloWatts/hora de energia eléctrica, menos 657.589 kiloWatts/hora do que em igual período do ano passado. E, neste período, aumentou a produção de electricidade a partir do fuel em 2,8 milhões de kilowatts/hora e diminuiu a produção de electricidade a partir da geotermia em 7,9 milhões de kilowatts/hora.
Em contrapartida, nos primeiros dez meses deste ano, aumentou a produção de electricidade a partir da energia eólica em 1,8 milhões de kilowatts/hora; aumentou a produção da electricidade a partir da energia hídrica em 3,2 milhões de quilowatts/hora.
Como explicou a empresa de electricidade dos Açores, as variações positivas verificadas, tanto na produção hídrica como na produção eólica, “estão relacionadas sobretudo com a maior disponibilidade dos recursos primários, face a igual período do ano transacto”.
Já o decréscimo verificado na produção geotérmica está associado a trabalhos de manutenção programada, que ocorreram nas centrais da Ribeira Grande no mês de Janeiro, e do Pico Vermelho nos meses de Fevereiro e Maio, “assim como a trabalhos de investimento na linha que abastece a central da Ribeira Grande, no mês de Abril”.
“Tivemos também uma avaria numa das turbinas da Central Geotérmica do Pico Vermelho, já em fase final de reparação, que afectou a produção nos meses de Outubro e Novembro. Contamos ter nos próximos dias a Central do Pico Vermelho a trabalhar em pleno”, explicou a EDA.
Anunciou que está em fase de conclusão do concurso público internacional para a realização de mais poços geotérmicos nas zonas do Pico Vermelho e do Cachaço/Lombadas, na ilha de São Miguel, e do Pico Alto, na ilha Terceira. 
Encontram-se, também, já adjudicados todos os materiais necessários para a realização dos furos geotérmicos e a EDA “conta”, no final do próximo ano, iniciar os trabalhos de perfuração com vista a aumentar a capacidade produtiva das três centrais geotérmicas.
 A Empresa de Electricidade dos Açores anunciou, por outro lado, que “este ano a Central Geotérmica do Pico Alto, na ilha Terceira, está a produzir mais do que no período homólogo do ano passado, cerca de 2 gigowatts/hora”.
Entretanto, a Central de Valorização Energética de Resíduos, na ilha Terceira, produziu, de Janeiro a Outubro deste ano, 11 milhões de kilowatts/hora de energia, mais 716.960 kilowatts/hora do que em igual período de 2018.
A energia eólica industrial que entrou na rede eléctrica aumentou em 3,3 milhões de quilowatts/hora nos primeiros des meses deste ano em relação a igual período do ano passado.   
Embora com valores mais reduzidos, é significativo o aumento de energia fotovoltaica privada que entrou na rede de distribuição eléctrica da EDA. Passou-se, de facto, de 17.865 kilowatts/hora de energia fotovoltaica entre Janeiro e Outubro de 2018 para 304.640 kilowatts/hora no mesmo período deste ano. 
                                                                               

Print
Autor: João Paz

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima