“Admiro que uma parte da nossa juventude já aprecia o fado”, regista com agrado a fadista amadora Graça Santos Prata

Correio dos Açores: Como descobriu a paixão pelo fado?
Graça Santos Prata: Desde miúda, por volta dos meus 6/7 anos, e talvez por descender familiarmente de gente com dotes musicais (músicos e cantoras), mais precisamente por muita vez ouvir meu falecido avô materno, Manuel Prata a tocar guitarra de fado, comecei a despontar para o canto, neste caso o canto do fado. Meu avô começou a puxar por mim, e então desde aí, nunca mais parei de cantar, mas sempre de modo amador.

Por onde já levou a música? 
Já tive a felicidade de andar à roda desta ilha toda a cantar o fado. Por outro lado, andei pelas nossas comunidades de emigrantes nos Estados Unidos da América e no Canadá onde levei a música na minha bagagem e fui acarinhada por todos os lugares por onde cantei.

Conte como foi a homenagem a Manuel Antão?
Tendo sido convidada para cantar fado na homenagem ao cantador ao desafio Manuel Antão Pereira, que se realizou na Freguesia do Faial da Terra, foi para mim, uma honra. Foi mais uma maneira de casar o fado com as cantigas ao desafio, o que, no meu entender, resultou em pleno, uma vez que o homenageado também adorava fado.

Já respirou fado nas casas de fado em Alfama e no Bairro Alto?
Infelizmente ainda não se me proporcionou esta oportunidade, mas conto um dia poder ter a dita de poder escutar e mesmo cantar nos bairros típicos de Lisboa, onde o fado é rei e que recentemente foi elevado ao estatuto de Património Cultural e Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

Tem algumas músicas originais?
Não, só canto fado antigo, e recentemente tenho optado por alguns fados, digamos mais modernos, de novas fadistas Portuguesas.

Qual o espectáculo que deu mais satisfação?
Não tenho espectáculo algum em que tenha eu tido mais satisfação, mas, sinto-me mais realizada quando o público interage comigo, ora aplaudindo, ora cantando. No entanto, dentro dos espectáculos realizados, realço aqueles que gratuitamente me disponibilizo, e que servem para ajudar causas nobres, tais como Casa do Triângulo, APAF, Instituições de Solidariedade, jantares de finalistas escolares, Espírito Santos, Grupos de Cantares, etc, etc.

Acha que o fado toca no coração das pessoas?
Sim, sem dúvida, pois nota-se quando estou actuando. E admiro que uma parte da nossa juventude já aprecia o fado.

Podemos saber qual a fadista de eleição? 
Sem dúvida, a divinal e inesquecível Amália Rodrigues e a recente fadista Ana Moura.

Em quem se inspira para cantar?
Na imortal Amália.

Nos Açores, as pessoas apreciam o fado?
Sim, como já acima disse, apreciam o fado, o que se prova pelos variados espectáculos realizados pela ilha toda, com particular atenção aos levados a cabo no Teatro e Coliseu Micaelense, com artistas do continente português, do maior gabarito no fado, sempre com lotação esgotada.

Há bons tocadores nos Açores?
Sim, para o nosso meio e embora não sendo executantes de escola musical do fado, existem alguns excelentes executantes, tais com os conhecidos Moniz Correia, Alfredo Gago da Cama, e os meus acompanhantes de longa data, José Vítor Prata, e seu filho Rui Prata, respectivamente à guitarra de fado e baixo, por sinal meus primos, bem como à viola de fado, o Carlos Estrela.

O que sente quando estás a cantar?
Uma nostalgia, e uma alegria por me encontrar, e estar a realizar uma coisa que adoro.

Os jovens aderem aos espectáculos?
Sim, embora não tenha feito espetáculos só para jovens, encontro-os em número significativo, onde quer que canto.

Qual o maior sonho na música?
Nunca perder a voz para o fado, e assim nunca deixar de cantar.

Como correram os espectáculos nos EUA e Canadá? 
Maravilhosa, e calorosamente apoiada e aplaudida pelos nossos emigrantes. É como se estivéssemos em São Miguel, sentimo-nos em casa, e em família. Nota-se uma grande alegria nos emigrantes, e admiramos como eles passados, muitos deles dezenas de anos, afastados dos Açores, não perdem as suas raízes, notando-se o gosto pela nossa música portuguesa e regional.

                        
 

Print

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima