24 de novembro de 2019

“A promoção do destino Açores carece de um investimento adequado no online”

  O Turismo é das atividades económicas em que o processo de transformação digital teve um maior impacto, atendendo a um conjunto diverso de factores que procuro identificar e nas consequências que estas tendências terão na promoção do destino Açores. 

1. Presença Online 
As pessoas não vão à internet, as pessoas vivem na internet. 
Grande parte do tempo das pessoas é vivido na internet, quer para consumir conteúdos, pesquisa, interação social e aquisição de produtos e serviços. 
Os utilizadores passam 60% do seu tempo online usando um telemóvel, pelo que deve dar-se prioridade à produção de conteúdos que estejam adequados a serem visualizados/consumidos em telemóveis. 
Esta vivência na internet é ainda maior nas gerações mais novas, pelo que a ausência duma presença online condigna por parte das organizações, faz com que estas se tornem “invisíveis” aos olhos destas pessoas, descurando-se o facto dos jovens adorarem viajar e de partilhar as suas experiências online.

2. Turista Online 
O “ciclo de vida” do Turista consiste em: “Sonhar” com destinos; “Planear” o quando, o como chegar e o que fazer; “Reservar” o essencial: viagem, alojamento e transportes locais; “Experienciar” o destino pesquisando e recolhendo informação sobre o que fazer e “Partilhar” com a família e amigos a vivência experimentada, todas estas atividades são de uma forma ou outra complementadas e executadas online. 

3. Sonhar e Planear 
Mais de 80% das pessoas decidem o seu destino férias com base em informação recolhida na internet. Em vez de contatar as Agências de Viagens tradicionais, recorrem ao Google, ao YouTube e a sites de viagens para recolher informação sobre os possíveis destinos consoante os seus gostos e preferência pessoais ou influenciadas pelos seus amigos. 

4. Reserva Online
 Cada vez mais os turistas planeiam as suas férias sem recorrer a Agências de Viagens, reservando diretamente as passagens aéreas, o aluguer de veículos, a estadia e atividades em plataformas online. 
As grandes plataformas online de reservas, como o Booking, AirBnb, TripAdvisor, Trivago, etc... têm por isso um grande peso na preferência dos viajantes, com isso terão um maior influência na tomada de decisão dos consumidores e uma maior apetência pela obtenção de maiores margens de comercialização junto dos fornecedores de serviços. 
Atendendo ao sistema de avaliação que todas elas praticam sobre os serviços prestados, é essencial ter uma atenção especial aos clientes que provêm destas plataformas, pois as pessoas confiam mais na opinião que os outros consumidores manifestam sobre uma organização, do que naquilo que a organização diz sobre si própria. 
Deste modo, tornam-se essenciais no processo de escolha e decisão por parte dos consumidores na aquisição de serviços a estas empresas, sejam compras online ou não. 

5.Análise de Dados
Uma das tendências actuais é a implementação de sistemas de monitorização da atividade turística com base em indicadores de gestão e de sustentabilidade do destino, os quais permitem avaliar as principais tendências dos visitantes, como seja a carga dos locais mais visitados e agir rapidamente em consonância com a informação colectada, a qual pode ser obtida através duma abordagem colaborativa de trabalho em rede. 
A recolha e o tratamento de dados obtidos nas plataformas digitais, através daquilo que se denomina de Big Data (Ciência dos Dados) e a sua análise recorrendo a ferramentas baseadas na Inteligência Artificial, permite às organizações conhecer melhor o perfil dos turistas. 
Desta forma, consegue-se melhorar a resposta às solicitações e adequar rapidamente a oferta às tendências do mercado, baseando a tomada de decisões em factos e não por intuição ou com base na experiência dos decisores muitas vezes desadequada da realidade.

6. Marketing Digital 
O enorme investimento realizado pela principais plataformas de reservas em Marketing Digital, deixa pouco espaço online disponível para uma presença independente destes fornecedores de serviços. 
Para ultrapassar esta dificuldade há que ter estratégias inteligentes e inovadoras na promoção dos serviços e uma presença online consistente, privilegiando uma presença orgânica, que não dependa unicamente do investimento em marketing digital.

7. Alojamento Local 
O Alojamento Local é uma forte tendência no mercado do turismo, não se pode descurar esta propensão, devendo-se adequar o território, ou seja a sua distribuição e tipologia, de forma a não defraudar as expectativas criadas por este tipo de viajante que procura essencialmente uma experiência genuína de contacto com o meio envolvente e com os habitantes locais. 

Conclusão 
Na minha opinião a promoção do destino Açores carece de um investimento adequado no online, devendo ser a própria região a gerir a sua presença, não devendo confiá-la a operadores, que dispersam a sua promoção por diversos destinos, sem a possibilidade de monitorizar de forma adequada a sua efectiva implementação e a medição dos resultados alcançados. 
                                           

22 de Novembro de 2091 
 Luís Cabral de Melo 
Director Geral da Cybermap
Texto lido no Fórum dos Municípios
Título da responsabilidade do Correio dos Açores
 

Print
Autor: CA

Categorias: Opinião

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima