Cerimónia de ordenação diaconal decorreu na Sé do Santíssimo Salvador

Bispo de Angra quer novos diáconos integrados na missão da Igreja e no apoio aos mais excluídos

Diocese de Angra viveu esta tarde a ordenação de sete novos diáconos- seis diocesanos e um religioso carmelita- e a instituição de três leitores
O bispo de Angra, D. João Lavrador, desafiou, na sua homilia, esta tarde os sete novos diáconos ordenados- seis alunos do Seminário Episcopal de Angra e um religioso da Ordem do Carmo- a serem, para a comunidade cristã “motivo de alegria” e anunciadores de “uma nova esperança”.
“Conto convosco e com o vosso ministério, caros jovens, vós podeis dar à Igreja a frescura e os sonhos da vossa juventude, o entusiasmo e a generosidade da vossa entrega, o testemunho e o desafio do vosso serviço no amor aos irmãos mais excluídos da nossa sociedade”.
Na homilia da missa de ordenação, celebrada esta tarde na Sé de Angra, o prelado diocesano lembrou que estas ordenações são uma “esperança vivida e experienciada” para toda a Igreja.
“Vós jovens, na vossa entrega total ao serviço de Deus e da sua Igreja, sois para a comunidade cristã e para o mundo motivo de uma alegria e de uma esperança que vai para além dos projectos humanos”, afirmou D. João Lavrador ao lembrar que “urge proclamar caminhos novos de amor, de verdade, de justiça, de fraternidade e de paz”.
“Caros jovens, o ministério de diácono integra duas tarefas principais, o serviço da caridade e a proclamação da Palavra. Revestidos de Cristo e pelo dom do Espírito Santo pela imposição das mãos, integrai-vos na missão da Igreja, dedicando todo o vosso ser à proclamação da Palavra e ao serviço aos mais excluídos”, exortou. E, embora a proclamação da Palavra seja já em si um “serviço precioso e fundamental para tornar presente a Deus onde Ele ainda não é conhecido ou não é autenticamente vivido, urge mostrar em gestos de partilha fraterna e de serviço aos irmãos a realidade da Pessoa de Jesus Cristo como centro de toda a Palavra de Deus”.
“O exercício do ministério de diácono não é uma função individual” alertou, por outro lado, lembrando que “ todos os ministérios na Igreja são vividos e realizados na comunidade cristã. Daí que através de vós a Igreja e a comunidade diocesana se sentem mais enriquecidas, mas também mais interpeladas a caminharem, em todos os seus membros para uma comunidade de serviço, isto é uma comunidade ministerial”, acrescentou ainda o bispo de Angra.
A partir da liturgia deste domingo, o primeiro do Advento, D. João Lavrador lembrou as linhas essenciais deste tempo de espera que é igualmente um tempo de esperança.
“Estamos a iniciar uma caminhada na experiência cristã que nos leva a viver o tempo de advento como tempo de esperança, numa atitude de vigilância à maneira de quem está ansioso por se encontrar com Aquele que lhe traz a Salvação; itinerário que exige esforço pessoal e comunitário para nos deixarmos converter e elevar para a verdadeira dignidade que só Jesus de Nazaré nos pode oferecer “, disse o prelado.
A partir da liturgia do dia, que convida a uma espera vigilante e atenta, características que marcam o tempo do Advento que precede o Natal, D. João Lavrador afirmou a necessidade deste ser também um tempo de oração e de escuta da palavra de Deus.
“Esta experiência de Advento, tempo de Esperança, move-nos no desejo de encontro com o Filho de Deus e com os irmãos. Daí o convite á vigilância e ao esforço por nos ultrapassarmos na nossa rotina e mediocridade do dia a dia, de nos libertarmos das prisões que não nos deixam ver claramente Aquele que continuamente vem ao nosso encontro e o nosso compromisso em viver e transmitir a paz que nos vem de Deus e que quer atingir toda a humanidade”.
Os seis novos diáconos são alunos do 6º ano do Seminário Episcopal de Angra e são todos da ilha de São Miguel: dois da ouvidoria de Ponta Delgada – Igor Oliveira (São Roque) e Aurélio Sousa (Sete Cidades), dois da ouvidoria das Capelas, Pedro Carvalho (Santa Bárbara) e João Farias (Santo António), um da ouvidoria da Povoação, Sandro Costa (Furnas) e outro da Ribeira Grande, Nuno Pacheco de Sousa (Ribeirinha). Foi ainda ordenado diácono Frei Renato da Cruz, carmelita descalço, natural da Vila Nova, na ilha Terceira.

                                    Igreja dos Açores
 

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima