A Universidade dos Açores após 44 anos da sua fundação continua a estimular e a participar na reflexão sobre as grandes questões da Região

A Universidade dos Açores foi fundada a 9 de Janeiro de 1976, tendo surgido na sequência da implantação do regime autonómico nos Açores e da política de expansão do ensino superior em Portugal. Procurou, inicialmente, dar resposta às múltiplas necessidades de formação de quadros na Região, elevar o seu nível cultural e promover o seu desenvolvimento científico e tecnológico. Através do despacho n.º 414/75, de 14 de Outubro, do Ministro da Educação e Investigação Científica, foi constituído um grupo de trabalho para estudar a criação de uma instituição de ensino superior nos Açores. Através do Decreto-Lei n.º 5/76, de 9 de Janeiro, e num contexto de regionalização de educação superior, visando dotar as diversas zonas do País de unidades de ensino, pesquisa, desenvolvimento cultural e serviços comunitários, foi criado o Instituto Universitário dos Açores.
Em 1980, através do Decreto-Lei n.º 252/80, de 25 de Julho, e já no contexto da autonomia político-administrativa da Região Autónoma, o Instituto Universitário dos Açores foi transformado em Universidade dos Açores. Com a finalidade de prover efectivamente serviços educacionais para a população regional, a Universidade foi estabelecida em três campus: em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, e na Horta, na ilha do Faial, e organizada em dez departamentos e duas escolas superiores para, essencialmente, prover instrução e pesquisa. Enquanto que no campus principal, em Ponta Delgada, são ministrados cursos em várias áreas, os outros campus especializaram-se nos domínios das ciências agrárias e da oceanografia. Actualmente, os dez departamentos passaram a ser quatro faculdades. Na ilha de São Miguel existe, a saber: Faculdade de Ciências Agrárias e do Ambiente; Faculdade de Ciências e Tecnologia; Faculdade de Economia e Gestão; Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.
Na Ilha Terceira, a Faculdade de Ciências Agrárias e do Ambiente.
As escolas de ensino superior politécnico são a Escola Superior de Saúde - Pólo de Ponta Delgada e Angra do Heroísmo, e a Escola Superior de Tecnologias - Pólo de Ponta Delgada e Angra do Heroísmo. 
Desde a sua fundação, a Universidade já teve cinco reitores. Actualmente ocupa este cargo João Luís Gaspar. Na cerinónia dos 44 anos da sua fundação, João Luís Gaspar  registou que o investimento per capita do Estado no Ensino Superior Universitário tem sido substancialmente mais elevado no continente do que nas Regiões Autónomas. Mais, prova de que votações orçamentais das universidades insulares não contemplam a necessária compensação dos sobrecustos de insularidade e ultra periferia.
Numa simples palavra, desmente as afirmações que procuram camuflar uma realidade por todos reconhecida e que, no caso dos Açores, escondem o interesse de acabar com a nossa estrutura tripolar e mesmo com o nosso estatuto de Universidade Autónoma.
O reitor deu conta também de que no que respeita ao ensino universitário, e de acordo com os dados corrigidos pelo Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, nos cerca de 38 milhões de euros requeridos, apenas foram disponibilizados perto de 3 milhões de euros. Isto é, pouco mais do que 25%. 
No caso particular da Universidade dos Açores, para uma necessidade de reforço orçamental na ordem de 1 milhão de euros, o Governo apenas garantiu a transferência de aproximadamente 270 mil euros. Mesmo assim, anunciou que no final de 2019 a Universidade dos Açores avançou de forma decisiva no que respeita à promoção do seu pessoal docente. Tendo aberto mais de três dezenas de concursos internos documentais para a promoção a professores associados e catedráticos. “No mesmo registo, e com o apoio financeiro da Fundação Gaspar Frutuoso, já autorizado pelo Ministério das Finanças, vamos abrir igualmente concursos externos para a admissão de professores catedráticos e associados, perspectivando-se que até ao final do presente ano, que a Universidade dos Açores triplique a percentagem de professores nestas categorias. Preparamo-nos assim para cumprir os requisitos obrigatórios para a acreditação de cursos a partir de 2023”, sublinhou, adiantando que no que se refere ao pessoal não docente, em 2020 “a Universidade dos Açores pretende recrutar igualmente novos técnicos superiores, incluindo aqueles que se encontram ao abrigo de programas de integração de trabalhadores precários e cuja contratação deve suportada por verbas extraordinárias que continuaremos a reclamar”. 
Ao nível do ensino, “manteremos as prioridades já identificadas em 2019, que visam melhorar a qualidade dos ciclos de estudo que ministramos, e adaptar a oferta lectiva aos interesses dos estudantes e da Região. Este é um processo contínuo”, rematou João Luís Gaspar.                                         

                                                         

N.C.

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima