Estudo da Press Power adjudicado pelo Governo dos Açores

Jogos do Santa Clara tiveram um impacto de 5,3 milhões de euros na economia do turismo nos Açores

 O Clube Desportivo Santa Clara, na primeira volta da Liga NOS, apresentou uma média de espectadores de 5.306 por jogo, tendo nesta primeira volta recebido no seu estádio os três maiores clubes nacionais. A recepção ao S.L. Benfica representou lotação total do Estádio de São Miguel.  
No que concerne aos adeptos oriundos do exterior do arquipélago (dados recolhidos juntos dos clubes), pode-se constatar que a Ilha de S. Miguel recebeu 1.678 adeptos de clubes de futebol. 
Na deslocação dos adeptos de cada clube para a ilha de S. Miguel, foram realizadas simulações nas diversas datas, tendo em conta as companhias aéreas que operam entre o território nacional e a ilha de S. Miguel, tendo a média dessa verificação sido de 96 euros por passageiro. Assim, apurou-se que foram gastos 161.088€ no transporte de adeptos para a ilha.
O estudo afere que o valor o impacto financeiro dos jogos do Clube Desportivo Santa Clara NOS em jornais escritos, na 1º volta, para os jogos em casa foi de 680.685€.
O valor do impacto financeiro das notícias nos jornais desportivos foi de 276.470€. Um facto considerado “importante” é que ao nível online, estes são os meios informativos mais consultados do país e estão presentes no ‘top 10’ de jornais mais vendidos em banca.
No que concerne aos jornais generalistas, excluindo os jornais açorianos, constata-se que o valor do impacto financeiro é de 404.275€.
Constata-se, assim, que a maior valorização é dada pelos jornais generalistas, não pelo relevo dado à notícia, mas sim pelo número de Órgãos de Comunicação Social que veicularam informação referente aos jogos em análise. 
Os resumos dos jogos do Santa Clara em casa transmitidos pelas televisões ou, no caso da Sport TV, que transmitiu em directo todos os jogos da Liga NOS realizados no Estádio de S. Miguel, tiveram um impacto financeiro de 1.444.339 euros. O estudo sublinha que os resumos dos jogos com os três maiores clubes, Benfica, Porto e Sporting, são passados em horários nobres das televisões generalistas.
O estudo compara o impacto financeiro alcançado pelos diferentes meios e comunicação social para concluir que  o valor atingido pelos meios televisivos mais que duplica o dos escritos, chegando assim ao valor total do impacto financeiro dos jogos disputados em São Miguel pelo Clube Desportivo Santa Clara de 2.125.024 euros.
A empresa Press Power analisou todas as notícias que foram contextualizadas com o Clube Desportivo Santa Clara e percebeu que a palavra “Açores” / marca Açores, está presente em 89% de todas as notícias do clube açoriano, o que perfez uma relação directa de 1.891.271 euros.
Estima-se que os totais por jogo disputado pelo Clube Desportivo Santa Clara no Estádio de S. Miguel, teve um retorno de 2.495.862 euros, incluindo o impacto financeiro em todos os media (TV e impressos), viagens aéreas, alimentação em S. Miguel, transportes e outras despesas realizadas por adeptos e comitivas dos respectivos clubes.
Os jogos fora da primeira volta da Liga NOS do Clube Desportivo Santa Clara apresentam uma valorização de AVE (Advertising Value Equivalency – Impacto financeiro nos media) claramente inferior, visto que, na primeira volta, o clube açoriano teve a oportunidade de receber os clubes que propiciam uma maior valorização nas televisões e jornais.
Ao nível da assistência verificada nos estádios visitados pelo clube açoriano, esta foi considerada “reduzida, visto ter visitado formações com menor número de adep

ptos, com menor densidade populacional e clubes que tendencialmente não apresentam lotações esgotadas dos seus estádios”.
O clube açoriano como equipa visitante teve um total de 31.356 pessoas a assistir aos jogos e a ter contacto com o nome e marca “Açores”. A média por jogo é de 3.920 espectadores.
O retorno de impacto financeiro nos media por jogo realizado pelo Clube Desportivo Santa Clara como visitante nos jornais desportivos foi de 109.424 euros.
No que concerne aos jornais generalistas, pode-se constatar que o jogo que produziu um maior impacto financeiro foi quando o clube açoriano visitou Guimarães, para defrontar o Vitória local. 
O estudo conclui que o retorno de impacto financeiro  alcançado pelo Santa Clara nos jogos como visitante nos jornais generalistas foi de 286.525 euros.
Constata que a valorização atingida através dos jornais generalistas nacionais é superior à dos jornais escritos desportivos. O valor do retorno do impacto financeiro nos jornais escritos foi de 395.949euros.
Tendo em conta que os jogos da Taça de Portugal e Taça da Liga não tiveram transmissão televisiva, o estudo conclui que o retorno do impacto financeiro destes jogos nas televisões, incluindo a transmissão de directos dos jogos, foi de 145.420 euros.
Aferindo todos os meios de comunicação que produziram notícias sobre os jogos do Clube Desportivo Santa Clara como visitante, e que têm cotação de publicidade, é possível aferir que o retorno financeiro total foi de 541.369€
O valor total do retorno do impacto financeiro da 1º volta da Liga NOS, foi de 2.666.393 euros, tendo sido “claramente superior nos jogos em casa do que os jogos fora. Esta situação deve-se ao facto de a equipa açoriana ter recebido os principais e maiores clubes nacionais na 1º volta”.

O retorno financeiro
da 2ª volta da Liga NOS 2018/2019

O Clube Desportivo Santa Clara, na segunda volta da Liga NOS, apresentou uma média de 2.552 espectadores por jogo, sendo claramente inferior à da 1º volta. Contudo, acentua o estudo, “não podemos deixar de referir que na 1º volta que recebeu os três clubes com maior número de adeptos”. Neste enquadramento a empresa considera “importante referir que o total de adeptos no Estádio de S. Miguel foi de 20.412 pessoas”.
Na deslocação dos adeptos e respectiva comitiva de cada clube para a ilha de S. Miguel, foram realizadas simulações nas diversas datas, tendo em conta as companhias aéreas que operam entre o território nacional e a ilha de S. Miguel, tendo a média dessa verificação sido de 106€ por passageiro. Assim, apurou-se  que foram gastos 36.146 euros no transporte de adeptos para a ilha.
No que refere às televisões que emitiram resumos dos jogos do Santa Clara em casa, ou no caso da Sport TV que transmitiu em directo todos os jogos da Liga NOS realizados no Estádio de S. Miguel, o retorno do impacto financeiro foi de 165.245€.
O valor total do retorno do impacto financeiro do Santa Clara na 2º volta da Liga NOS foi de 591.117 euros.
Enquanto clube visitante, o clube açoriano teve um total de 158.447 pessoas a assistir aos jogos e a ter contacto com o nome e marca “Açores”. A média por jogo foi de 17.605 espectadores.
O retorno do impacto financeiro nos jornais escritos foi de 643.871euros.
Já o retorno do impacto financeiro das televisões, incluindo a transmissão de directos dos jogos, e atendendo a que os jogos da Taça de Portugal e Taça da Liga não tiveram transmissão televisiva,  foi de 416.000 euros.
Aferindo todos os meios de comunicação social que produziram notícias sobre os jogos do Clube Desportivo Santa Clara como visitante, e que têm cotação de publicidade, é possível aferir que o retorno do impacto financeiro total foi de 936.074€.
Assim, pode-se constatar que o valor total do retorno financeiro nos OCS foi de 2.265.445 euros, “tendo sido claramente superior nos jogos fora do que os jogos em casa”.
Analisando todas as notícias que foram contextualizadas com o Clube Desportivo Santa Clara, a empresa pretendeu  investigar ainda mais. Assim, “percebeu” que a palavra “Açores” / marca Açores, está presente em 92% de todas as notícias do clube açoriano, o que perfez uma relação directa de 2.084.209 euros.
Analisando todas as variáveis do presente estudo, incidindo sobre o Santa Clara, concluí-se. Assim. que os adeptos e comitivas introduziram na economia de São Miguel 449.609€ de forma directa, tendo o nome Açores, através da equipa do Santa Clara, tido um impacto de media no valor de 4 931 838 euros. J.P.

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima