Novo Matadouro de São Jorge é símbolo da abertura de novo ciclo para o sector da carne na Região, garante Vasco Cordeiro

O Governo dos Açores vai investir cerca de cinco milhões de euros na construção do novo matadouro da ilha de São Jorge, um investimento que o Presidente do Governo considerou que constitui o símbolo da abertura de um novo ciclo para o sector da produção de carne na Região.
“A abertura deste novo ciclo alicerça-se e fundamenta-se naquilo que tem sido o percurso que foi feito ao longo dos últimos anos” ao nível da quantidade e da qualidade, afirmou Vasco Cordeiro, que falava na apresentação do projecto da nova unidade industrial de São Jorge.
O Governo tem investido cerca de 15 milhões de euros na modernização e ampliação da rede regional de abate, tendo já sido construídos de raiz dois novos matadouros, um na ilha do Faial, inaugurado em 2018, e outro na Graciosa, inaugurado em 2019, assim como foram realizadas também importantes obras de remodelação e ampliação nos matadouros das ilhas Terceira e São Miguel.
Segundo referiu, os números são “particularmente elucidativos”, quer quanto à forma como o Governo encara o potencial deste sector, mas, sobretudo, da “capacidade de resposta que os agricultores deram aos instrumentos colocados à sua disposição”.
“Entre 2012 e 2016, o abate médio na Região foi de quase 60 mil bovinos. Nos últimos três anos, esta média anual subiu para mais de 70 mil bovinos abatidos. 63 por cento da carne de bovino destina-se à exportação, o que tem um significado claro quanto à pujança e dinâmica desta atividade”, sublinhou.
No segundo dia da visita do Executivo açoriano a São Jorge, Vasco Cordeiro salientou que, apesar deste percurso, é importante ter a consciência que nem tudo está resolvido, tendo em conta que é necessário “ter uma atenção permanente quanto à melhor forma de dinamizar o sector, de aproveitar todas as potencialidades que o mesmo apresenta e fazer com que essa dinâmica reverta em rendimento para os agricultores”.
Há passos que têm sido dados, como a exploração de novos mercados, a concertação entre todos os parceiros deste sector, através do Centro de Estratégia Regional para a Carne dos Açores – CERCA, e a certificação da rede de abate ao nível da qualidade e segurança alimentar, assegurou o Presidente do Governo, ao garantir que a construção do novo Matadouro de São Jorge tem a ver com esta dinâmica que se vive neste sector na Região.
De acordo com Vasco Cordeiro, a construção do matadouro é, assim, uma decisão já tomada, sendo agora o seu projecto submetido à análise dos parceiros desta área de São Jorge.
“Estaremos em condições de, no início da vigência do próximo Quadro Comunitário de Apoio, já em 2021, podermos avançar com a construção desta obra, que tem grande importância para a ilha de São Jorge e para a Região”, disse.
“São Jorge é a ilha que mais cresceu, do ponto de vista percentual, naquilo que tem a ver com abate de bovinos. Este facto é das melhores motivações que se pode ter para o impulso da realização de uma obra destas”, afirmou o Presidente do Governo. Numa estrutura polivalente, o Matadouro de São Jorge contemplará todos os requisitos exigidos pelas normas nacionais e comunitárias, de modo a cumprir integralmente com as exigências tecnológicas, hígio-sanitárias e ambientais.
Terá capacidade para abater 15 a 20 bovinos ou 20 suínos/hora, o sistema de frio terá capacidade de refrigeração de 63 toneladas e a sala de desmancha poderá laborar 12 carcaças de bovinos ou 25 suínos por dia.
Refira-se, ainda, que este matadouro contará com a instalação de um túnel de congelação de apoio à sala de desmancha e câmara de conservação de congelados.
O novo Matadouro de São Jorge ficará também equipado com uma unidade de tratamento de águas residuais industriais, salvaguardando-se, deste modo, os requisitos de segurança e de redução dos seus impactos ambientais. Por seu turno, o Secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou que o Governo vai investir na presente legislatura mais de meio milhão de euros no reforço do abastecimento de água ao sector agrícola na ilha de São Jorge, contribuindo para ajudar os agricultores no seu dia a dia e garantir um desenvolvimento sustentável do sector no futuro.
“A aposta que o Governo dos Açores está a fazer no reforço do abastecimento de água à agricultura é estratégico, porque estamos a resolver os problemas do dia a dia dos agricultores e, sobretudo, porque estamos a dar melhores condições de trabalho para que no futuro o sector continue a desenvolver-se e a ser um facto de dinamização da economia jorgense”, referiu João Ponte, na inauguração de dois reservatórios para abastecimento de água nos Bardinhos, na freguesia da Ribeo à ilha de São Jorge,
Relativamente aos reservatórios dos Bardinhos, trata-se de um investimento de cerca de 100 mil euros, cuja concretização permite criar um pequeno complexo de armazenamento de água com uma capacidade total de 930 metros cúbicos, no Perímetro de Ordenamento Agrário da Ribeira Seca – Norte Pequeno.
Para João Ponte, desta forma será possível aumentar a capacidade de resposta em época de estio e o apoio ao trabalho diário dos agricultores.

Porto do Topo com condições para servir pescas e turismo 

O Presidente do Governo visitou ontem as obras de melhoramento do Porto do Topo, um investimento de cerca de 6,5 milhões de euros que vai entrar este ano ao serviço das pescas e do turismo, reforçando, por esta via, as condições de desenvolvimento económico desta zona da ilha de São Jorge.
“Este investimento corresponde, sobretudo, a uma aposta estratégica quanto ao desenvolvimento de actividades económicas nesta parte da ilha de São Jorge”, uma vez que ficará dotado de condições para servir o sector das pescas, mas também as actividades de empresas marítimo-turísticas, referiu Vasco Cordeiro, no segundo dia da visita do Executivo açoriano à ilha de São Jorge.
Em declarações aos jornalistas, o Presidente do Governo adiantou ainda que a obra, que deverá ficar concluída no final deste ano, “corresponde a um anseio muito esperado nesta zona da ilha”, representando, assim, o cumprimento de um compromisso assumido pelo Governo com a população.
Com a melhoria das condições de segurança e operacionalidade, o Porto do Topo vai ficar dotado com um molhe-cais com 60 metros de comprimento e uma frente acostável com cerca de 40 metros de comprimento, sendo também repavimentado o cais atual, construída uma rampa varadouro e um terrapleno com uma área de cerca de 1.200 metros quadrados.

     
 

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima