Bensaude oferece equipamento único no país a bombeiros dos Açores

 António Castro Freire, Vice-presidente do Conselho de Administração do Grupo Bensaude, na sua alocação, começou por fazer referência à história do grupo empresarial. “Este grupo nasceu em 1820, nos Açores, com uma história marítima, de navegação e trocas comerciais. Expandimo-nos, não só em termos territoriais, mas também a nível das áreas de actividade. Atravessamos tempos bons e tempos menos bons, sem nunca esquecer o elo com estas ilhas que acolheram os nossos antepassados, já lá vão dois séculos”. Para além de marcar presença no arquipélago dos Açores, o Grupo Bensaude encontra-se também em Portugal Continental e na Madeira, com mais de duas dezenas de empresas em diversas áreas: Distribuição, Turismo, Energia, Marítima, Logística e Serviço. Com mais de 3.000 colaboradores, baseado “num espírito empreendedor e inovador, e também com uma visão empresarial de uma economia dinâmica e sustentável, mas sem nunca perder a noção da nossa identidade: sermos Açorianos. Daí que passados 200 anos, nos encontremos nesta sala, na cidade de Ponta Delgada, naquele que é o primeiro evento das comemorações do bicentenário do Grupo Bensaude”, acrescentou António Castro Freire. 
O Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, também marcou presença nesta cerimónia. Agradeceu por estar presente neste primeiro acto que marca as comemorações do bicentenário do Grupo Bensaude por vários motivos: “a comemoração dos 200 anos de um grupo empresarial é sempre motivo de satisfação, sobretudo para um presidente do Governo Regional; o facto deste grupo empresarial estar associado a uma família com uma relação com os Açores; e o objectivo da cerimónia”, nomeadamente a entrega do material às Associações de Bombeiros, homenageando estas mesmas. Fez referência a Antero de Quental devido a um prólogo seu num livro escrito por Alfredo Bensaude, devido à ideia de solidariedade para com o outro. “Esta ideia não é nova no Grupo Bensaude. Ao longo de toda a sua história e da sua actividade, e devido ao sentido de ir para além da visão empresarial” esteve sempre presente, mencionando José Bensaude e à fundação da Fábrica de Tabaco Micaelense. Para Vasco Cordeiro, a cerimónia caracterizou-se por ser “um acto carregado de solidariedade para com o outro” e que foi um bom exemplo “do comprometimento do Grupo Bensaude para com os Açores, um dos principais grupos económicos e fautores de desenvolvimento”. Acrescentou ainda que os Açores não têm sido apenas terreno de desenvolvimento, mas também porto de abrigo, a começar pela chegada dos primeiros membros da família Bensaude no início do século XIX. O Presidente do Governo enalteceu a empresa devido ao seu trabalho feito até então nas mais diversas áreas e pelo contributo que a família Bensaude tem trazido aos Açores. “A entrega deste equipamento a todas as corporações da região e de um equipamento que tem tanto a ver com a vida, não pode nem deve fazer esquecer a prática de solidariedade. Estes 200 anos que se celebra não são apenas 200 anos de um Grupo. São 200 anos de comprometimento com uma terra e esta cerimónia hoje é apenas mais um exemplo feliz.”  
Um equipamento tecnologicamente avançado
Todos os dias, a qualquer hora do dia e da noite, homens e mulheres escolhem a missão de arriscar a sua própria vida para salvarem outras que porventura nem conhecem. Este é o verdadeiro espírito de entrega e da mais profunda solidariedade para com o nosso semelhante. Foi neste espirito solidário, que escolhemos homenagear as associações humanitárias de bombeiros voluntários dos Açores. Através desta iniciativa, pretendemos homenagear todos os açorianos. O Vice-presidente do Conselho de Administração referiu que houve o cuidado em escolher um equipamento de ponta e inovador no arquipélago dos Açores. “Com esta homenagem, garantimos a cobertura total nas nossas ilhas porque para nós todos os Açorianos são iguais”.
Relativamente ao sucesso do Grupo, António Castro Freire refere que este se deve ao compromisso com a Região e com a população açoriana. “Fazemos questão de preservar as nossas raízes. Estas ilhas continuam a ser essenciais para o desenvolvimento da nossa identidade e por isso estamos comprometidos e empenhados no desenvolvimento sustentável dos Açores.” Com a entrega dos equipamentos às 17 corporações açorianos, “os Açores estarão na vanguarda nacional no que respeita a equipamento de ressuscitação” e deste modo, a população passará a estar melhor protegida relativamente a situações de emergência médica. “Obrigado pela vossa presença e pelo trabalho heroico e humanitário que fazem todos os dias”, conclui.
O equipamento escolhido é da marca Schiller, uma empresa fundada em 1974, sendo líder na área de reanimação cardiologia. Fabrica material também para outras marcas, liderando o mercado mundial. “Easy Pulse” é um equipamento de sistema de compressão mecânica composto por uma placa de posicionamento e duas baterias. “É um equipamento que pode ser utilizado em situações extremas”, tendo uma vantagem única: pode ser utilizado num paciente sentado. A empresa transmitiu dois vídeos: um em que mostrava o equipamento e as características e no outro, uma simulação em transporte de helicóptero. Um equipamento, que segundo o representante, “está na vanguarda da tecnologia, sendo único na sua área”. Garantir compressões automatizadas e utilizar na área hospitalar são algumas das vantagens da “Easy Pulse”. De simples colocação, tecnologicamente mais avançado no mercado e com uma tecnologia 3D, e adaptado para transporte de pacientes em situações difíceis, graças ao Grupo Bensaude, todas as Corporações de Bombeiros dos Açores serão as primeiras do país a utilizar este equipamento. Relativamente à formação de utilização do equipamento, a Protecção Civil dos Açores já recebeu e dará formação às Associações. 
A entrega simbólica às corporações foi realizada pelos membros do Conselho de Administração do Grupo Bensaude: Patrícia Bensaude Fernandes, Presidente do Conselho; António Castro Freire, Vice-presidente; Vítor Cruz, Joaquim Bensaude, Tomás Bensaude Fernandes, Jorge Aguiar, Maria José Gil, Carlos Filipe Medeiros, Carla Oliveira e José Paiva, administradores do grupo.

200 anos de história

Foi possível visualizar, pela primeira vez, um filme que conta a história da família e do Grupo e que apresenta a sua actual realidade. “Como viver 200 anos? O futuro é um longo caminho feito de muitos mares, mas e se correr mal? E se não tivermos capacidade? Não é fácil criar um grupo que resista a vários obstáculos e crise. Em 1820, montamos um negócio numas ilhas mágicas de onde os nossos navios rumaram ao Funchal, Rio de Janeiro, Liverpool, à pesca do bacalhau na Terra Nova. Mas eram ilhas que ficavam longe de tudo. Abrimos hotéis, uma companhia aérea. Chegamos ao continente, mas passamos tempos difíceis. Procuramos novos negócios. Crescemos no turismo. Apostamos em Serviços. Entramos na Distribuição. Investimos mais em Energia e no ambiente. Estivemos no ciclo das laranjas, do açúcar, do tabaco, da banca, mas a história separou-nos. Em 200 anos, nunca houve uma decisão sem o «mas». Mas fomos crescendo e descobrimos que quando se enfrenta todos os «mas» que a vida nos traz, que encontramos o nosso caminho.” Ao longo do filme, ao ouvir esta narrativa descrita anteriormente, foram transmitidas imagens dos vários ramos onde o Grupo Bensaude se encontra actualmente.

                                            


 

Print
Autor: Rita Frias

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima