Não temos de recear o futuro das pescas nos Açores, afirma Gui Menezes

O investimento na formação e profissionalização dos armadores e pescadores é a “prova inequívoca” da importância que o Governo dos Açores atribui às pescas. A opinião foi veiculada pelo Secretário Regional na cerimónia da entrega de diplomas do Curso de Operador de Rádio em GMDSS – Sistema Marítimo de Socorro e Segurança Marítima Global a uma dezena de marítimos graciosenses, cerimónia presidida pelo Presidente do Governo, Vasco Cordeiro.
O Governo Regional, através do curso em GMDSS, pretende capacitar os pescadores açorianos para trabalhar com um sistema para as comunicações marítimas de socorro, urgência e segurança, nomeadamente comunicações navio-terra, através de serviços de rádio terrestre e por satélite, que “pode fazer a diferença nas situações mais críticas”.
Desde que foi implementado nos Açores, em 2019, em parceria com a Federação das Pescas dos Açores, no âmbito de um protocolo estabelecido com o Centro de Formação Profissional das Pescas e do Mar, o FOR-MAR, este curso já formou 140 marítimos.
Durante a sua intervenção, Gui Menezes afirmou que o Governo Regional “trabalha para dar resposta às necessidades dos armadores e pescadores” açorianos, acrescentando que “reconhece o trabalho e o contributo” destes profissionais para “o desenvolvimento da economia das nossas ilhas”.
O Secretário Regional referiu, neste sentido, o investimento realizado pelo Governo dos Açores em infraestruturas e equipamentos de apoio à pesca, que representou na ilha Graciosa, em 2019, mais de 200 mil euros.
Gui Menezes destacou a reparação “em tempo recorde” das casas de aprestos da Folga, que tinham sido danificadas aquando da passagem do furacão Lorenzo, e a “rápida resposta” na reconstrução do muro no acesso ao porto de pescas.
A montagem de uma estrutura coberta para o núcleo de pescas da Praia, que foi “uma necessidade identificada pelos pescadores graciosenses para apoio a pequenas reparações nas embarcações” foi outro dos investimentos referidos.
O governante defendeu que “para garantir o futuro das pescas como actividade económica relevante, o caminho terá de passar por um bom ponto de equilíbrio entre a sustentabilidade dos recursos e o aumento do rendimento gerado por esta actividade”.
“Se os resultados nos dizem que os pescadores estão a conseguir retirar mais rendimento do seu trabalho, se temos hoje mais de 1.100 pescadores da Região com mais formação, se temos a determinação do Governo em prosseguir o investimento nesta área, não temos de recear esse futuro”, afirmou Gui Menezes.
“Continuarão a surgir desafios internos e externos aos quais teremos de dar uma resposta cabal”, acrescentou, mas frisou que a parceria entre as entidades e o sector da pesca “será sempre o caminho mais eficaz para que esses desafios sejam vencidos”, refere o Secretário citado em nota do GaCS.

“Resolver Acordar” vai ser alargado a todas as ilhas e utiliza meétodo do Teatro Oprimido para falar de  problemáticas

Também na Gracisoa, a Secretária Regional da Saúde salientou a importância do “desenvolvimento das competências humanas, treinando a capacidade de fazer escolhas” dos jovens, para a prevenção do consumo de substâncias psicoativas e de comportamentos aditivos.
Teresa Machado Luciano falava, na Escola Básica e Secundária de Santa Cruz da Graciosa, no âmbito de uma acção do projeto ‘Resolver Acordar’, que envolveu alunos do 10.º, 11.º e 12.º ano, professores e profissionais de saúde. Desenvolvido em parceria com as equipas de Saúde Escolar, este projeto intervém em características pessoais que o estudo de caracterização dos comportamentos aditivos na Região, designado VIDA+, comprovou serem fatores de protecção dos consumos.
O projecto ‘Resolver Acordar’ está implementado nas ilhas de São Miguel, Terceira e Graciosa e a sua metodologia já foi aplicada em outros contextos, designadamente na universidade e nos escuteiros, bem como nos pólos locais de desenvolvimento e coesão social da Terra-Chã, na ilha Terceira, Água de Pau, Arrifes, Fenais da Ajuda e Rabo de Peixe, em São Miguel.
A Direcção Regional de Prevenção e Combate às Dependência está a formar profissionais para aplicação desta metodologia, tendo já formado 25 elementos das equipas de Saúde Escolar e de entidades parceiras, bem como técnicos do Centro de Reabilitação Juvenil dos Açores.
 O objectivo consiste em alargar o projeto ‘Resolver Acordar’ neste ano lectivo a todo o arquipélago.
A titular da pasta da Saúde felicitou os profissionais pelos resultados atingidos no âmbito da Saúde Escolar na ilha Graciosa, destacando a “elevada taxa de realização dos exames globais de saúde aos cinco e aos 12/13 anos de idade, que atingiu, no último ano lectivo, os 92%”, bem como “a cobertura vacinal de todos os nascidos em 2005 e 2012”.
O projecto ‘Resolver Acordar’ utiliza a metodologia Teatro do Oprimido, criada nos anos 60 do século passado, com a finalidade de desenvolver competências pessoais dos jovens, bem como de fomentar interactividade e diálogo sobre problemáticas como o álcool e o consumo de substâncias ilícitas. 

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima