“Foi uma grande alegria”

Coroa do Divino Espírito Santo encontrada debaixo de um banco na Igreja de Santa Cruz na Lagoa

Pouco passava das 12h30 de ontem quando, à esquadra da PSP de Ponta Delgada, chegava um agente à civil com uma Coroa do Divino Espírito Santo na mão. Assim que o agente entrou no edifício ouviram-se suspiros de alívio e um “Graças a Deus. É a nossa coroa”, por parte dos vários elementos da Irmandade da Rua Amaro Dias, dos Arrifes, que via assim recuperada a Coroa que foi furtada do Triato na madrugada de Segunda-feira.
Depois de alguns momentos, possivelmente para tratar de burocracias, foi chamado um elemento da Irmandade para recolher a Coroa do Divino que terá sido deixada debaixo de um banco da Igreja de Santa Cruz, na Lagoa, tendo depois sido entregue à Polícia de Segurança Pública que ontem a entregou à Irmandade. “Suspeita-se que quem a furtou se tenha desfeito da Coroa, por causa do que foi feito nas redes sociais e pelos órgãos de comunicação social”, disseram ao Correio dos Açores, referindo que o suspeito do furto poderá ter ficado com receio e “livrou-se” da Coroa.
“Foi uma alegria. Não há palavras para descrever” o que sentiram quando receberam a notícia, por parte da Polícia de Segurança Pública que um dos símbolos da devoção do Espírito Santo da Rua Amaro Dias tinha já sido encontrado.
“Temos muita devoção. Muita mesmo”, explica Goreti Massa que diz que foi com “muita tristeza e com uma mágoa muito grande” que viram o Triato vazio e souberam que a Coroa tinha sido furtada do seu interior. “Ficámos muito tristes porque aquela coroa está ali há 27 anos”, explica Goreti Massa que diz que “há pessoas que não têm fé, mas nós temos muita fé. A nossa rua é uma rua pequenina e aquele Espírito Santo pertence só àquela rua” daí que tenha ainda mais significado para quem ali vive e para quem diariamente por ali passa e reza ao Divino Espírito Santo.
“Quem é que é capaz de fazer uma coisa dessas?”, questiona ao reforçar o choque que a Irmandade teve quando soube do furto. “Foi uma tristeza muito grande, mas não demorou muito a tristeza, porque a alegria veio logo a seguir”, disse ao lembrar que aquele objecto de devoção foi rapidamente encontrado. Em parte também devido aos apelos que se multiplicaram nas redes sociais para que ajudassem a divulgar a imagem da Coroa para evitar que tivesse outro fim. Aliás, tal como o Correio dos Açores deu conta na edição de ontem, houve uma tentativa depois do furto de venda da Coroa na própria freguesia dos Arrifes. Mas a Coroa do Império da rua Amaro Dias veio depois a ser encontrada na Lagoa.

“Casa roubada trancas na porta”
Agora que a Coroa do Divino Espírito Santo foi encontrada, a Irmandade teme de novo pela sua segurança e já estão a ser tomadas medidas para proteger o Triato, onde se encontra não só a Coroa mas também a Bandeira.
Na manhã de Segunda-feira, quando se aperceberam que a Coroa tinha sido furtada, também se aperceberam que a parte de vidro da porta do Triato tinha sido partida para permitir a entrada naquele espaço. Goreti Massa afirma que a porta é a mesma, mas agora estão a pensar fazer um gradeamento para proteger os bens mais preciosos do Divino Espírito Santo da Rua Amaro Dias.
Os membros da Irmandade presentes junto à esquadra da PSP concordam que agora é tempo de pôr “trancas na porta” e tentar evitar novos assaltos. “Já viu se voltam lá?”, questionam.
Por enquanto, agora que foi recuperada, a Coroa do Divino Espírito Santo vai ficar na Igreja até que seja feito o gradeamento no Triato e depois volta para o seu lugar, até porque a primeira Dominga do Império da Festa da Rua Amaro Dias começa no Domingo a seguir à Páscoa, sendo que o Império acontece a 31 de Maio.
Agora já com a Coroa em sua posse a Irmandade condena o acto criminoso de quem furtou aquele símbolo da devoção do Espírito Santo em todos os Açores e agradecem pelo facto de “mesmo assim, quem a tirou de lá não teve a ideia nem a possibilidade de a partir aos bocadinhos. Foi encontrada a tempo. Mesmo assim, já agradecemos isso”.
Apesar do sobressalto, a Irmandade da Rua Amaro Dias pode agora respirar de alívio apesar do pensamento estar sempre presente: “e se voltam lá?”. Por enquanto vai ficar na Igreja que, nos Arrifes, têm câmaras de videovigilância há algum tempo.

Print
Autor: Carla Dias

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima