Missas diárias na Internet a partir da Igreja de Nossa Senhora de Fátima

A situação que se vive de pandemia não nos relega para um estado de abandonados”, diz padre Norberto Brum

A determinação da Igreja açoriana, ditada pelo bom senso e, também, pelas orientações superiores que integram as medidas a adoptar, relativamente ao combate ao COVID-19, levou à exclusão do contacto com os fiéis nos templos e, mesmo, ao cancelamento dos actos religiosos que, nos mesmos, em condições normais ocorrem.
Para não deixar os crentes sem a orientação na fé, de que a pandemia os privou, alguns padres açorianos decidiram aderir às novas tecnologias para manterem os laços que unem as comunidades às suas Igrejas, recorrendo, para o efeito, sobretudo às celebrações, sem a presença física de fiéis, transmitidas via internet.
Em S. Miguel, temos conhecimento de que também a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, no Lajedo, privilegiou este canal para se manter unida ao seu povo.
Defende o seu Pároco, padre Norberto Brum, que a “situação de pandemia que se vive não nos relega a um estado de “abandonados” ou a um “rebanho” de “pastor” distante, ausente ou alienado pois que, como diz o ditado, a necessidade aguça o engenho, pelo que há que estabelecer pontes de comunhão, relação e unidade com o povo de Deus, mantendo vivo, em família, em nossas casas, o sentido de pertença à Igreja e à Comunidade, fazendo com que ao Povo de Deus não falte, neste “deserto” o alimento da Palavra, da oração e a da Eucaristia, embora esta, com comunhão espiritual”.
E foi por isso que a Comunidade religiosa de Nossa Senhora de Fátima, no Lajedo, decidiu proporcionar, a todo o Povo, nos mesmos horários habituais do quotidiano ordinário da Comunidade, a oração do Terço e a Eucaristia, respectivamente às 18h30 e 19 horas, celebradas pelo Pároco, directamente do templo e através da sua página do facebock (Paróquia de Nossa Senhora de Fátima – Lajedo). Aos Domingos, estes actos religiosos são transmitidos às 11h30, o Terço e, às 12 horas, a Eucaristia.
Segundo Norberto Brum, este esquema foi concebido com o propósito de, respeitando os horários habituais, assim poder também manter, na Comunidade, a respectiva “rotina” celebrativa.
Para além disto, referiu-nos o Pároco do Lajedo, “com estas transmissões directas, para além de se proporcionar uma sintonia em comunhão com o todo da Comunidade, embora, com as devidas adaptações e formas diferentes de participação, pretende-se também que os fiéis, em suas casas, criem um espaço de oração, meditação e celebração” defendendo com este propósito, que “a distância física não pode ser sinal de um distanciamento do coração e da vida nem do todo daquilo que somos como Comunidade e como Igreja”.
Informou-nos ainda o padre Norberto Brum que, em cada Eucaristia, tem havido o cuidado de proporcionar à população, para além da escuta e da meditação da Palavra de Deus, um espaço, no momento da Comunhão - de Comunhão Espiritual -  e de invocação da “vinda” do Senhor Jesus ao coração e à vida de quantos acompanham a transmissão, fazendo deste momento, “um momento de profunda intimidade e de diálogo com Deus”.
Convicto de ser este o procedimento que, de momento, se exige aos pastores da Igreja, o Pároco do Lajedo não hesitou em defender que “se os cristãos não podem deslocar-se à Igreja, é a Igreja que se desloca até eles, como Mãe, não os deixando sem o Pão da Palavra e da Eucaristia, mitigando este “isolamento” e preenchendo-o com a esperança e a certeza da presença de Deus”.

José Nunes

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima