3 de maio de 2020

Recados com Amor

Meus queridos! Este Domingo é o Dia da Mãe. Apesar de para mim e para muitas outras gerações atrás… o verdadeiro Dia da Mãe deveria ser o dia 8 de Dezembro… Mas, não é por isso que hoje não se sinta a alegria de sentir a presença ou a memória de todas as mães, pois elas, juntamente com os pais,…. foram, e são, o garante de um crescimento em família e em amor. Sei que hoje vai ser difícil para muita gente, principalmente para quantos têm as suas mães em lares ou em outras instituições, e para quantos vivem em concelhos diferentes daqueles em que as mães residem… que nem as poderão ver, abraçar e beijar neste dia… Mas temos de conviver com esta dura realidade e mais do que lamentar o presente, devemos ter esperança no futuro cultivando as boas memórias do passado. Por isso mesmo, hoje, e como lembrança para a minha e a de todos, e como não posso ir à missa das onze, como era meu costume, e como este é o primeiro Domingo do mês que se diz de Maria, vou estar atenta à mesma hora, à transmissão da RTP/Açores, no Santuário de Nossa Senhora da Esperança, no coro baixo onde se encontra a Imagem do Senhor Santo Cristo, onde será celebrada a missa. E sei que foi uma grande iniciativa pois, segundo me disse a minha sobrinha neta que não perde pitada do que se passa e comenta nas redes sociais,  mais de 73 mil pessoas seguiram a transmissão no facebook, com quase dois mil comentários, isto sem contar com os milhares que seguiram pela televisão e pela rádio. O medo que eu tenho é que as pessoas se habituem a tal comodismo… Mas, em dia de Mãe é uma boa maneira de fazer presença… Um repenicado beijinho para todas as mães destas Ilhas de Bruma para citar a mensagem do meu querido Presidente Marcelo Rebelo de Sousa enviado ao “Correio dos Açores” e que fez capa na edição do centenário.

Meus queridos! Cem anos, cem páginas… foi a escolha do simpatiquérrimo Director do jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio para comemorar o centenário do Correio dos Açores. Uma edição para a História, com alguns testemunhos que tocam qualquer leitor, dos muitos milhares que todos os dias lêem o jornal, fundado por José Bruno e Francisco Luís Tavares. Espero que passado este período de somadas quarentenas, esta data seja publicamente celebrada e fique mesmo gravada para a posteridade… e sei que Américo Natalino Viveiros tem ideias e planos para isto. Mas só a edição que saiu à rua e que por feliz coincidência também assinalou as 500 edições do Correio Económico, já foi um acontecimento marcante. A minha sobrinha-neta, que gosta de fazer uma ronda pelas diversas redes sociais, disse-me que multiplicaram-se as palavras de felicitações e reconhecimento pelo centenário do jornal, e muitas outras vieram das terras do “Tio Sam” e vários pontos de Portugal… Aqui, na minha Rua Gonçalo Bezerra, muito gostei de ver o charmoso Director Américo Viveiros, na RTP/Açores, com o seu realismo e visão de sempre. Para todos os que no dia-a-dia fazem o jornal, e já agora para todos os leitores que todas as semanas esperam os meus recadinhos, vai um ternurento beijinho de muitas felicidades e força para vencer as lutas de cada dia…


Meus queridos! Eu acho que nesta fase em que estamos e em que todos esperam ansiosamente que a vida possa retomar o seu curso normal, embora com novos cuidados a que todos vão ter de se habituar, a melhor coisa que uma pessoa faz é não ouvir rádio nem ver televisão, nem seguir as redes sociais todo o dia… Ora dizem uma coisa, ora dizem outra e quem não está preparado para filtrar a informação fica deveras baralhado. A minha prima Jardelina ouviu que cientistas tinham descoberto que a nicotina dissuadia o vírus e logo pensou que não devia estar sempre a repreender o filho que gosta do seu ciagarrinho. Mas logo a seguir vem outro e diz que afinal aquilo é mentira… E vem o outro a dizer que daqui a 4 ou 5 meses poderá haver vacina para o corona e quase na mesma hora ouve dizer noutra estação que uma vacina talvez só daqui a anos… Por mim, ricos, nada como seguir as informações de quem de direito e deixar o resto que é fumaça de cada dia… Deve haver por aí muita gente com os neurónios fundidos de tanto dizerem e desdizerem depois…. Tenham dó!


Ricos! Mais uma vez, o meu querido presidente Vasco Cordeiro mostrou segurança na conferência de imprensa em que anunciou as principais medidas de alívio das regras de confinamento, divididas por ilhas e grupo de ilhas conforme as recomendações da autoridade de saúde. Claro que não se pode agradar a todos, mas o que interessa é ir decidindo com segurança. Eu também que já estou em casa há quase dois meses, por via do meu reumatismo e das dores nas cruzes, mas também obedecendo às recomendações de não sair, tenho imensas saudades de sair daqui da minha rua Gonçalo Bezerra e ir no meu velho popó, levar em mão e entregar pessoalmente os meus recadinhos no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio… Estava esperançada que a partir de amanhã já poderia ir à cabeleireira, pois tenho vergonha do meu cabelo, que além de precisar de um corte à maneira, … anda todo espigado e sem obedecer… Por isso fiquei descorçoada quando soube que tudo ficou  adiado lá para 22 deste Maio… E enquanto estava a ouvir o meu charmoso Presidente Vasco Cordeiro, todo tão bem aprumado e penteado, até pensei perguntar-lhe onde é que ele corta o cabelo, ou o que faz ele para o dito cujo não lhe crescer… são sortes!


Meus queridos! Eu nunca fui muito forte em geometria e aquela coisa de ângulos agudos, rectos, obtusos, nulos e rasos, sempre me fez uma confusão muito grande, mas ficou-me na memória o que eram 180 Graus e o que era os 360 graus de uma circunferência. E por isso mesmo, fiquei de boca aberta quando ouvi esta semana o meu querido Primeiro-Costa dizer que o mundo tinha mudado 360 graus em dois meses, o que quer dizer que chegou ao ponto de partida! Até me lembrei do então Primeiro-Ministro Guterres, com o célebre, isto vezes aquilo, mais isto, “é uma questão de fazer a conta”…

Ricos! Como já disse e repito, não sou mulher de andar por aí nas redes sociais, mas hoje quase não há conversa que se tenha com alguém que não venha com aquele, “eu vi no facebook”! A gente sabe que é um espaço que para muitos é o único onde todos podem emitir opinião, mas o pior é que há muita gente que não sabe o que é opinião e por isso mesmo cada vez mais é certo o ditado que em quase tudo o que se faz,.. é-se preso por ter cão e preso por não ter. Os mesmos e as mesmas que acusam quem anda a fazer solidariedade e depois vem dizer o que fez e até exibir fotografias e que dizem que “a mão esquerda não deve saber o que faz a direita”, são os mesmos que dizem logo a seguir que a Igreja não faz nada, as Misericórdias são isto e aquilo… e que deviam divulgar em que gastam o dinheiro e mais não sei quê. Ou seja, uns levam porque mostram o que fazem, e outros levam também porque fazem e não mostram… Temos a velha história do… “Velho, do burro e da criança”… Digam-me lá como e quem é pode ser regedor numa terra destas?


Meus queridos! Como me doeu o coração ao ver no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio, a notícia do vandalismo que quase destruiu todo o mobiliário e equipamento urbano do Jardim Antero de Quental, na cidade de Ponta Delgada, um dos poucos que ainda mantém os clássicos bancos dos nossas antigos jardins. Custa perceber que prazer dá isso aos seus autores e que sociedade é que se está a criar. Sabe-se que há cada vez mais dependência de drogas, mas também é verdade que a permissividade e falta de repressão acabam sempre por fazer descambar as coisas. Criámos uma justiça que tem medo de condenar, porque as prisões já estão a abarrotar e os reclusos estão empilhados sem condições decentes para cumprirem a pena… Por outro lado as pessoas estão apavoradas com medo dos criminosos, e das represálias depois, … e até os pais fingem que não vêem muitas coisas para não se apoquentarem…Neste momento não há bares, nem discotecas, nem tabernas… Estou para ver é quando a coisa abrir, como tudo isso será?
 

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima