Criminalidade violenta caiu 5,7% e número de detenções diminuiu 10,3% nos Açores em 2019

 O Comandante Regional da PSP dos Açores, Superintendente Luís Viana, anunciou ontem que no ano passado, em comparação com 2018, se registou uma redução de 0,02% na criminalidade geral nos Açores, de 5,7 % na criminalidade violenta e grave e, uma diminuição de 10,3% das detenções. 
Numa declaração a propósito do 21º aniversário do Comando Regional da Polícia de Segurança Pública dos Açores que hoje se assinala, o Superintendente Luís Viana revelou que, ao nível da sinistralidade rodoviária, durante 2019, o comando registou um aumento de 4,29 % de acidentes em relação a 2018, dos quais resultaram sete vítimas mortais (mais 3 que em 2018), 120 feridos graves (menos 5 que em 2018) e 686 feridos leves (menos 34 que em 2018). 
No que concerne à violência doméstica, durante 2019, nos Açores registou-se um aumento de 5,7% de casos, relativamente a 2018, disse.
O Comando Regional da Polícia de Segurança Pública dos Açores não comemora hoje, com diversas iniciativas como é habitual, o seu 21.º aniversário por força das circunstâncias e das regras em vigor. “Ainda assim, com esta mensagem”, refere Luís Viana, “pretendo evidenciar a efeméride”. 
Para Luís Viana, “a proximidade e colaboração institucional são factores permanentes que contribuem de forma inequívoca e relevante para o bem comum e para a segurança pública de quem vive, estuda e trabalha na Região Autónoma dos Açores”. 
“Estamos juntos na intenção de garantir a segurança em prol de uma melhor qualidade de vida para a comunidade açoriana, incluindo uma solução específica de policiamento do turismo, contando com o envolvimento das instâncias do Governo Regional”, a cujo presidente Luís Viana endereçou o seu agradecimento. 
O ano de 2019 foi um ano de algumas novas regras aplicáveis aos polícias, “em prol de uma Polícia integral, humana, forte, coesa e ao serviço do Cidadão: entrou em vigor o novo Estatuto Disciplinar e foram definidas novas regras do direito sindical”, disse. 
No que respeita a instalações, explicou que, “apresar de 2019, ainda não ter sido possível a concretização das diversas obras já previstas e de sobremaneira necessárias, foi possível a respectiva previsão no âmbito da lei de programação de infra-estruturas e equipamentos das forças e serviços de segurança do Ministério da Administração Interna”. 
No âmbito inter-institucional, “não se pretende um quadro competitivo nem individualista mas, antes, um enquadramento colaborativo, complementar e em rede”. 
“Confiar nos velhos paradigmas tornará impossível a implementação de modelos eficazes e a prestação de um serviço eficiente e significativo para a sociedade no contexto actual global, digital, volátil, incerto, complexo e ambíguo”, opinou.
Realçou que, na sociedade contemporânea, “em que se procuram genuinamente melhores resultados e propósito profissional, na crescente importância do ciberespaço, parecem ser premente identificar o como, o quando e que resultados se pretendem, como desafios, quer no plano estratégico, como no plano operacional, bem como, no plano táctico para as forças e serviços de segurança no geral e para a PSP em particular”. 
A tecnologia, salientou, “tem vindo a apresentar novas soluções, que permitem à polícia evoluir de posições reactivas para soluções crescentemente proactivas, lideradas por inteligência e orientadas por sistemas tecnológicos que legitimam as bases de conhecimento especializadas e que superam as limitações geográficas”. 
“Novas competências são exigidas: saber fazer e saber ser ou estar implicam novos modelos de formação, dinâmicos, e onde a inteligência (QI) e a inteligência emocional (IE) são acompanhadas da inteligência digital (ID): conjunto abrangente de competências técnicas, cognitivas, metacognitivas e socio-emocionais, ancoradas em valores morais universais e que permitem aos polícias enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades da vida digital. Estamos unidos em prol da sociedade”, afirmou.
Na mensagem, o Superintendente Luís Viana começou por agradecer todo o apoio que a Direcção Nacional da PSP e os seus serviços têm dado ao Comando Regional dos Açores. 
Agradeceu, igualmente, ao Governo Regional e às autarquias na Região Autónoma “e às inúmeras entidades, empresas e até cidadãos particulares, pelo apoio e colaboração que deram à PSP, ao longo do último ano”. 
Deixou, por último, uma palavra de apreço aos órgãos de comunicação social “pela forma profissional, cordata e imparcial com que têm colaborado com o Comando Regional da Polícia de Segurança Pública dos Açores”. 
Entretanto, a Esquadra de Intervenção e Fiscalização Policial da PSP de Ponta Delgada deteve um indivíduo de 22 anos, por crime de condução de um veículo, sem habilitação legal.
A  Esquadra da PSP de Rabo de Peixe deteve um indivíduo de 31 anos por condução de um veículo, sob a influência de álcool, com uma taxa de 2.81 gramas por litro. No dia 7 do corrente ocorreram 6 acidentes de viação, dos quais resultaram danos materiais.
                                       

Print
Autor: João Paz

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima