29 de maio de 2020

Aprender com a pandemia

 O período de confinamento e isolamento social, acompanhado pelo regime de teletrabalho, convidou-me – e creio que a todos - a refletir sobre tudo e mais alguma coisa e a tirar algumas lições - penso que importantes.

A primeira foi a de que todos – pessoas, instituições, famílias – somos frágeis, iguais e preciosos. Precisamos de nos cuidar, mas também é importante pensarmos no outro. Talvez seja tempo de praticarmos mais a empatia, a capacidade de nos colocarmos no lugar dos outros, e de remover as desigualdades.

Valorizar o tempo.
Queixávamo-nos de que o tempo não pára, mas ele de certa forma parou e indicou-nos que devemos aproveitar o presente e criar momentos memoráveis em família e com os amigos. Talvez passe por valorizarmos mais os nossos  programas simples, mas com significado perene.

Saúde física e mental como prioridade.
Testemunhamos que é possível treinar em casa, sem custos. Basta uma dose de motivação e disciplina. Ademais, devemos cuidar da nossa saúde mental. E devemos fazê-lo o ano inteiro, pois saúde é algo que se conquista com o tempo. Mens sana in corpore sano.

Cuidados com a higiene pessoal.
 Esses cuidados podem salvar vidas, a nossa e a do próximo. Cem anos depois, é tempo de aprendermos. Os cuidados na frequência dos espaços públicos, evidenciando o respeito pelo próximo, também são determinantes.

A forma como consumimos.
Aqui também aconteceram mudanças.
A tendência que se sente é para adquirirmos apenas o essencial. Um contributo para um mundo mais sustentável e um desafio para as empresas que, em muitos casos, vão ter de se reinventar.

Este é o momento certo para redesenharmos as nossas vidas. E devemos fazê-lo com mais empatia e um reforçado sentido de responsabilidade individual e coletiva.

 

Carmen Costa
Formadora
Assessora de Imprensa

 

Print
Autor: CA

Categorias: Opinião

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima