“É pouco razoável” querer que o programa ‘Viver os Açores’ represente apenas a redução de uma passagem aérea

Secretária do Turismo visitou a Melo Travel

 A Secretária do Turismo, Marta Guerreiro, afirmou ontem, após uma visita à Melo Travel, em Ponta Delgada, que, uma semana depois de anunciado o programa ‘Viver os Açores’, estão inscritas 1.700 residentes ACde todas a ilhas com viagens já a ser utilizadas ou a utilizar nas próximas três semanas, o que considerou “uma expectativa bastanteAC positiva”. 
A governante açoriana quis deixar claro que o ‘Viver os Açores’ não se destina apenas à redução do preço de uma passagem aérea. Trata-se de um programa que é transversal e que abrange vários sectores de actividade na área do turismo”.
Sublinhou, a propósito, que querer que o programa se reduza à redução de uma tarifa aérea “é pouco razoável” e “não faz muito sentido”. 
Referiu que o incentivo, que pode chegar a 175 euros por pessoa, ou, por exemplo, 475 euros para uma família com três pessoas, “é muito mais do que um mero desconto numa tarifa aérea”, pois promove a “dinamização de variados serviços turísticos de uma forma integrada, ou seja, permite a dinamização da oferta hoteleira, dos restaurantes, das empresas de animação turística e mesmo das agências de viagem
O objectivo da campanha “é conhecer as nossas ilhas, dar valor aos residentes porque são importantes e permitir que todas as ilhas recebam um pouco mais de turismo que, nesta altura, sabemos que é difícil”, referiu.
Marta Guerreiro manifestou-se optimista sobre a adesão dos açorianos ao ‘Viver os Açores’, sublinhando que a expectativa que “temos, para os próximos tempos, é bastante elevada não só pelas questões que têm sido colocadas, quer às agências de viagem, quer à direcção regional do Turismo, e por via do próprio site”. Um interesse que vem ao encontro das conclusões do inquérito que o Observatório do Turismo dos Açores lançou, e que vão ser divulgadas brevemente, no sentido de que 84% dos açorianos que pretendem fazer viagens este ano, querem fazê-lo na Região, “o que dá nota da importância de apostarmos neste tipo de programa”, disse.
Neste inquérito, a maioria das pessoas inquiridas refere a importância de fazer férias em alojamentos em ambiente rural ou, se for em ambiente citadino, com espaços verdes. 
Outro aspecto do inquérito, que Marta Guerreiro considerou “bastante importante” é o de que os turistas e os residentes procurarem repostas “onde as questões da segurança sejam, de facto, uma certeza. Na fase em que vivemos, estamos a falar de 42% das pessoas que pretende pagar mais se for necessário, para terem as questões da segurança e da salubridade garantidas para as suas férias”, disse a governante.
“Portanto, estamos num período diferente. Estamos num período em que há questões que, de facto, são determinantes na opção de férias”, realçou.
As questões dos jornalistas incidiram muito sobre as demoras na obtenção dos resultados dos testes aos turistas que queiram visitar os Açores.A Secretária do Turismo deixou claro que esta é uma questão do âmbito da saúde. Mas, mesmo assim, foi adiantando que “é uma preocupação” do Governo dos Açores “agilizar, da melhor forma, a resposta que for dada. Tudo está em cima da mesa e esta questão está a ser analisada”, afirmou.
E, perante a insistência dos jornalistas, Marta Guerreiro admitiu que este questão da demora dos testes “…não deixa de ser determinante e deve, naturalmente, ser vista também em várias aspectos que permitem efectivar a vinda dos turistas à Região”.
 A governante reafirmou que este ano “tinha todas as condições para ser um dos melhores anos do turismo nos Açores”. Mas esta crise, como referiu, assolou todos os destinos turísticos e, “naturalmente, sabemos que não vai ser um bom ano turístico. Compete-nos trabalhar, em colaboração com o sector, de forma a garantir que, não sendo um bom ano de turismo, possam ser minorados os efeitos do que está aqui em causa”.
Realçou o trabalho que está a ser feito ao nível da promoção turística. “Estamos a trabalhar com operadores nacionais que estão muito interessados em vender Açores e Madeira porque as pessoas têm alguma renitência em viajar para o estrangeiro nesta fase e temos de potenciar este circuito”, sublinhou na óptica de que, em média, 40% dos turistas que visitaram o ano passado a Região foram do território continental.
Os interessados podem obter mais informações sobre o selo ‘Clean & Safe Açores’ e sobre a campanha ‘Viver os Açores’ em https://clean-safe.azores.gov.pt/ e https://viverosacores.azores.gov.pt/.
                                                   

  L.B./J.P.

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima