5 de julho de 2020

Recados com Amor

Meus Queridos! A minha prima Maria da Praia telefonou-me neste fim-de-semana para me dar conta que a Guarda Nacional Republicana enviou para o Ministério Publico da Praia da Vitória um Relatório sobre a contaminação de aquíferos, a partir da rotura de uma conduta de combustível americana que se estende ao longo de 15 alqueires de terra… Segundo me contou a minha prima Maria da Praia, foram apresentadas queixas também à Inspecção Regional do Ambiente, que chutou o assunto para a Comissão Bilateral, mas o deputado do PSD à Assembleia da República António Ventura, que tem dado o litro na defesa do cumprimento pelos Governos da República e Regional quanto às medidas contidas no PREIT - Plano de Revitalização Económica da Ilha Terceira para conter os impactos negativos decorrentes da decisão da Administração dos Estados Unidos da América quando reduziram de forma significativa a sua presença militar e civil na Base das Lajes, … não esteve para meias medidas e apresentou o caso à GNR, com teve reuniões, e que na sequência acaba de enviar o processo para o Ministério Publico… Não sou mulher para me meter nessas coisas de polí,tica, mas tudo isso acontece por falta de medidas concretas tomadas pelo Ministério da Defesa e pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros que têm tratado deste assunto da contaminação e das obrigações dos EUA, com paninhos quentes… parecendo e sendo servidores obedientes da América… Agora têm à perna a justiça, metida num processo que devia ter sido resolvido desde principio pelos responsáveis políticos portugueses e que se têm marimbado para o assunto e feito até declarações displicentes… É o que dá termos pessoas a governar quando… só tem jeito para serem governados….De qualquer forma quem leva a palma neste caso é o Deputado António Ventura! ...   

Ricos! Antes das férias, o Governo do meu querido Presidente Vasco Cordeiro desdobra-se em visitas sucessivas a todas as ilhas, e o neo líder laranja, José Manuel Bolieiro não lhe fica atrás, e ainda esta semana andou a provar as queijadas da Graciosa, na Ilha Branca. O séquito do meu querido Presidente Vasco andou por terras do Pico, onde o rol de pedidos soma e segue, o que levou o rico a dizer que o Governo não pode fazer tudo, mas faz tudo o que pode. O que não se pode, muitas vezes, é evitar aqueles lapsos que ficam logo gravados na memória das pessoas… e desta vez foi a minha rica Secretária da Saúde… que disse que fez um apelo “à população do Pico e das outras nove ilhas dos Açores”…. Pois é!... mas  para quem vem de fora e ouve falar tantas vezes na décima ilha,… talvez o lapso não tenha sido tão grande assim, como querem pintar… Mas o pior é haver uns “escuteiros” de serviço que vêm logo à liça  defender que a senhora Secretária não se enganou… No meu tempo queridos era só uma questão de tabuada de somar… e sumir!


Meus queridos! Quando li no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio, que várias pessoas tinham sido apanhadas numa rede de falsificação de documentos e aproveitamento do subsídio de mobilidade para mais uns milhares em burla, pensei logo em como é diferente o tempo dos políticos do tempo real em que as coisas se passam. Há quantos meses andam a falar em mudar as regras do subsídio de mobilidade? E como é que não se entendem para saber como fazer chegar o pilim às companhias aéreas? Já se sabe que o ideal é que o passageiro pagasse o valor da passagem e nunca teria de desembolsar um balúrdio para depois ir receber nos CTT. Enquanto os políticos não se decidem, lá vão criando oportunidade aos oportunistas e, se calhar, ainda vão aparecer outras operações “Ícaro”… Gostei do nome escolhido pela PJ para a operação… É que o sol não deixa nunca de derreter asas de cera…


Meus queridos! A pior coisa que pode acontecer num país por parte dos políticos é a perda de sentido de Estado, que é o cartão de apresentação de uma coisa que se traz do berço, que é a educação. E quem segue o que se vai passando neste país não pode deixar de estranhar. Como é que um Primeiro-ministro dá uma “descasca” em público a uma Ministra do seu Governo, abandona uma sessão e ainda se volta para o Presidente da República e diz que “daqui a 15 dias a gente encontra-se”? E como é que o Presidente Marcelo “encaixa” isto como se nada fosse… Por muito menos, um outro Presidente socialista demitiu um Governo… E como é que em território nacional, o Primeiro-ministro fala em castelhano, no dia da abertura das fronteiras com Espanha? Só pode ser do calor… porque não estou a ver o homólogo espanhol fazer um discurso em Português no Palácio de La Moncloa! Quem tinha razão era a minha querida Ivone Silva e Camilo de Oliveira, quando diziam de garrafão na mão: Está tudo grosso… está tudo grosso!


Meus queridos! Li no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio, que a Assembleia de Freguesia de São Pedro, de Ponta Delgada, aprovou um voto de louvor pelo trabalho desenvolvido pelo meu querido cónego João Maria Brum, pelo quarto de século de serviço na maior paróquia de Ponta Delgada. Sabendo eu que ele é leitor assíduo dos meus recadinhos, aqui me associo com um ternurento beijinho, desejando-lhe todas as felicidades para o novo trabalho que o espera, com a certeza de que nunca será esquecido pelo povo de São Pedro, de que é cidadão honorário desde 2015. Disse-me a minha prima da Rua do Poço que a Junta de Freguesia, em conjunto com a paróquia estão a preparar uma festa de homenagem ao meu querido cónego rabopeixense, logo que seja mais seguro em termos sanitários. Espero que o charmoso Presidente José Manuel Leal me convide para lá estar com o meu vestido azul-bandeira, porque jamais esquecerei a homenagem que a Escola das Laranjeiras prestou quando ali ele deixou de leccionar… A bondade arrasta!


Ricos! A minha sobrinha-neta foi esta semana ao Nordeste, isto depois de ter estado um poderio de tempo sem poder ir à ponta do sol nascente… para ver aquela beleza que é quando ele desponta às tantas da madrugada…. Já a noite chegava e estava ela a descansar do belíssimo jantar degustado num restaurante local quando, de repente, viu ao longe um clarão vermelho que até feria a vista e que mais parecia um ovni acabado de aterrar…. Refeita do espanto, logo percebeu que a luminotecnia vinha da bonita fachada da Matriz de São Jorge, que este ano foi iluminada com luzes indirectas de um intenso vermelhão. Não sei se com tanto vermelhão se pretende honrar São Jorge ou se, pelo contrário, despertar os adeptos dum clube encarnado que bem precisa de um milagre vermelhão neste fim de campeonato…. Seja como for, trata-se de uma originalidade e bem sabemos que São Jorge é um mártir… e o rubro é a cor dos mártires, mas também não era preciso martirizar os olhos de quem para ali tenta olhar à noite… São gostos, e cada um tem o seu… 


Meus queridos! Ontem foi o “Four July” nos States, este ano sem paradas nem “parties” que costumam marcar o Dia que termina sempre com os grandes espectáculos de fogo-de-artifício. Mesmo no meio de todas as dificuldades e da agitação pandémica e política que vai para os lados do Tio Sam, não me posso esquecer de que os States são terra de acolhimento de muitos milhares de açoreanos (estou a escrever com um ‘e’, de propósito) que ali procuraram novas perspectivas de vida, sem nunca esquecer as suas raízes e que hoje são parte de nós, na sua cultura e nas suas tradições. Não é em vão que o mais antigo Consulado americano no mundo esteja nos Açores, o que mostra a secular ligação que temos com aquele país e que ainda há dias foi reconhecido pelo Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros, Mike Pompeu. Para todos os que ontem celebraram a independência dos States, o meu ternurento beijinho…

Ricos! Esta nova normalidade está a custar bastante, principalmente para quem precisa de qualquer coisa da Saúde. Uma consulta para Médico de Família? Marcações só para o fim do mês… Análises no Hospital, são filas que quase dão a volta ao edifício. Ainda há dias mandaram uma doente estar às nove horas e só fez análises depois das onze…. enquanto muitas das pessoas, a quem custa estar em jejum até às tantas, ali estavam em pé na fila, ao sol… E se chovesse, como era? Isto para não falar de quem está há quase um ano à espera de uma Junta Médica para ter um certificado de incapacidade e que ainda nem sabe quando será sequer marcado. E depois ainda dizem que ninguém fica para trás. Tenham dó!

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima