Estimativa para os próximos cinco anos

“Plano ambicioso” de investimentos da EDA pode aumentar a produção de energia renovável de 37% para 60%

Com a completa realização de um “ambicioso programa de investimentos”, acompanhada pelos sistemas de baterias a implementar pela EDA, estima-se que a contribuição da produção renovável nos Açores para 2025 “poderá aumentar significativamente, dos actuais 37% para cerca de 60%”.
Os dados lançados na Terceira pela Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo referem-se aos próximos cinco anos. 
Marta Guerreiro deu conta de que, desses 60%, 30% serão garantidos pela fonte geotérmica, atendendo que o Governo dos Açores tem vindo a consolidar a “aposta na geotermia” enquanto “investimento estratégico” da Região para garantir a transição energética para uma economia de baixo carbono.
A titular da pasta da Energia falava na apresentação dos projectos de expansão do aproveitamento geotérmico e de instalação do sistema de armazenamento de energia e controlo da rede da ilha Terceira, numa cerimónia presidida pelo Presidente do Governo, Vasco Cordeiro, e que contou também com a presença do Presidente do Conselho de Administração da EDA, Duarte Ponte.
Na sua intervenção, a governante referiu que serão executados três poços geotérmicos com vista “a manter a produção da Central Geotérmica do Pico Alto a médio-longo prazo e permitir a expansão da potência instalada para 10 MW, num investimento estimado de 26 milhões de euros”, lembrando que a inauguração desta Central, no início da presente legislatura, em novembro de 2017, “foi um momento emblemático e um importante marco, não só para esta ilha, mas para todo o arquipélago, sendo um exemplo da estratégia consolidada do Governo dos Açores em elevar os padrões de sustentabilidade da Região, também por via da energia”.
“Ainda, e mantendo o nosso compromisso de promover a maximização do aproveitamento da energia renovável, assegurando os devidos parâmetros de qualidade, o Grupo EDA está também a apostar na integração de sistemas de armazenamento em diversas ilhas, como é o caso do investimento estimado em 13,8 milhões de euros para a ilha Terceira”, acrescentou, referindo que este sistema, juntamente com os novos furos a realizar no campo geotérmico do Pico Alto, levará a que ilha Terceira possa atingir “uma taxa de integração de renováveis acima dos 60%”.
Na ilha Terceira, com o contributo da energia hídrica (0,3%), da eólica (16%), da valorização energética de resíduos (6,1%) e da geotermia (12,5%), registou-se cerca de 35% de energia limpa em 2019.
Na ocasião, a Secretária Regional referiu ainda que, em São Miguel, prevê-se “expandir a potência instalada na Central Geotérmica do Pico Vermelho de 10 para 15 MW e saturar a potência da Central Geotérmica da Ribeira Grande (13 MW), num investimento global estimado de 39 milhões de euros”.
“São diversos os projectos europeus com base em investigação e desenvolvimento que integramos, também na área da geotermia, naquele que é um esforço sem precedentes para incrementar a utilização do recurso geotérmico a nível europeu, não apenas para a produção de eletricidade, mas também nas múltiplas utilizações possíveis, tendo por base a capacidade calorífica”, afirmou a titular da pasta da Energia, Ambiente e Turismo, citada na nota do executivo açoriano. 

Região tem sido “bastante eficiente” 
na utilização de fundos para reforçar 
a competitividade da Agricultura

Também na Terceira, o Presidente do Governo inaugurou a obra de beneficiação do caminho florestal do Pico Gaspar, onde destacou a eficiência na utilização dos recursos comunitários que tem permitido reforçar a competitividade da Agricultura açoriana.
 “A Região tem sido bastante eficiente na utilização dos recursos comunitários que têm sido colocados à sua disposição. O ProRural+ tem já uma taxa de execução de 72% e de compromisso superior a 90%, para investimentos em infraestruturas agrícolas”, afirmou Vasco Cordeiro no segundo dia da visita do Governo à Terceira.
Segundo disse, esta tem sido uma “nota característica” quanto à vontade do Executivo de utilizar cabalmente todos os recursos colocados à disposição neste período de programação de fundos comunitários, não apenas no ProRural, mas também no Programa Operacional Regional.
Na sua intervenção, Vasco Cordeiro adiantou que o caminho hoje inaugurado, à semelhança de outros investimentos por toda a Região, insere-se num esforço de investimento que tem sido desenvolvido, o qual vai permitir que, nesta legislatura, sejam investidos mais de 26 milhões de euros na modernização das infraestruturas agrícolas nos Açores, um montante que representa mais 14 milhões de euros do que o realizado no anterior mandato.
“Este montante acaba por ter uma grande relevância prática para o exercício da atividade agrícola e para a competitividade do sector”, sublinhou o Presidente do Governo, ao defender que este tipo de investimento “tem de ter um efeito reprodutivo mais vasto do que apenas facilitar a circulação”.
“Este tipo de investimentos tem de conjugar-se e convergir para fomentar o rendimento dos nossos agricultores, o que acontece com os investimentos por todo o sector agrícola e por toda a Região”, afirmou o Presidente do Governo.
A obra de beneficiação do caminho florestal do Pico Gaspar representou um investimento de quase 350 mil euros e que consistiu na repavimentação em betão betuminoso, numa extensão de 3.500 metros. Na prática, este investimento beneficia directamente mais de duas dezenas de explorações agrícolas, abrangendo uma área com cerca de 100 hectares. Por seu turno, a  Secretária Regional da Solidariedade Social anunciou hoje, na Praia da Vitória, que o Governo dos Açores já investiu mais de 14,6 milhões de euros em apoios à habitação na ilha Terceira nos últimos quatro anos, que abrangeram mais de 1.280 famílias.

Investidos mais de 14,6 milhões de euros em habitação na Terceira em  quatro anos

 Andreia Cardoso salientou que, destes 14,6 milhões de euros, em todas as componentes de apoio nesta área, “destacam-se 3,47 milhões de euros que foram investidos na reabilitação e recuperação de 283 habitações, incluindo no apoio à desinfestação por térmitas, assim como 140 mil euros para a medida de eliminação de barreiras arquitectónicas, que já abrangeu 37 famílias”.
A Secretária Regional falava na cerimónia de assinatura de contratos para autorização de apoios à habitação com famílias da Praia da Vitória, no âmbito da visita do Governo à ilha Terceira, durante a qual também celebrou contratos com várias famílias em Angra do Heroísmo.
“Depois dos primeiros apoios atribuídos recentemente na ilha do Pico, são agora atribuídos 19 apoios na vertente de ‘Renovar para Habitar’, sendo 11 em Angra do Heroísmo e oito na Praia da Vitória, que representam um investimento de quase 367 mil euros”, afirmou.
No que se refere a reabilitação de habitação, foi também atribuído a seis famílias um apoio para reabilitação de habitações infestadas por térmitas, num investimento de mais de 61 mil euros. “Estamos a falar de apoios a 25 famílias da ilha Terceira que totalizam 428 mil euros”, referiu Andreia Cardoso.
Foram apoiadas oito famílias em cada concelho pelo programa ‘Casa Renovada Casa Habitada’ na vertente ‘Renovar para Habitar’, enquanto três famílias assinaram contratos para atribuição de habitação em regime de arrendamento com opção de compra, sendo uma no Loteamento de São Brás, na Praia da Vitória, e duas na zona do Bravio, na freguesia de São Mateus, concelho de Angra do Heroísmo.

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima