3 de setembro de 2020

A talho de foice…

Os filtros da vida

Um filtro, é tudo o que precisamos para sermos felizes, para manter a distância de segurança entre os outros e o mundo. Converter em silhueta o que nos rodeia e responsabilizar as nossas escolhas, selecionando criteriosamente sem medo de falhar, negando o que nos traz apetência esporádica em troca de uma falsa estabilidade poderá ser sinónimo de uma visão turva e de uma irritação emocional. A vida moderna é movida através de filtros, vivemos os nossos dias através do ecrã dos nossos telemóveis, computadores e tablets. Tudo ao redor merece o clique perfeito, gerado por filtros, numa imitação da vida que, deverá gerar gostos e comentários. Há pessoas que vivem tanto para os outros que esquecem de viver para si, preocupados em preencher as redes sociais, esquecem de preencher a própria vida. As redes sociais são os nossos jornais diários, e é lá que está o que há de melhor das pessoas que conhecemos. Por vezes somos a notícia, e quando isso acontece não podemos dececionar os nossos leitores, urge partilhar informações, gerar conteúdos, é necessário dizer desesperadamente tudo o que pensamos, para vermos e sermos vistos. Haverá sempre algo que se aproveita, mas a maioria das publicações no dia seguinte já não tem interesse e assim atingimos o isolamento social, fechados no nosso mundo virtual. O que parece tão extraordinário na fotografia publicada, pode não ser assim na vida real, porque vivemos a urgência de querer tudo, saber tudo, viajar, falar, estar sempre em lugares memoráveis. Para e volte os olhos para o horizonte, e tudo o que vê, desde um pôr do sol lindo a uma imensidão sem fim, ou a própria vida de outro ângulo, é a parte verdadeira da tua história. No horizonte, veja as possibilidades, tenha fé, e acorde cedo, talvez essa seja uma das maiores e melhores fórmulas para ter sucesso ou uma vida tão maravilhosa como aquela que revê nas redes sociais. O horizonte parece ter o poder de colocar as ideias em ordem, transforma qualquer dúvida em certeza, entrega a solução para qualquer problema e mostra que as nossas reclamações são pequenas diante daquela imensidão. Saber da vida alheia e sentir um pouco de inveja é normal, o problema é destruir-se, porque pensa que precisa daquela vida para ser feliz, daquelas roupas, daqueles sapatos, daquele nariz perfeito, daqueles seios firmes ou dos olhos azuis. Valorize o que você é, acredite na sua felicidade e nos seus valores, não permita que te coloquem filtros., não viva da felicidade inventada pelos outros, o horizonte é igual para todos, mas a nossa vida é só nossa. Os filtros, como o próprio nome diz, têm um significado explícito, o de filtrar, que significa reter e, também, de deixar passar alguma coisa. Nesta certeza é que reside o risco de decisões inadequadas. Se filtrar é separar, reter, então deveria bloquear totalmente e deixar passar apenas uma parte, a parte boa, verdadeira, útil. Toda a tentativa de usar um bloqueador pode frustrar ou impedir o desfrutar de uma experiência valiosa, de uma aprendizagem, neste caso, o filtro tem a função de eliminar, e com esta utilização o filtro apaga uma parte da história, da vivência, impedindo o ciclo da aprendizagem. Outro filtro por vezes aplicado é o da distorção. Neste processo, acontecem os maiores desencontros nas relações interpessoais, nas famílias, nas empresas, sendo um problema causado por ruídos na comunicação. Nessas situações, o que alguém fala ou vivência nem sempre será o mesmo escutado ou entendido por si. A experiência de cada um leva a um conhecimento particular e único. A melodia de uma música ou uma fotografia pode fazê-lo chorar ou sorrir e, para alguém ao seu lado, pode não significar absolutamente nada, enquanto que o filtro da generalização é aquele que acelera a aprendizagem, onde se aprende a digerir, para depois corrigir qualquer que seja a falha, no entanto, também é este o filtro que, por vezes generaliza as emoções e nos impede de experimentar outras. Ter uma má experiência num voo não deve impedi-lo de conhecer outros países. É preciso voar novamente, da mesma forma, que uma desilusão amorosa não deveria impedir a nossa vontade de ser feliz novamente, de voltar a acreditar no amor. Os filtros existem consciente e inconscientemente e trabalham em silêncio, tomar consciência deles é evoluir como pessoa. Procurar refletir e experimentar a cada dia tipos e maneiras diferentes de usar os filtros é uma forma de interpretação das coisas, uma forma muito nossa de ver a vida. As decisões diárias passam pelos nossos filtros e se for para escolher, escolha o melhor, que seja o melhor emprego, não um emprego qualquer, mesmo que isto lhe cause alguma angústia, porque, com o emprego certo a felicidade é certa. Se for para encontrar alguém, que seja a mais bonita, inteligente e que saiba dançar o tango. Queremos estar com os melhores amigos, mas se são amigos, serão todos os melhores. Não devemos viajar para qualquer lugar, porque em toda a cidade à um passeio onde posso correr e ver o sol da manhã, devo ir para onde haja algo que me inspire e que me torne melhor. Por vezes parece que a alegria dos momentos só tem validade se for partilhada nas redes sociais e o seu valor aumenta consoante o número de gostos. Seja mais do que isto, exija pouco, mas que seja verdadeiramente o seu momento.
 

Print

Categorias: Opinião

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima