6 de setembro de 2020

Recados com Amor

Meus queridos! A minha prima Terezinha, que anda sempre atenta à folia que antecede a campanha eleitoral para saber o que vão dizendo os candidatos a candidatos… disse-me que está a coligir promessa a promessa que os candidatos vão desfiando em cada dia que nasce… e que já são tantas que até parece que vem aí o paraíso sem árvore de fruto proibido. A última que ela ouviu foi de um candidato que quer que o Serviço Regional de Saúde comece a tratar dos dentes às pessoas… Bem bom que alguém se lembrou de falar nisso, mas a verdade, meus queridos, é que já ninguém pensa sequer em tratar de dentes pela “Caixa”, porque morreria antes de conseguir uma consulta… A coisa é de tal ordem que  as pessoas já estão habituadas… e dão de barato, que a boca e os olhos não façam parte da saúde pública… tal é o estado em que se encontra a resposta de tão importante serviço de saúde… De qualquer maneira, é bom que se fale nisso e também bom seria que se falasse na vergonha que são os miseráveis reembolsos das despesas das consultas de oftalmologia e da compra dos respectivos óculos, que nem pagam o frete da camioneta ou o custo da gasolina do popó para ir receber o dito cujo… E, como sempre acontece, depois de se ter estranhado, entranhou-se e já ninguém fala dos reembolsos da Caixa… e quem fala da Caixa fala também da ADSE… pudera!


Ricos! E já que estou a falar de Saúde, não entendi a revolta que vai na cabeça de muita gente com o facto de uma universidade privada, a Católica, querer ter um curso de Medicina. E um dos argumentos dos opositores é que há médicos a mais no País e que não são precisos mais… Então por que raio continua a haver médicos importados em tantos centros de Saúde e que mal sabem entender-se com os doentes? Até me fez lembrar os velhos anos setenta quando eu trabalhava na Caixa, aqui na minha cidade-norte, quando vieram para cá os médicos dentistas brasileiros. Na altura conseguir um dentista era um bico-d’obra e até para desenrascar eram enfermeiros que abriam consultórios, como o velho, grande e inesquecível Nicolino. E mesmo assim houve quem desencadeasse guerra aos brasileiros, dizendo que havia dentistas suficientes nos Açores… São coisas do corporativismo que ainda persiste e resiste, como diz a minha prima…

Meus queridos! Juro que já não tenho paciência para ler e ouvir tantos dislates que por aí se vai dizendo e escrevendo, porque sei que a democratização da escrita e da palavra também traduz o índice de ignorância que cada um gosta de mostrar. A última que ouvi foi sobre o rali que este ano não se realiza e que a mim tanto se me dá que seja por falta de pilim ou por uma soma de teimosias que ainda não foram explicadas. Dizia alguém que este rali, sendo numa ilha só, nunca se deveria chamar Rallye Açores… mas sim de São Miguel. Já estou a ver que não se pode fazer uma campanha dos Açores, sempre que a coisa não bata em todas as ilhas… E também se eu for a Lisboa ou Porto, não posso dizer que fui ao continente, porque o continente não é só Lisboa e Porto, mas também Algodres de Baixo e Sarilhos Grandes e Pequenos… Está tudo doido, com tanto complexo!

Ricos! A minha prima Maria da Praia telefonou-me para saber quem era o bem-parecido Inspector de Educação Nuno Gomes, candidato do CDS por São Miguel… Lá lha dei umas dicas sobre o extenso currículo profissional do Nuno, e das intenções que ele publicitou… e lembrei-lhe que Presidente do CDS/Açores disse que, ao contrário do que disse o candidato Nuno Gomes, que “nunca ouvi um deputado eleito por São Miguel nestes anos todos defender a sua ilha, porque todos, quer do Partido Socialista quer do Partido Social Democrata, puseram em primeiro lugar os interesses do partido e depois os interesses da ilha e das pessoas, esta é a realidade do panorama regional”. Minha prima Maria da Praia logo retorquiu que faz falta a Artur Lima, como Presidente e deputado do CDS/A, andar mais pelas ilhas para perceber os Açores… ele está confinado há anos na ilha Terceira e mais propriamente na Praia da Vitória… Acrescento eu que os políticos devem conhecer os recantos de cada ilha para perceberem e defenderem os Açores… Maria da Praia disse que espera haja, no futuro, mais Região e menos bairrismo! 

Meus Queridos! Telefonou-me Sexta-feira de manhã a minha comadre Amelinha, que vive na vila de Rabo de Peixe, dizendo que estava surpresa com a notícia que tinha lido no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio, na qual o dinâmico Presidente do Município, Alexandre Gaudêncio, anunciava que o monstro do imóvel situado frente à Igreja do Bom Jesus e que tem sido albergue para toda a bicharada, vai finalmente ser demolido para avançar com a obra de requalificação daquele largo que aguarda destino há vários anos… Amelinha disse-me que tinha sido uma das subscritoras de uma petição para a inspecção daquele espaço por quem de direito, e perguntou-me o que agora devia fazer… Respondi-lhe que aguardasse para se ver se o concurso avança até ao fim do ano ou não!... Amelinha diz que vai então fazer um compasso de espera, porque a situação é caótica na vila, sem espaço para estacionar, com a envolvente da beira-mar a aguardar obras há mais de uma década… e com a via  que atravessa a vila para acesso por sul à Ribeira Grande e a Ponta Delgada, com o piso de asfalto a pedir reforma… Amelinha diz que o sentimento é de que Rabo de Peixe ficou a marcar passo nestes últimos anos, e lembrou que os rabopeixenses são pacientes, mas a história conta que quando a coisa aperta… não há quem os segure!

Ricos! Li no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio o alerta deixado pelo meu querido leitor atento Carlos Corvelo César, para que a Câmara da minha querida Presidente Maria José mande retocar e proteger o painel que está no Mercado da Graça e que já é um ex-libris daquele espaço. Quando lá fui com a minha sobrinha neta, nesta Sexta-feira, tive o cuidado de ir ver o dito cujo e realmente é hora de olhar para ele… Até já está roto e furado por cordas para o segurar na parede. Tenham dó. Merece mais um pouco de dignidade.

Meus queridos! E já que estou a falar de dignidade, também peço a quem de direito que passe pela Rua Hintze Ribeiro, na cidade de Ponta Delgada, onde em diversas casas ali abandonadas ou à venda, as árvores crescem em cima dos telhados de tal modo que já parecem os jardins suspensos… O pior é que por alguns centímetros não apanhei com uma telha que caiu de um beiral… é que as raízes das árvores até estão já a arrancar as telhas… e que tal uma cartinha da Câmara aos donos, ou então uma limpeza com conta a pagar por eles. É que quando acontecer um acidente, quem ainda se apoquenta vai ser a vítima, porque não devia naquele dia e naquela hora passar naquele local…. E depois os responsáveis vão fugir como ratos e todos vão assobiar para o lado, como é costume!

Ricos! E por falar em ratos, não percebo por onde anda o ou a Delegada de Saúde de Ponta Delgada, que ainda não teve uns minutos para fazer uma vistoria ao que se passa no esqueleto das galerias da Calheta, que se tornaram num pasto para a indigência e para as ratazanas que ali se albergam… Juro que já não posso com tanto desleixo… pois não falta tempo aos responsáveis da delegação de Saúde para fazerem vistorias aos serviços e empresas que estão a funcionar. Só não têm tempo para ir verificar o estado dos monos que são um atentado à saúde pública. Tenham dó!

Ricos! Disse-me a minha prima Jardelina que para os lados do Pico da Pedra tem havido uma onda de assaltos que está a assustar muita gente, pois os ditos cujos até andam de martelo e pé-de-cabra dentro da mochila. E não é só no Pico da Pedra. Contou-me a minha prima Maria da Vila que lá para os lados de Ponta Garça, um agricultor no seu terreno cultivado de milho, viu que lhe tinham apanhado centenas de maçarocas, mas não para comer ou levar. Simplesmente as “descamisaram” para tirar folha para enrolar tabaco ou droga, atirando o milho para o chão, tornando-o até chama douro para os ratos. Muitas delas acabaram por ser enterradas pelo tractor que lavrou a terra… É triste trabalhar e no fim ver que há uns espertos que não têm pingo de vergonha. E na falta de polícia e tribunais, se alguém ainda fizer ajuste de contas é que se torna o mau da fita e… lá virão depois todos os defensores dos direitos humanos e de mais alguma coisa… Eu sei que há muita gente que está a ficar farta…

Meus Queridos! E a propósito de limpezas, a minha amiga Genoveva telefonou-me muito indignada, porque antes da pandemia e para agradar ao turista, as estradas que estão à conta da Eurosecut estavam que como jardins com a relva cortada e as plantas cuidadas. Agora, desde o confinamento os trabalhadores desapareceram e as bermas das estradas estão com erva de pasto… mas sem gado para pastar… Será que os trabalhadores das Sctus ainda estão em lay-off, apesar do trabalho ser feito ao ar livre e com pala de resguardo?… ou os residentes valem menos do que os turistas? 
 

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima