Estratégia de valorização da carne dos Açores

Açores avançam para a certificação do bem-estar animal abrangendo toda a cadeia de produção

Os Açores já desencadearam os procedimentos tendo em vista avançar para a certificação do bem-estar animal, abrangendo toda a cadeira de produção, uma medida que se insere no âmbito da Estratégia de Valorização da Carne dos Açores.
 “Face à nossa tradição, ao nosso potencial e à nossa boa reputação na produção de carne de qualidade, os Açores devem estar sempre muito atentos às necessidades do mercado e dos consumidores e procurar antecipar tendências. É o que estamos a fazer ao avançar com o processo de certificação do bem-estar animal desde o nascimento até ao abate do animal, uma marca distintiva e diferenciadora que pode ser muito útil a quem produz e a quem consome”, referiu João Ponte.
Para o governante, esta certificação é também relevante em termos de sustentabilidade do sector, e contribui para comunicar de forma mais eficaz e evidenciar aquilo que de melhor a produção sabe fazer junto dos mercados e dos consumidores.
 O Secretário Regional, que falava no âmbito das comemorações do Dia de Campo do Sócio do Núcleo de Criadores de Bovinos de Raças de Carne da Ilha Terceira, salientou que a Comissão Europeia está a equacionar opções de rotulagem de bem-estar animal para melhor transmitir informação a toda a cadeia alimentar, mas o Governo dos Açores entende que na Região se pode ir mais além e tomar a dianteira neste processo.
“Já contratualizamos, através de uma empresa de certificação e de referência mundial, a realização de um diagnóstico, que já está em curso, com visitas e auscultações aos diversos produtores, transportadores e matadouros nos Açores para identificar aspectos a melhorar em toda a cadeia”, adiantou João Ponte, acrescentando que, apesar dos avanços registados nos últimos anos, na fileira da carne é sempre possível aperfeiçoar.
Para João Ponte, avançar com a certificação do bem-estar dos bovinos é fundamental “para perceber onde estamos, o que precisamos de melhorar e os passos que teremos que dar no futuro”.
O Secretário Regional salientou que através da certificação do bem-estar animal pretende-se aumentar a capacidade competitiva das produções e com isso ajudar a ultrapassar os impactos da atual pandemia, assegurar o cumprimento de elevados padrões de qualidade e bem-estar definidos para a Região, melhorar a informação prestada ao consumidor sobre as garantias de bem-estar animal da carne que está a comprar, bem como aumentar a reputação da carne dos Açores.
Para João Ponte, o processo de certificação no âmbito do bem-estar animal vai também ao encontro da Estratégia de Valorização da Carne dos Açores, desenvolvida no âmbito do Centro de Estratégia Regional para a Carne dos Açores (CERCA) que, entre outros aspectos, aponta para a necessidade de uma maior aposta na qualidade, na valorização do bem-estar animal, na inovação, na diferenciação das produções, bem como no reforço da organização.
“A nossa boa reputação como produtores de alimentos seguros depende muito de continuarmos a produzir dentro de rígidos padrões de bem-estar animal. Devemos, a todo o custo, evitar casos de incumprimento, mesmo que isolados, correndo o risco de prejudicar a reputação de toda uma Região”, afirmou João Ponte, acrescentando que importa tudo fazer para continuar a consolidar junto dos consumidores a excelência das produções açorianas, valorizando a imagem de natureza que lhe está associada.
 

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima