Primeiro e (único) jogo com público nas bancadas teve lugar no Municipal da Praia da Vitória

Casa cheia”. “Lotação esgotada”. São frases que fizeram os “headlines” da comunicação social nacional. Encheu porque... esgotaram os 10% da lotação do Estádio Municipal da Praia da Vitória, casa emprestada do Fontinhas para a 1.ª jornada da Série “G” do Campeonato de Portugal. Foram 210 bilhetes, vendidos integralmente durante a semana.
E os holofotes estavam, de facto, neste jogo e na organização. Desde Março que o público não assistia a jogos oficiais em Portugal. Foi o único que teve pessoas nas bancadas em todo o país e isto em fim de semana marcado pelo regresso também para Primeira Liga. Os terceirenses - e seis adeptos do Estrela da Amadora - merecem nota mais do que positiva.
As regras são muitas e foram cumpridas. Identificação e registo de todos quantos entraram em campo, inclusive da comunicação social, relação que deve ser guardada durante 14 dias para que seja possível apurar os contactos próximos na eventualidade de um caso positivo durante o jogo. Distanciamento social e máscaras: missão executada à risca por todos.
Filipe Leitão, guarda-redes e capitão do Estrela da Amadora, deixava esse elogio no final da partida. Foi opinião unânime - de João Peixoto, capitão do Fontinhas, e dos treinadores Francisco Agatão e Rui Santos. Este primeiro teste foi um exemplo, frisaram, para todo o futebol nacional.
O técnico do emblema continental foi mesmo mais longe e pediu que as regras actualmente em vigor nos Açores fossem também aplicadas no Estádio José Gomes, na Amadora.
“O Estrela é uma equipa que coloca muita gente no seu estádio, mas não me parece que fosse um problema fazer como foi feito aqui hoje. O nosso estádio comportava, seguramente, 1000 ou 2000 pessoas sem colocar em risco a saúde de ninguém. Tinha saudades de sentir o barulho do público. Espero que isto se resolva”, frisou Rui Santos.
Em São Miguel, o Santa Clara recebeu o Marítimo para a 1.ª jornada da Primeira Liga, mas sem a presença dos adeptos. Mesmo autorizada pela Direcção Regional da Saúde, o clube micaelense cumpriu o definido pela Liga de Clubes, que cumpre as indicações da DGS.
Os adeptos do Fontinhas falaram em “orgulho” por serem os primeiros a ir ao estádio. Os do Estrela querem o mesmo. “Hoje foi a prova de que há condições”, referia um dos apoiantes vindos da Amadora.

Pedro Proença: “O que se passou nos Açores é absolutamente inacreditável”
O Presidente da Liga Portuguesa de Futebol, Pedro Proença em declarações à TVI 24, comentou o facto do jogo entre o Fontinhas e O CF Estrela ter tido público no estádio em contraponto com o Santa Clara/Marítimo onde tal não foi permitido
“Aquilo que se passou este fim de semana nos Açores é absolutamente inacreditável. Tivemos um campeonato de competições não-profissionais onde foi dado acesso ao público e, na mesma ilha, o Santa Clara não pode ter público nas competições profissionais. Isto só poderá ter sido um lapso. Alguém de bom senso não pode aceitar isto”, referiu Pedro Proença. O Presidente da Liga referiu ainda que já foi apresentado um projecto ao governo para o regresso do público aos estádios de futebol e pede que “exista um critério de coerência e igualdade no tratamento das actividades”, afirmou.
                                                   

CA/DI

                                                     
                                              

Print
Autor: CA

Categorias: Desporto

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima