7 de outubro de 2020

Duas lições políticas da racionalidade tecnológica

A atividade política implementa o raciocínio meios-fins, que também carateriza a prática tecnológica. G.H. von Wright formulou-o assim: se se pretende Y, se X é causa de Y, se X é tecnicamente possível – acrescentemos: se X leva vantagem a eventuais alternativas – faça-se X. Neste mês de campanha eleitoral e consequentes escolhas políticas, vêm a propósito duas lições simples que podemos retirar da racionalidade tecnológica para a prática política.
1ª) A tecnocracia é uma ilusão–Ciclicamente aparecem apelos a um governo composto por técnicos; ou a presunção de políticos de que as respetivas propostas são inquestionáveis por serem fundadas tecnicamente e não em valores. Pretende-se assim que o poder (gr. krátos) caiba aos técnicos. É não compreender a técnica tal qual esta se faz.
Nomeadamente, não compreender como a qualquer função técnica – p. ex. transportar algum líquido – não corresponde uma só estrutura técnica – p. ex. uma garrafa de refrigerante – e vice-versa.
Como muito bem ilustrou a comédia Os Deuses Devem Estar Loucos (fotografia)! Pelo que em cada design, em cada utilização de um artefacto, se escolhe que função corresponderá a que estrutura. E qualquer escolha efetiva implica necessariamente valores.
Além disso, a produção tecnológica não se abstrai não só de uma economia como mesmo de uma sociedade e da respetiva cultura. Por exemplo, alguns produtores automóveis podem partilhar a mesma escolha de produzir um modelo, digamos, para a classe média em detrimento de outras classes socioeconómicas. Mas os respetivos modelos distinguir-se-ão conforme cada produtor dedique mais recursos à satisfação do valor da fiabilidade, ou da performance, ou do conforto… O que dependerá das respetivas escolhas do público-alvo, e das escolhas de cada produtor sobre as competências de produção que terá desenvolvido até aí e que desenvolverá no curto prazo.
Em suma, a produção tecnológica implica escolhas – as “pretensões” de vonWright. E assim também os valores que as determinam. Não é na técnica, pois, que se inspiram os políticos ditos “tecnocráticos”.
2ª) A realidade importa–Se optarem pela combustão interna, qualquer daqueles produtores terá de incluir uma câmara de combustão. A lição anterior decorre do reconhecimento de que, em princípio, é possível desenhar mais do que uma estrutura física que realize essas funções de combustão e de transmissão da energia libertada. E, de facto, o design de diversos componentes de motores de automóveis com a mesma potência, para o mesmo preço etc., normalmente são diferentes. Bem como as configurações dos motores em que se integram. No entanto a liberdade desses designs não é total.
Cada um destes tem de descrever uma estrutura física que realize a combustão que acione os pistões etc. Ou o carro só andará em descidas ou de empurrão. De modo que os respetivos designers não seriam afinal produtores de “auto-móveis”.
Os políticos, que somos todos nós, devemos retirar daí um aviso: nem todas as propostas funcionam. Infelizmente em política não há propriamente laboratórios de testes.
Mas uma revisão da história dos países comparáveis compensa em parte essa falta.
A história lembra-nos o chão onde temos os pés.

 

Miguel Soares Albergaria

 

Print
Autor: CA

Categorias: Opinião

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima