23 de outubro de 2020

A talho de foice

Mulher, do casulo à borboleta

Falar sobre a mulher, não é de qualquer forma ou jeito, porque é preciso ser-se sensível se não, é quase impossível. Quem a vê por fora não vai ver, o que ela é por dentro, o que torna um risco tentar resumir e definir a mulher. Por um lado, vem-nos à cabeça, um corpo e sedução, por outro, a força, a emoção e o amor eterno pela vida e pelos seus. 
Ser mulher, é, entre tudo o que existe, um gerador de vida, e esta característica, doto-a da capacidade efémera de amar, perdoar e aceitar com naturalidade. 
A mulher na sociedade atual tem tomado consciência, que a sua tarefa no mundo em que está inserida, não é de todo fácil, devido à catalogação de fraqueza adquirida ao longo da história, e que não avançou eficientemente, como deveria, por pressão do despotismo do homem inconsequente, quem, não contendo os seus momentos de fúria na contraposição das suas ideias e ideais junto das mulheres, subestimando-as. 
Nos dias atuais, a mulher deve-se entrosar melhor nos movimentos que dizem respeito às suas questões, em todos os aspetos possíveis, devendo ser vista como um ser humano, e não ser tratada como um ser inferior, isto é, como um objeto sexual e, tê-la como uma companheira e não como empregada. 
A luta na participação da mulher na sociedade é longa, mas precisa de mais esforço, para que não exista o diferencial entre homem e mulher, e que todos deverão ser considerados iguais como seres humanos, que pensam, que produzem e que querem o espaço que lhes é devido na sociedade moderna, para que possam avançar conjuntamente na busca de uma melhoria conjunta para todos. 
Como se sabe, a sobrevivência fala mais alto e é neste sentido que, aquele que detém mais recursos, o que procura degradar a raça humana, depreciando o sexo feminino, não pela simples vontade, mas objetivando a demolição do que há de mais precioso, que é a moral humana.
 Quer queiramos, quer não, a mulher é um ser sensível, devido ao processo de ditadura que tem enfrentado ao longo da história e não é do dia para a noite que se vai acabar com este estado de coisas. 
Do mesmo modo, é imprescindível observar a mulher pelo lado da sua integração na sociedade, conquistando espaço e ajudando a construir um mundo sem discriminação, onde homens e mulheres se completam na busca de um bem-estar conjunto. 
Neste sentido, a mulher deverá seguir dois caminhos, o de ser feminina, mulher e mãe, e o de ser agente social, económico e político.
 Uma mulher participativa, trabalhadora e que quer contribuir para a evolução dos tempos, como um ser humano que pensa, tem de ser forte para se manter e sentir útil na sociedade.
Pelo lado romântico, a mulher é a flor mais sublime que a natureza deixou na terra pelo perfume que emana, pela forma de falar carinhosa e pela maneira de conseguir tudo o que anseia, porque, como dizem os poetas, a mulher se assemelha a uma rosa que exala perfume nos momentos de maior tristeza, capaz de ressuscitar um coração adormecido. 
Foi na mulher, que grandes artistas de todos os tempos, inspiraram as suas canções, os grandes textos literários, elas estão retratadas nas telas dos grandes pintores, na poesia, nos corações dos boémios, bebendo a graciosidade da beleza, do amor como forma de inspiração.
A mulher sempre foi elevada ao mais alto pedestal da pureza, da humildade e da simplicidade, pela sua maneira de ser, de falar e até mesmo de se aparentar frente aos admiradores pela singularidade.
 Foi com base neste princípio que Leonardo da Vinci a imaginou, quando pintou Mona Lisa. A criatividade do pintor foi a poesia do bonito que pousou numa visão sobrenatural de quem via na mulher, a razão da arte na sua genialidade inconfundível ao longo dos tempos e engrandeceu a mulher com a sua maneira psicográfica de desnudar a natureza e mostrar o seu canto e encanto.
O direito da mulher como ser humano deve ser sagrado, para que o mundo progrida e avance dentro dos princípios de equidade, de perseverança e do amor. Pois, uma vida com atritos, com pelejas e ditadura, não pode progredir de maneira que proporcione a toda humanidade, um bem-estar para todos possam viver em harmonia.

Print

Categorias: Opinião

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima