Dezenas de descendentes de açorianos na Califórnia são candidatos nas eleições dos EUA

Há um aumento no número de luso-americanos a concorrerem a cargos públicos na Califórnia.  São mais de 100 californianos com raízes portuguesas, a maioria nos Açores, que concorrem a diversos cargos nas eleições de três de Novembro, nos Estados Unidos da América (EUA).
A informação é avançada pela Coligação Luso-Americana da Califórnia- CPAC (California Portuguese-American Coalition).
As candidaturas vão desde o Congresso dos EUA até a conselhos administrativos. A maior parte não está ligada a partidos políticos, como conselhos de segurança, câmaras municipais ou supervisores de condados.
Nestes casos, como aponta o jornal O Sol Português, os candidatos têm filiação partidária mas não precisam de a manifestar.
Cecília Aguiar-Curry, do Partido Democrático, neta de emigrantes da ilha Terceira, que já ocupa o lugar de deputada há vários mandatos, concorre pela primeira vez à assembleia estadual. Todd Cota, pelo Partido Republicano, também é candidato.
Há 111 candidatos, sendo que 60 concorrem pela primeira vez e 57 tentam uma reeleição. São 83 homens e 28 mulheres.
Para Diniz Borges, Presidente da CPAC, “inequivocamente há um trabalho a fazer na nossa comunidade para que haja mais mulheres de origem portuguesa a concorrer a cargos públicos”.
Mais de 60 dos candidatos são do Vale de São Joaquim, seguindo-se Sacramento e norte da Califórnia, com 20.
Quando é feita a comparação com 2016, há mais luso-americanos candidatos na Califórnia. Nessa altura, eram 83 com raízes açorianas.
“É imperativo que os candidatos luso-americanos entendam a necessidade de se fazerem coligações com outros grupos étnicos, porque numericamente nenhum candidato consegue ser eleito com o voto de cidadãos de origem portuguesa na Califórnia”, reflete, contudo, Diniz Borges.
Em quem vota a comunidade luso-americana estabelecida na Califórnia? Tende a seguir as tendências globais do resto da população deste estado.
Segundo informação da Secretaria do Estado da Califórnia, referente às eleições de 2016, há 346 mil californianos com origem portuguesa e cerca de 95 mil votaram.
De acordo com a mesma informação, 40% afirmavam-se democratas, 30% republicanos e 28,7 independentes.
 “Ao contrário do que por vezes é pintado, erroneamente, pelas redes sociais e por alguma comunicação social em Portugal, a comunidade de origem portuguesa da Califórnia, maioritariamente açoriana, está mais ou menos dividida pelas mesmas percentagens da população em geral-apesar de fazermos diferenças em relação a outros grupos minoritários” aponta Diniz Borges, ainda ao Sol Português.
As eleições nos Estados Unidos estão a prender a atenção do mundo, numa altura em que o cargo presidencial parece estar a fugir cada vez mais a Donald Trump, penalizado pela gestão da Covid-19. Esta será a 59.ª eleição presidencial do país. Os eleitores escolherão os integrantes do Colégio eleitoral, que se reunirá em 14 de Dezembro para eleger oficialmente o Presidente e o Vice-presidente. 
A cientista política luso-americana, Daniela Melo, que lecciona na Universidade de Boston, admitiu ao Jornal Económico que apesar da estabilidade das sondagens nas últimas semanas, “há muitos factores” e que tudo é possível. “Há caminhos para a vitória para os dois lados”. A questão dos votos por correspondência e os diferentes prazos de contabilização nos estados tornam possível que haja uma batalha legal em torno da identificação e certificação do vencedor. “Pessoalmente, vejo aqui uma tempestade perfeita”, disse Melo. “Novembro vai ser um momento crítico para a democracia americana”.

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima