1 de novembro de 2020

Recados com Amor

Meus Queridos! Tal como tinha prometido, Domingo passado lá fui cumprir o meu dever de cidadã… votando, tal como faço sempre que há eleições, mesmo que os joanetes me atrapalhem. Depois, segui atentamente pela televisão os resultados eleitorais e os comentários que foram sendo feitos ao longo da noite pelo friso de políticos escolhidos pela RTP/A. Da euforia inicial alimentada pelas projecções feitas pela sondagem da Universidade Católica a duas ilhas da Região, … e que mereceu um oportuno raspanete do líder do CDS/A, Artur Lima,….até à altura em que começaram a sair os resultados,… aos poucos, muitos foram os que começaram a sentir suores frios que quase levaram ao desmaio … A noite que parecia ser de festa, tornou-se numa via-sacra longa e dolorosa… ao ponto do meu rico deputado José Contente, ao sentir que a coisa começava a ficar feia, tornou-se hirto e com acentuado rosáceo … Na minha casa na Rua Gonçalo Bezerra, como habitualmente acontece, juntaram-se as minhas amigas para comer umas castanhas assadas e uns biscoitos de orelha vindos de Santa Maria,além de umas queijadas D. Amélia que a minha prima Maria da Praia me havia enviado para a ocasião. Tudo isso regado com um vinho licoroso do Pico e um abafado branco que tinha uma maturação de quatro anos… Depois de feitas as contas finais e distribuídos os deputados por cada Partido, começaram a ser discutidos os cenários para o futuro Governo dos Açores, umas apostando que o meu querido Vasco Cordeiro ainda podia formar governo com a ajuda de Artur Lima, outras torcendo o nariz e apostando que Bolieiro primava pela arte do consenso e que tinha todas as hipóteses de acabar fazendo o xeque-mate ao PS. Como não me gosto de meter em políticas partidárias, só sei que o Parlamento açoreano sai a ganhar destas eleições porque está muito mais colorido e porque ficou em condições de ser um verdadeiro Parlamento do qual o Governo depende. A minha comadre Maria da Praia disse-me que há apostas para todos os gostos, … mas o roseiral na Terceira está murchinho e ela não sabe se alguém se apresta a deitar-lhe um pouco de água para reavivar… Em São Miguel, disse-me a minha prima Genoveva, que já há muitos ratos a abandonarem o barco do PS/A onde navegaram durante anos a fio, comendo ao mesmo tempo à mesa do orçamento… A semana que agora começa com o dia de Todos os Santos promete ser agitadam, e esperam-se novidades do PS e do PSD, cada um com esperança de formar governo… São sortes, mas é pena que não seja tempo de São João para deitar sortes ao sereno e saber quem ele abençoa… Assim temos de esperar para ver!


Meus queridos! No dia em que estes meus recadinhos são publicados no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio, é Dia de Todos os Santos, que este ano, calha logo num Domingo, mas nem por isso deixa de ser especialmente lembrado… porque seja Domingo ou Segunda-feira, trata-se do dia em que também se invoca a memória de todos os entes queridos que partiram para o além,… e a saudade viva dos que por cá vão ficando… Bem bom que ainda há tradições que se vão mantendo… e uma delas é a tradição do Pão-por-Deus. A minha comadre Genoveva já me convidou para ir comer milho cozido e pão de leite… e depois acabar com umas castanhas assadas e um cálice de vinho abafado… lembrando todas as alminhas, de forma especial os nossos parentes e bem feitores. Nos cemitérios, e mesmo em tempo de pandemia, não faltarão as preces e flores e os doces olhares de lembrança…. E, como ainda esta semana aqui na minha cidade-norte passei pelo busto de Madre Teresa da Anunciada, lembrei-me de há precisamente cinco anos, em 2015, o meu querido Presidente Gaudêncio ter prometido que ia empenhar-se em fazer andar o processo de beatificação da Freira do Santo Cristo. Nunca mais ouvi falar mais no caso e em tempo de todos os Santos era bom que alguém dissesse como vai o processo. Bem sei que o meu querido D. João Lavrador já franziu o nariz uma vez… e depois apontou agulhas para o processo de Maria Vieira, lá para a ilha de Jesus, … mas ao que parece, nem um nem outro… apesar de Roma não ter mãos a medir para levar aos altares novos beatos e novos Santos e Santas… 

Ricos! Para quem seguiu a noite eleitoral de Domingo passado, na RTP/Açores, transmitida daqui da minha cidade norte, do Arquipélago - Centro de Artes, é de toda a justiça deixar um ternurento beijinho ao trabalho realizado e ao esforço que significou montar toda aquela estrutura. Deve ter batido todos os recordes de audiência, tanto dos que viram no pequeno ecran como nos milhares e milhares que seguiram pela internet. Os comentadores fizeram bem o papel recomendado pelos seus partidos, embora se tenha notado uma tentação de fugir do comentário para entrar no debate, o que não era ocasião para tal… E também, como estamos em tempo de igualdade de género, tão apregoada por alguns partidos, não sei por que nenhum deles indicou uma mulher para ali estar a comentar. Fez falta uma voz feminina…entre tanta masculinidade!

Ricos! A minha prima Jardelina tem uma parente que trabalha numa dessas empresas de limpeza que agora proliferam por aí e que, em muitos casos, são como que o novo proletariado feminino de hoje. Para além de precariedade, pois são mandadas sair ao sabor das conveniências, e algumas até levam meses a receber o que ganham, ainda houve um desses patrões que faz com que esperem ao sol ou à chuva, sem poder entrar nas instalações. Ou melhor, o dito cujo não as proíbe de entrar mais cedo, mas diz que quem entra, não tem de esperar pelo horário. Deve começar logo a trabalhar… sala de espera é na rua. Claro que caso assim é excepção, mas mostra que ainda há quem considere que o trabalho é uma sujeição e, neste caso as trabalhadoras, são um objecto de consumo como outro qualquer,… e se chegam molhadas da chuva… têm resposta: trouxessem “chapéu-de-chuva”. Passa fora!

Ricos! Em tempo de Todos-os-Santos, a galeria dos mártires cristãos vai engrossando nessa Europa onde se instalaram os fundamentalistas islâmicos acobertados por essa esquerda caviar que em nome do acolhimento de tudo e de todos… tem na agenda a destruição de tudo o que cheirar a religião cristã. E o pior é que grande parte da comunicação social está dominada por essa mesma gente e, devagarinho, devagarinho, vão enchendo o pote… com o firme propósito, de corroerem todas as milenares estruturas para se estabelecerem sobre terra queimada. Quem seguiu atentamente as notícias sobre o ataque na catedral de Notre Dame em Nice, viu que muitos jornais e televisões, apenas o referem como um ataque em Nice, omitindo, de propósito que foi dentro e fora da catedral da cidade,… e uma das vítimas até foi o sacristão da própria igreja. E o próprio Presidente Macron, foi na mesma linha….pois na sua chorosa lamentação, nem uma vez sequer ousou referenciar o lugar, preferindo sempre falar em “valores e liberdades”. Ou seja, ricos, estamos entregues à bicharada… ou então estão todos borradinhos de medo pela desgraça que deixaram entrar em casa…Qualquer pessoa que emigra tem de se adaptar ao pais onde passa a viver, mas o que tem acontecido é exactamente o contrário, isto é, quem chega sobretudo ao mundo ocidental, quer impor os seus usos e costumes em vez de se adaptar aos costumes do pais que os recebe… Depois queixem-se, mas já será tarde!   

Meus queridos! Há por aí, no desporto e na política uma onda de comentadeiros que agigantam tudo…e bolçam o que lhes apetece em nome da liberdade de expressão. Se os visados andassem a processar tudo e todos, não faziam mais nada e entupiam os tribunais, mais do que já estão. Mas este ainda é o único caminho num Estado de Direito. E digo isto porque esta semana li o que um Secretário de Estado do Governo do Primeiro-Costa escreveu contra um comentador e em que disse que os órgãos onde o dito cujo “bota palavra” não podiam “assobiar para o lado”, dando a entender que o deveriam demitir. Que um cidadão comum pense assim, lá vai, lá vai… Mas vindo de um governante, ele é que se devia demitir. É o que faz a perda de sentido de Estado muito comum em Portugal!
 
Meus queridos! Agora que já terminaram as eleições e não me podem acusar de estar a fazer campanha eleitoral, quero mandar um ternurento beijinho ao simpatiquérrimo deputado Paulo Moniz por ter lembrado às Forças Armadas, na pessoa do Ministro da Defesa, a necessidade de consultarem as empresas açorianas, sempre que haja obras militares nos Açores que sejam de valores que não obrigam a fazer concurso, e que se ficam apenas pela consulta a três empresas do ramo… Eu acho que isto até deveria partir dos comandos instalados nas ilhas que ao pedirem a obra já deveriam referenciar que na Região há as empresas tais e tais… que poderiam ser consultadas. Mas que foi uma boa sugestão lá isso foi. Vamos a ver se terá algum resultado… Mas de qualquer maneira, por essa e por outras, aqui deixo o registo  do oportuno alerta feito pelo Deputado à Assembleia da República Paulo Moniz e a promessa de lhe pagar um gelado, no Verão… e não digo onde, pois que os há e bons em muitos lugares…

Ricos! É sempre fácil criticar o que está mal, principalmente quando se trata da saúde das pessoas. Mas também sou mulher de reconhecer o que está bem e acho que todos devemos ser justos e justas quando vemos as coisas a melhorar. Ainda esta semana fui acompanhar uma amiga de peito, também reformada da Caixa, que foi ao Centro de Saúde para a vacina da gripe. A ordem na entrada, o rápido atendimento na recepção e o encaminhamento para o módulo indicado, e depois todo o processo e trabalho da enfermeira, merecem uma referência. Muito melhor que a bagunça de outros anos. Apenas um reparo… À saída e ao querer desinfectar as mãos, não havia produto em lado nenhum dos corredores… e ao perguntar ao recepcionista, a resposta foi…. Que era obrigatório desinfectar à entrada… à saída não é connosco! Não havia necessidade!

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima