José Manuel Bolieiro na apresentação da coligação PSD/CDS-PP/PPM

Este”é um projecto inequívoco para uma solução de governo para os Açores”

 O líder do PSD/Açores, José Manuel Bolieiro, considerou ontem o projecto de coligação com o CDS/PP e com o PPM, “um projecto inequívoco para uma solução de governação para os Açores. E dos Açores para os açorianos”.
José Manuel Bolieiro falava ao fim da tarde da sede da Assembleia Legislativa Regional ao lado do líder do CDS/PP, Artur Lima; e de Paulo Estêvão, do PPM.
Quando questionado se esta coligação será suficiente para o Representante da República indicar esta coligação para formar Governo, José Manuel Bolieiro respondeu: “Nós fizemos a nossa parte. A nossa parte está declarada e é inequívoca. Podemos responder por nós e está respondido pelo que declaramos aqui os três. 
O Presidente do PSD/A, que lidera a coligação, remeteu para ocasiões próximas os contornos do entendimento com os outros dois partidos da coligação para a formação de governo.
Na sua declaração inicial, José Manuel Bolieiro começou por sublinhar que não era por acaso que a conferência de Imprensa se realizava na Assembleia Legislativa Regional. 
“Aqui, na ilha do Faial, na Casa da Autonomia, o órgão principal da Autonomia, representamos um projecto político, uma proposta de governação plural entendidos que foram por nós os resultados eleitorais e a vontade do povo. O PSD, 0 CDS e o PPM representante 43.371 votos, 26 mandatos”.
Como salientou, trata-se de “uma proposta significativa relativamente à legitimidade democrática, uma proposta de governação profundamente autonómica, um governo dos Açores para os Açores”.
 “Qualquer de nós e todos nós, com humildade partidária, sentido de responsabilidade cívica para tempos difíceis. E, por isso, o envolvimento e a participação neste projecto com a sociedade e os parceiros sociais”, referiu.
É um governo “de base parlamentar” em que o “Parlamento é o centro político da Autonomia. E o governo depende e respeita o Parlamento. É já a desgovernamentalização do Parlamento no nosso entendimento. E, assim, pela estabilidade política, com total respeito e compreensão pela pluralidade representativa da vontade do povo no nosso Parlamento”, palavras de José ManuelBolieiro.
Como sublinhou, “a atitude colectiva e pessoal pauta-se pela humildade partidária, e pela humildade política, pela humildade cívica, pela diplomacia, pelo relacionamento interpartidário com o Parlamento, com os cidadãos, com a sociedade civil. E, por isso, é inteligente o relacionamento com todos e com cada um num esforço da compreensão do justo interesse superior dos Açores, da nossa democracia, da nossa Autonomia, do nosso desenvolvimento”.  
“Foi esta a plataforma comum que articulamos os três, o PSD, o CDS/PP e o PPM. E, nesta declaração, encerra toda a nossa envolvência na democracia açoriana”, concluiu 
Artur Lima: “As pessoas
em primeiro lugar”

Por sua vez, Artur Lima, líder do CDS/PP, considerou a solução de governo apresentada a resposta “àquela que foi a sua vontade expressa nas urnas. O CDS, como partido humanista e personalista, está aqui para dizer presente aos vossos anseios e às vossas manifestações democráticas. Estamos aqui com toda a humildade, com humildade democrática, para servir os açorianos”, disse.
Segundo Artur Lima, o CDS coloca” em primeiro lugar o interesse das pessoas. É isso que nos move. E encontramo-nos aqui neste primeiro órgão da autonomia exactamente para simbolizar a diferença que teremos e um governo plural, um governo que quer servir os açorianos, um governo que sabe que vai encontrar grandes dificuldades mas, com toda a nossa humildade, com toda a nossa dedicação, cá estaremos para vos responder”.
Esta solução de governo, segundo Artur Lima, foi aprovada por unanimidade na comissão directiva regional do CDS.
“Naturalmente encetamos conversações e aqui estamos para dar este primeiro passo para o futuro dos Açores, o futuro que os açorianos querem melhor, e que nós tentaremos fazer o melhor para termos um governo autonómico, um governo dos Açores para os açorianos”, disse.
Reiterou, por último, “o espírito de muito bom entendimento promovido pelo Dr. José Manuel Bolieiro e também acompanhado pelo Dr. Paulo Estêvão e por mim próprio em que pusemos acima de qualquer interesse partidário os interesses dos Açores e dos açorianos”.

Paulo Estêvão: “queremos
um governo inclusivo…”

Paulo Estêvão referenciou, em sequência, que da parte do PPM, “estamos muito empenhados em que se inicia um processo de diálogo, em que se possa construir uma solução governativa que seja inclusiva, que possa responder aos anseios da sociedade”. 
No seu entender, “a sociedade demonstrou claramente neste acto eleitoral que passou que quer mudança e que quer uma mudança significativa, quer uma mudança de governo. Ora, nós estamos empenhados em construir esta mudança liderada pelo Dr. José Bolieiro do PSD e também pelo CDS/PP, do Dr. Artur Lima”. 
Portanto, prosseguiu, da nossa parte “há um empenho muito forte em construir esta mudança que a sociedade tem vindo a reclamar”. 
Paulo Estêvão deu nota de que, ao longo destes dias, teve a oportunidade com quem se encontrou nas ruas dos nossos Açores, “as pessoas a empenharem-se, a pedir-nos esta mudança, que existisse condições para e esta vontade para contribuirmos para uma solução conjunta. Cá estamos, lado a lado, com toda a humildade, no sentido de dar resposta a este anseio de mudança por parte dos açorianos. É uma solução também profundamente autonómica. Nós vamos construir uma solução autonómica, para os açorianos, para os Açores, com forte empenho de todos os partidos políticos que integram esta solução governativa e, fundamentalmente, também, muito empenhados em ter um diálogo muito construtivo com a sociedade açoriana”.
Uma solução de governo “num processo e diálogo, com todos. Este é um processo inclusivo no sentido de integrar um conjunto de pessoas que estão disponíveis na nossa sociedade para integrar este processo de mudança”, referiu.
Paulo Estêvão, realçou, por último, a “consciência que este é um momento muito difícil do ponto de vista social e do ponto de vista económico. Estamos a atravessar um período tremendamente difícil e era necessário dar uma resposta positiva. Não podemos estar só nos bons momentos., quando os tempos fossem melhores. Por isso é que, para nós, foi muito importante dar este passo de coragem. Nós temos a perfeita consciência que vamos enfrentar um cenário muito difícil, mas é para isso que devem ser construídas respostas corajosas. Ou seja, dar respostas às pessoas, resolver os problemas, muitos deles que já vêm de há décadas”.
“É preciso resolver e é preciso ter coragem de enfrentar todos estes condicionalismos. E é isto que nós pretendemos fazer e que estamos muito empenhados sob a liderança do dr. José Manuel Bolieiro que está a tornar todo este esforço que está a ser feito para que os Açores possam ter um governo reformista”, terminou
                                           

Print
Autor: João Paz

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima