Hoje é Dia da Senhora da Conceição

Os dias 8 de Dezembro e 15 de Agosto são, para os crentes, e de uma forma muito especial para as ilhas dos Açores, dois importantes momentos de celebrações marianas. Concepção e Assunção são o mote para muitas dezenas de invocações com que a religiosidade popular adorna o nome de Maria, Mãe de Jesus Cristo e também símbolo do valor da maternidade em todas as suas dimensões.
No Verão, são as alegres festas e romarias da Senhora que é dos Anjos e da Ajuda, da Saúde e dos Milagres, do Livramento e das Necessidades, da Alegria e da Esperança. Agora, em pleno Outono, já com tempo invernoso, ela é a Senhora da Conceição, a primeira festa do ano litúrgico porque nela se invoca o Tempo Novo, a Promessa e a espera do Natal que aí vem.
Este ano, tudo é diferente. Mas, praticamente não há lugar em que a Senhora, na sua Imaculada Concepção, não seja festejada, honrada e venerada. De tal modo que, entre os crentes, para muitos hoje continue a ser, verdadeiramente, o Dia da Mãe que conveniências comerciais e laicistas arrastaram para outro calendário.
Neste dia, na diocese açoriana, o ponto mais alto é a festa, pelas 16 horas, no Santuário da Conceição, da cidade de Angra, na qual se integram ordenações diaconais, com vista ao sacerdócio, como já foi noticiado neste jornal. Para além das celebrações em muitas igrejas, de que se destaca a Conceição da Ribeira Grande, Mosteiros e Fazenda do Nordeste que têm esta invocação dogmática como padroeira, também na Ribeira das Tainhas este tempo é vivido com tradição e devoção que já atravessa três séculos, desde que foi criada em cumprimento de uma promessa, no último quartel do século XIX.
Devido à pandemia, neste ano foram suprimidos os arraiais e cortejo de oferendas, bem como a procissão, embora a Imagem da Senhora da Conceição, logo pelas 16 horas percorra a freguesia em carro ornamentado, a forma que muitos párocos encontraram de substituir as tradicionais procissões.
No interior da igreja e para evitar aglomerados de pessoas, hoje são celebradas três Eucaristias, não havendo também a tradicional alvorada que costuma atrair centenas de pessoas à freguesia.
Mas o que importa é que esta Festa da Senhora dos Açores, de Santa Maria ao Corvo, nas suas mais diversas invocações, é momento que fala bem dentro de quem foi embalado nesta tradição de celebrar Maria, como figura central do Advento que agora vivemos.
               Santos Narciso
 

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima