“Nos dias festivos é importante fazer as refeições normalmente”, diz Nutricionista Tânia Rocha

Aproxima-se o Natal e muitos começam a pensar nos quilos a mais. Ter como objetivo não aumentar o peso é um bom princípio?
Sim, sem dúvida. Eu defendo que as épocas festivas devem ser vividas e assinaladas, e que não é por cometer excessos em dias especiais que “deitamos tudo a perder”. Contudo, ter a preocupação no controlo de peso é um ponto de partida para um maior controlo alimentar, pois ficamos mais conscientes e despertos para o que são as manifestações de “fome”, “vontade de comer” ou “gula”. Não devemos esquecer que a satisfação do Natal está no encontro e convívio com as pessoas que amamos. 
A alimentação apenas torna este convívio mais saboroso.
 
 Quais são algumas estratégicas para o conseguir?
 
Muitas pessoas cometem o erro de deixar de comer durante todo o dia, para poderem “comer a vontade” na ceia de Natal, o que está errado. 
Nos dias festivos é importante fazer as refeições normalmente, inclusive os lanches, podendo ajustar-se as quantidades e o tipo de alimentos consumidos para reduzir a ingestão de calorias nesses dias. Não aguardar pelo jantar de Natal com fome, recomenda-se comer fruta ou sopa antes destes convívios. 
Ter muita fome é o primeiro passo para comer mais. Durante os preparativos, evitar petiscar. É igualmente importante comer devagar e mastigar bem os alimentos.
 Nas preparações culinárias fazer pequenas alterações fazem toda a diferença, optando por produtos light/magros/ redução de gordura e açúcar. Evitar preparar fritos ou pratos com muita gordura. 
No caso de refrigerantes preferir os néctares “diet” ou “light” e ter disponível água ou chá/infusão sem açúcar. Moderar a ingestão de bebidas alcoólicas. Incluir saladas e legumes como acompanhamentos na ceia e salada de fruta como sobremesa. 
Além das frutas facilitarem a digestão, irão contribuir para uma maior saciedade e por consequência menos idas à mesa dos doces. Não exagerar nas quantidades dos pratos confecionados. 
Ao sobrar muita comida/ sobremesas, a tentação de pecar será maior nos dias seguintes. Congelar as sobras, é sempre uma boa opção e incluir a prática de atividade física.
 
Que “bombas calóricas” nos esperam na mesa de Natal? Há alguns alimentos que sejam especialmente densos em calorias, mas de que não suspeitamos?
Eu penso que todas as pessoas tem noção das “bombas calóricas” existentes nesta época. Desde os doces, chocolates, aperitivos, bebidas alcoólicas,... ou seja, a oferta é muita, daí ser importante consumir com moderação. 
Destaco os frutos gordos, como as nozes, que são típicos nesta altura. Apesar de saudáveis e muito interessantes do ponto de vista nutricional, são calóricos, pelo que devem igualmente ser consumidos com moderação.
 
O que seria um exemplo de uma consoada ou de um “menino mija” com opções mais saudáveis?
 
Os pratos típicos desta altura tem tanto de bom, como de saudável, como é o caso do bacalhau cozido com todos ou do peru. Aliando a esses pratos acompanhamentos como a batata-doce assada/cozida, o arroz, os legumes salteados ou saladas, serão sempre boas opções. Obviamente que ao optar pelas versões mais calóricas desses pratos, como por exemplo bacalhau de natas, tornará a refeição menos saudável e mais calórica. 
No que respeita ao menino mija, penso que o segredo está em não exagerar, ou seja, não fazer demasiados bolos, tartes, não comprar demasiados chocolates ou aperitivos.

 Como se pode utilizar o exercício físico como um aliado nestes dias?
Sem dúvida que o exercício físico nesta altura é um ótimo aliado. No meio dos excessos cometidos nestes dias, gastar algumas calorias será sempre vantajoso. O corpo agradece e a balança também. 

Que espaço devem ter também os alimentos mais calóricos, as guloseimas, bebidas alcoólicas, etc, nas nossas vidas? Qual é a linha entre aproveitar e abusar?
Como em tudo na vida, devemos ser regrados e conscientes das nossas escolhas. Independentemente do objetivo que cada pessoa define para si (perder peso, ganhar peso, perder massa gorda, aumentar massa muscular...) é importante ter uma alimentação saudável e fazer boas escolhas alimentares por uma questão de saúde. 
A linha que separa o aproveitar e o abusar, são as escolhas diárias que cada um de nós faz. Hoje em dia a informação relativa a alimentação é muita e cada vez mais as pessoas estão informadas do que são boas ou más escolhas alimentares. 
O ponto-chave para ter uma alimentação de qualidade é comer de tudo, porém nas quantidades certas. 
As refeições devem satisfazer as necessidades do organismo, contendo todos os nutrientes necessários (vitaminas, minerais, proteínas, lípidos e hidratos de carbono). 
É importante ressaltar que uma alimentação saudável não se baseia em comida “menos saborosa” e ainda existe muito essa ideia. É perfeitamente possível incluir semanalmente uma refeição mais calórica, com sobremesa, bebidas alcoólicas, sem que prejudique os nossos objetivos ou estado de saúde. Moderação será sempre o segredo!
                CA/DI

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima