24 de janeiro de 2021

Cuidado com as “bestas”

 1- Perante as contingências com que estamos confrontados, e para podermos compreender melhor o que se passa à nossa volta e no mundo a que estamos ligados, fomos à procura do que se tem escrito e do muito que tem passado na tela, sobre a sociedade pós moderna e as consequências imprevisíveis para a humanidade, tendo como epicentro as novas tecnologias.
2- Não somos obstinados quanto aos efeitos das tecnologias, mas, não podemos deixar de lembrar o que outros escrevem e pensam sobre o presente e quanto ao futuro.
3- Pegamos por isso no que narra a série televisiva “Black Mirror” passada há tempos na televisão britânica, que procura desvendar “o pesadelo distópico encontrado na próxima esquina”.
4- Os vários episódios tratam da “forma em que vivemos agora e a forma a que podemos passar a viver daqui a 10 minutos, se formos desastrados”.
5- Na “Black Mirror” procura-se discutir as tecnologias, coisa que não vemos, nem ousamos fazer. Na série encontramos uma outra grande preocupação que se prende com a maneira como a sociedade é hoje moldada pelas tecnologias em termos positivos e negativos, tornando-se depois serva e obediente do modelo para que é formatada. Essas narrativas são inquietantes e têm de desencadear uma discussão ética sobre os rumos que a sociedade está seguindo.
6- A vida de cada um, os nossos hábitos, a saúde, os negócios estão sendo controlados por máquinas e por algoritmos, e os dirigentes políticos estão embarcando no deslumbramento do mundo tecnológico, sem cuidar de saber que lugar terá o ser humano num mundo que está a tornar-se num pesadelo que nos torna prisioneiros das gigantescas corporações que já se sentem donas de todos nós.
7- A forma como se tem tratado a pandemia tanto em Portugal como noutros países, que a nosso ver, vai deixar sequelas enormes para futuro, é dolorosa, e transformou-se num gigantesco “ Big Brother”, que serve de pasto a toda a informação nacional, com imagens e relatos indignos, mostrando doentes sôfregos à porta ou nas camas dos hospitais, violando o direito à privacidade que é exigida nessas tão difíceis circunstâncias.
8- Como se isso não bastasse, diariamente aparecem cientistas, médicos, comentadores e outros especialistas de bancada falando, a toda a hora, sobre o vírus e os passos que dá, cada um exibindo uma página da sua sabedoria, por vezes repetindo o que outros disseram, mas geralmente desdizendo o que outros verbalizaram.
9- Como consequência, o povo está cansado, deprimido, entrando numa fase de desleixo. O Governo, por sua vez, está desnorteado pela complexidade da situação, com vários ministros confinados, e com o Primeiro-ministro apagando fogos em função da opinião publicada, das soluções que resultam da amálgama de especialistas e políticos com quem se reúne regularmente, juntando ainda as doutas opiniões postadas nas redes sociais.
10- Como não bastasse, a matemática também quis ter o seu momento de glória no combate à pandemia, entrando na previsão semanal do cálculo dos novos mortos e dos novos infectados, usando um algoritmo que tanto serve para um caso de vida ou de morte, como serve para gerar lucros em bolsa, ou falências inesperadas nas empresas tecnológicas cotadas em Wall Street.
11- Este é o mundo das tecnologias a comandar o homem, mesmo na desgraça.
12- Porém, hoje é dia de eleições para a escolha do Presidente da República, e o medo que afecta o país pode originar uma grande abstenção, razão pela qual aqui defendemos o adiamento das eleições, ou a sua antecipação, aproveitando a folga dada no Natal. Não vale a pena chorar sobre leite derramado e agora é esperar pelos resultados desta noite, para conhecer o vencedor e os sub vencedores que se auto-perfilaram para a segunda divisão.
13- O Presidente eleito vai ter uma difícil missão, tal é o estado do país, e o que virá a seguir com a dívida e o desemprego a crescer e com a “bazuca” da recuperação encravada em Bruxelas. É mais um mal a acrescentar a tantos outros.
14- Se não soubermos amarrar e domar as bestas, serão estas que nos irão acorrentar.
                                                

Américo Natalino Viveiros

Print

Categorias: Editorial

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima