21 de fevereiro de 2021

Recados com Amor...

Meus Queridos! A minha prima Maria da Praia telefonou-me para contar o reboliço que vai nas hostes laranja na Ilha de Jesus, com a disputa da liderança da Comissão Política de Ilha do PSD/A, por dois secretários regionais. António Ventura quer manter-se no comando do partido na Terceira e Clélio Meneses apresenta-se como candidato da mudança. No meio disso tudo, Maria da Praia diz que consta que o antigo Presidente do partido, Costa Neves, se prontificou para ser uma terceira via, candidatando-se à Presidência da Comissão Política da Terceira, com o propósito de unir, em vez de dividir o PSD/A… Maria da Praia acrescenta que o candidato Clélio até está disposto a abdicar da candidatura a favor de Costa Neves, mas só se António Ventura também abdicar de concorrer a novo mandato… No meio desse imbróglio falta saber se o Presidente do Partido José Manuel Bolieiro conseguirá meter o sal na moleira dos dois gladiadores que estão dispostos a ir discutir o assunto na arena eleitoral… Maria da Praia diz que este despique já tem barbas brancas, mas agora as coisas piam mais fino, porque ambos os contendores fazem parte do mesmo governo…


Ricos: A minha comadre Amelinha telefonou-me dizendo que está furibunda com este Governo Regional e com o estratagema falhado do Dr. Tato Borges em teimar manter a cerca a Rabo de Peixe, mostrando que não sabe lidar com uma realidade tão específica, como é o caso de uma laboriosa zona da vila de Rabo de Peixe. Amelinha diz que é um verdadeiro atentado aos cidadãos quando o Dr. Tato pomposamente declarou que, … “Não podemos arriscar que todo o trabalho tido com sucesso em São Miguel e nas restantes ilha possa ser deitado por terra com um levantamento precoce da cerca sanitária em Rabo de Peixe”…. Já toda a gente percebeu, menos o Dr. Tato, que as cercas não são a solução do problema, mas sim o isolamento obrigatório de todos os contaminados, libertando a restante população da vila do sufoco de estar presa há já cinco semanas. Lembrem-se só que as crianças da vila já não vão à escola desde o início do mês de Dezembro, e mesmo que frequentem estabelecimentos de ensino de outras localidades não o podem fazer, porque estão cercadas. … E não me venham com a treta que é o ensino à distância, coisa que não acontece com a esmagadora maioria dos alunos. É de pasmar a declaração arrogante… de “enquanto os números de Covid-19 estiverem neste nível, a população vai continuar confinada e cercada, até que a situação seja normalizada”. Esta declaração revela uma tamanha insensatez, … e  Amelinha diz que noutra altura, já teria sido pedida a demissão do Dr. Tato Borges das suas funções, que são  pagas a peso de ouro… e acrescenta… não me venham com saber científico para justificar a cerca, porque não se vê que esse rigor científico invocado pelo Dr. Tato seja aplicado em Portugal, nas freguesias onde há altas taxas de infectados… O Governo Regional está a transformar a vila de Rabo de Peixe num autêntico podredouro humano… diz Amelinha… e o preço que vai pagar pela obstinação em manter a cerca vai ser muito elevado….

Meus queridos! Aqui na minha Rua Gonçalo Bezerra, e como a minha cidade norte já começa a ter uma vida diferentes depois de ter descido de nível no semáforo Covid, tenho pensado muito no que continua a sofrer grande parte da população de Rabo de Peixe com as continuadas e indefinidas cercas que até já fizeram o seu presidente Jaime Vieira vir dizer, como li no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio, que, no meio disto tudo, vão é morrer da cura… Eu sei que a actual Autoridade de Saúde já disse que não age por pressões, mas apenas por critérios científicos, mas também penso que com a redução de casos e com o facto de os novos serem quase todos de contactos familiares, há alternativas que podem ser experimentadas, principalmente com reforço de fiscalização às famílias onde existem casos positivos. Mais polícia nas ruas e junto das tascas para evitar ajuntamentos e se a polícia não der, ainda não percebi por que não se pede ajuda à tropa. A gente sabe que há pessoas que pela sua cultura e formação, (ou falta delas) agem com irresponsabilidade. Mas fazer pagar toda uma população que quase chega aos dez mil habitantes… até já parece mais castigo cego do que prevenção…

Ricos! E já que estou a falar do vírus, sempre quero dizer que fiquei muito contente com a notícia da vacinação a todas as pessoas da ilha do Corvo. Não chegam a meio milhar e assim é uma ilha que vai servir de barómetro e de ensaio para os efeitos da vacina. E não entendo o banzé de tantos que não perceberam o alcance da excepção. A gente sabe que as redes sociais são o vazadouro de maus fígados e invejas recalcadas, mas é duro não perceber que no Corvo se vive uma situação diferente de todas as outras ilhas, pelo isolamento, pela carência de meios e pelo estilo de vida comunitária que ainda existe na ilha que marca a fronteira onde começa a Europa, a poente, e acaba a América, a nascente… isto sem falar nas limitações que o serviço saúde no Corvo tem, caso houvesse uma contaminação provocada pela Covid-19. … Juro que não percebo tanta inveja… mas ricos! É a sociedade que temos… O antigo dizia que é livrar do invejoso, porque não medra nem deixa medrar….!

Meus queridos! Quero mandar um ternurento beijinho ao meu querido Bispo Lavrador, pelas suas 65 primaveras celebradas na passada Quinta-feira, dia 18. Um aniversário que ocorre na altura da publicação da sua primeira Carta Pastoral como Bispo destas Ilhas dos Açores e que resulta da sua experiência de pastor peregrino das 165 paróquias de todas as ilhas que já percorreu em visitas pastorais. Ainda não li, mas estou em pulgas para ver como D. João analisa a realidade pastoral neste caminho sinodal, pois sei que ele quando vai às paróquias não se fica pelos arquivos das igrejas, e percorre todas as entidades e instituições, num estilo muito seu e a que muitos ainda não estão acostumados. Com votos de muitas felicidades, e como católica militante, desejo que D. João faça o “milagre” de que a Igreja nos Açores se afirme pelos sinais que possa transmitir de pobreza e ajuda a todos, sem perder a sua identidade, e resistindo à tentação de ser mais uma ONG, sem espiritualidade.

Ricos! A minha prima Maria da Vila, que é leitora atenta, desde que se lembra, do centenário jornal A Crença, agora dirigido pelo irreverente padre José Paulo Machado, telefonou-me em véspera de Carnaval para me ler o editorial do dia 12 de Fevereiro, em que o dito Director zurzia naquilo que ele chama os “velhos média açorianos”, que no dizer dele andam a reboque da comunicação social do continente, e destaca como exemplo o “Correio da Manhã”, a Sic e a TVI, e que só não usam filtros quando se trata da Igreja… Embora já habituada com as arrancadas impulsivas do primeiro Director que a Crença tem e que não é o Prior da Velha Matriz, desta vez tenho de dizer que o rico meteu-se em caminho que desconhece, porque a verdade é que ainda há “velhos média” que não querem, por opção e convicção ser Correios da Manhã, nem SICs, nem TVIs. Querem simplesmente ser eles próprios e não “estendais de roupa suja”… E sobre o “não haver filtros para as notícias sobre a Igreja” e padres, está muito enganado… Olhe que há, porque com o que se sabe e fala, só o respeito destes velhos média é que faz com que muito não se espalhe por estas ilhas… Veja que até nenhum dos velhos média ligou ao seu editorial, rico! E a minha prima Maria da Vila diz que continua à espera de ver uma notícia do seu concelho em capa da Crença… ou há filtros?

Meus queridos! A minha prima da Rua do Poço está muito contente com o começo das obras de demolição das galerias da Calheta, embora da sua janela ela veja que aquilo mais parece que estão a fingir que trabalham e por esse ritmo vai haver demolição para anos. Ela viu, em dia de Carnaval, a visita que a minha querida Presidente Maria José fez às obras, acompanhada de vereadores e vereadoras, assim como pelo Presidente da Junta e por três representantes do Movimento da Calheta, … convidados pela própria Presidente da Câmara. A minha prima da Rua do Poço também gostava de lá ter estado, porque afinal aquilo está mesmo em cima do seu nariz todos os dias, mas, como ela diz, quem convida, sabe quem convida. O que ela quer agora é que aquilo não seja uma obra de faz-de-conta, para tudo depois ficar entre taipais, não sabe mais quantos anos. Os promotores concessionários do espaço já vieram dizer que hotel só quando lhes convier… Está na hora de o Governo ter a sua palavra e uma coisa que se impõe é que a parte de jardim avance de imediato, em tudo… e depois, hotel ou não hotel, logo se verá… É que pelo andar das coisas, Ponta Delgada durante mais dez anos.. se calhar não vai precisar de mais hotéis…

Ricos! Ontem mesmo deveriam ter começado a sair os primeiros ranchos de romeiros que marcam de sobremaneira o começo da Quaresma por esta ilha de São Miguel. Mais uma vez este ano fica um grande vazio, tanto nos que vão na romaria, como naqueles que se prestam a receber e partilhar as suas casas e mesas com os peregrinos quaresmais... Um ternurento beijinho a quantos mantêm esta milenar tradição e que para o ano, precisamente no ano em que se completam 500 anos do início das romarias, já seja possível a sua realização para uma celebração condigna. Mais do que tudo, mais que ser património imaterial, … ou isto ou aquilo, o que vai fazer falta mesmo é ouvir o som das Ave-Marias, nas ruas, na madrugada ou ao sol-pôr, porque a beleza das romarias está na fé de cada um e na sua genuinidade… O resto são adereços que o tempo leva…

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima