Rui Cordeiro, Presidente do Clube Desportivo Santa Clara

“Santa Clara tem de percorrer um longo caminho até se poder estabilizar enquanto clube de primeira”

Qual o balanço que faz da partida diante do FC Paços Ferreira que marcou o regresso do público ao Estádio de São Miguel?
O balanço é claramente positivo. O povo açoriano deu, mais uma vez, uma resposta bastante positiva e responsável, respondendo afirmativamente a todas as solicitações da DRS e ficou provado, mais uma vez, que é possível a presença de público nos espectáculos desportivos. O povo açoriano fica mais uma vez na história do futebol português, dando um exemplo de civismo e educação para todo o país.
No plano desportivo foi uma tarde memorável. Vencemos bem e demos mais um passo importante para assegurar o grande objectivo da época que passa pela manutenção.

Considera que esta foi mais uma vitória do clube e da autonomia da Região?
Foi, sobretudo, uma vitória da autonomia da Região. É um enorme orgulho ver que os Açores são, neste momento, o único local no país com autorização para acolher público nos espectáculos desportivos, nomeadamente no que concerne ao futebol profissional. Ficou provada a importância do futebol e do CD Santa Clara enquanto veículo activo de promoção turística.

O CD Santa Clara tem feito uma temporada, novamente, bastante regular. O objectivo passa pela manutenção ou o clube já olha para outras metas?
Tal como disse, o CD Santa Clara tem de percorrer um longo caminho até se poder estabilizar enquanto clube de primeira. Esta é a nossa terceira temporada consecutiva. Vejamos o exemplo do Marítimo que tem 22 anos consecutivos no principal escalão do futebol português. Para que isso aconteça é essencial que, aos poucos, nos emancipemos cada vez mais da ideia de ir «a metrópole» ver as luzes, ao Centro Comercial, apoiar quem não é da nossa terra e representa o novo povo. O Santa Clara tem uma identidade açoriana. Queremos cada vez mais bravos açorianos, formar o nosso “exército” tal como tem o Braga com os Guerreiros do Minho ou o Vitória de Guimarães com os Conquistadores. Volto a reforçar que temos potencial para, em termos de massa adepta, sermos a 4/5 potência do futebol português.
Agora há que dar continuidade à terrível e dolorosa política de saneamento financeiro da instituição e promover a criação de infra-estruturas que sirvam o futebol profissional nos Açores para que possamos olhar para outros objectivos. Enquanto isso não for atingido, temos de continuar a olhar somente para a manutenção.
Em termos de infra-estruturas desportivas, ficamos na idade da Pedra. Temos as mesmas condições de treino que existiam há mais de 25 anos, tirando aqui e ali, obrigações regulamentares da Liga Portugal. Por exemplo, neste momento, o CD Santa Clara é a única equipa que continua a treinar em escolas e isto não é bom nem para nós, nem para os discentes que ali proliferam durante os horários de treinos.
Um bocadinho a brincar mas com algum fundo de verdade, um membro do Governo Regional dos Açores, com funções executivas, uma vez disse a outro membro da estrutura do CD Santa Clara, o seguinte: ‘Para quê mudar o relvado? Estão a ganhar’. Isso é o mesmo que dizer a uma pessoa que ganhou a meia Maratona com sapatilhas esburacadas e de sola gasta: ‘Amigo, não precisas de ténis, consegues ganhar mesmo descalço. Força, estamos contigo’. Isso é pura demagogia, para não dizer outra coisa. O Estádio de São Miguel bate recordes por ser dos piores do país. Basta. Estou cansado de falar e como diz o Carlão na música, o que fazem é assobiar para o lado”

Depois do sucesso de desportivo de Carlos Pinto e de João Henriques, surge Daniel Ramos a obter resultados igualmente históricos. Acha que isto vem comprovar a qualidade da estrutura que tem vindo a ser construída nos últimos anos?
“m 5 anos, tivemos 3 treinadores. É óbvio que há muito mérito nos trabalhos de todos os treinadores que referiu acima mas acima de tudo vem confirmar a competência da estrutura do CD Santa Clara. Para além dos treinadores que potenciamos nos últimos anos, valorizamos diversos atletas e confirmamos o crescimento sólido e sustentado da estrutura que temos vindo a desenhar. O CD Santa Clara, neste momento, tem uma estrutura que se bate com qualquer outra do futebol português.

O que falta para termos um CD Santa Clara nas competições europeias nas próximas temporadas?
Faltam-nos ainda dois ou três aspectos, dos quais destaco três essenciais: consolidação financeira, consolidação desportiva e melhoria das infra-estruturas de apoio ao plantel profissional.
A consolidação financeira e a consolidação desportiva são dois vectores que se interligam e que dependem um do outro. Não nos iremos consolidar financeiramente se não tivermos bons resultados. A questão das infra-estruturas é bem mais complexa e depende, não só, mas também, de terceiros. Não é só o CD Santa Clara que depende da questão infra-estrutural. É o futebol e o desporto nos Açores. Neste momento somos das poucas regiões do país que ainda não tem um estádio suficientemente capaz de receber grandes competições, nem um centro de treinos vocacionado para a alta competição. Queremos, em conjunto com o Governo Regional e com os demais clubes açorianos, trabalhar numa solução que nos permita resolver em definitivo esta questão.

No programa eleitoral do PSD estava contemplada a possibilidade de substituição e requalificação do relvado do Estádio de São Miguel. Acredita que tal possa acontecer já no decorrer deste ano civil?
Esperamos que sim. Neste momento estamos em articulação com a Direcção Regional de Desporto e o Serviço de Desporto de São Miguel (SDSM) para tentar viabilizar esta situação em tempo útil. O Estádio de São Miguel é um dos veículos de promoção turística da Região por estar intrinsecamente associado ao CD Santa Clara. Tenho que relevar o bom trabalho que o SDSM tem realizado na manutenção e melhoria do relvado do Estádio de São Miguel, mas as condições apresentadas continuam a ser claramente insuficientes e não são condizentes com o prestígio da Região lá fora.

Qual o balanço que faz destes dois mandatos ao serviço do clube?
Um balanço bastante positivo. Quando cheguei ao clube, vi uma instituição descaracterizada, a definhar, que não valorizava activos, que não pagava salários e com várias dividas ao fisco e segurança social. Os trabalhadores dos serviços administrativos trabalhavam com buracos nos pés. As pessoas não acreditavam no projecto e os açorianos estavam completamente desligados do projecto. Hoje temos um clube que é um dos principais embaixadores da Região, ligado ao povo açoriano e aos seus sócios, e com uma estrutura altamente profissionalizada capaz de dar boas respostas.
É óbvio que há ainda muito caminho por desbravar mas muito foi feito junto da minha Direcção e dos órgãos sociais do clube. O balanço até agora é francamente positivo. Tenho a plena convicção de que hoje o CD Santa Clara é um clube mais estável e mais pujante, tanto no plano desportivo, como no plano financeiro. Arrisco-me a dizer que seja talvez o melhor CD Santa Clara de sempre.

Quão diferente é o Presidente Rui Cordeiro de hoje em relação ao Rui Cordeiro quando assumiu a presidência do clube?
Em primeiro lugar, careca. Perdi o pouco cabelo que tinha em menos de 1 ano. Ganhei maturidade e perdi um tanto de impulsividade, tanto era o desespero, na altura, em resolver os problemas gravíssimos que surgiam. Hoje sinto-me ainda mais orgulhoso deste CD Santa Clara. Construímos um CD Santa Clara respeitado pelo povo açoriano, Federação Portuguesa de Futebol, Liga de Clubes, sociedades desportivas e demais entidades. Sinto que o clube faz parte do coração dos açorianos e isso é algo que me comove.

Está a chegar ao fim o último ano de mandato. Já reconsiderou a recandidatura ao cargo?
Neste momento estou a considerar esta possibilidade junto da minha Direcção e da minha família. Costumo dizer que um ano no futebol, equivale a quatro ou cinco no desempenho de qualquer outra actividade. Têm sido 6 anos de um desgaste enorme. Sinto-me com forças para continuar mas ainda não tomei uma decisão em definitivo. Conto tomá-la em breve.

Print

Categorias: Desporto

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima