Cooperativa de Santa Maria exportou no ano passado 114 toneladas de meloa e 48 toneladas de carne para o continente

 A cooperativa agrícola AgromarienseCoop lançou na sua página do Facebook uma fotografia a juntar o Doce de Meloa de Santa Maria a um dos primeiros queijos de ovelha da ARCOA, que estão em testes, a pretender evidenciar um aumento de produções locais na ilha de Gonçalo Velho.
A AgromarienseCoop, de que é Presidente Duarte Moreira, tem vindo a produzir entre 500 a mil quilos de doce da meloa mariense e, apesar de ter iniciado a produção no Verão de 2020 – em plena época de apanha da meloa, já está a produzir entre 500 a mil quilos do doce por mês “dependendo muito das encomendas e dos efeitos da pandemia”.
“Vamos fornecendo o doce conforme nos vão fazendo os pedidos. Vamos introduzindo o doce no mercado à medida das necessidades. Já colocam o doce em algumas ilhas da Região e no continente”, afirma Duarte Moreira, que não exclui a possibilidade deste doce vir a ser comercializado, num futuro próximo, no mercado da saudade, nos Estados Unidos e Canadá.
A  AgromarienseCoop, com 14 anos de existência,  é uma cooperativa agrícola recente.  Em termos de estruturas, a central hortofrutícola tem 10 anos de actividade e, segundo Duarte Moreira, “temos todos os anos vindo a crescer. Se isso é considerado sucesso, temos tido algum sucesso, apesar das dificuldades de viver numa ilha pequena com pouca população como é Santa Maria”, afirmou.
Um dos grandes negócios da cooperativa é a produção e comercialização da meloa mariense, muito apreciada no mercado. A sua produção e comercialização tem vindo a aumentar anualmente, atingindo as 114 toneladas no ano passado e 40% desta produção já foi colocada no mercado de Portugal continental.
2020, na opinião de Duarte Moreira, foi “um ano bom, um ano normal, apesar de haver alguns problemas com os transportes por causa da pandemia. Foi o melhor ano de sempre em termos de quantidade de meloa produzida e vendida, porque temos vindo a crescer a produção todos os anos de forma consolidada”, completou.
A  AgromarienseCoop começou também em 2020  a exportar carcaças e carne de bovino, de gado de raças cruzadas, um trabalho feito por especialistas na ilha. Logo no primeiro ano exportaram seis contentores de carne e cada contentor leva oito mil quilos de carne. Foram, assim exportadas no primeiro ano 48 toneladas de carne de Santa Maria para o mercado de Portugal continental.
 Além do doce de meloa, a cooperativa produz também outros doces de produtos marienses muito apreciados, nomeadamente, no mercado de São Miguel.
 A AgromarienseCoop está a incrementar também o sector da apicultura com mel próprio e a colheita do mel dos apicultores associados. É a cooperativa que embala  e comercializa  o mel no mercado regional e nacional.

O doce, o queijo e a foto
 
A iniciativa da AgromarienseCoop de juntar um dos queijos teste da Queijaria Ilha de Santa Maria, da Associação Regional dos Criadores de Caprinos e Ovinos dos Açores (ARCOA), a um frasco de doce de meloa de Santa Maria surtiu efeito nas redes sociais, relevando Santa Maria como uma ilha exemplo de produto de produtos tipicamente regionais.
O facto é que a ARCOA está desde o início desta semana a avançar com a criação de um queijo curado de ovelha. A formação, para iniciar o processo de experimentação, esteve a cargo de uma queijeira com 17 anos de experiência na laboração do queijo Serra da Estrela.
Esta é uma aposta da ARCOA, que está a realizar o sonho de criar uma queijaria na ilha que tem grande vocação para a produção de carne de caprinos e ovinos.
Daí que a Direcção da Associação tenha impulsionado vários criadores a adquirir animais vocacionados para a produção de leite, pensando que no futuro a ilha de Santa Maria poderia vir a ter no queijo de ovelha uma mais-valia em termos económicos.
Com o apoio da Direcção Regional da Agricultura, houve animais que foram adquiridos em França e concluídas as obras no edifício onde começa a dar os primeiros passos a Queijaria Ilha de Santa Maria.
Os colaboradores estão agora a adquirir experiência com quem lida com o queijo Serra da Estrela há quase duas décadas, experimentando a criação de um queijo curado de ovelha que possa ser mais um atractivo da ilha de Santa Maria.
De Santa Maria já se exporta carne de gado cruzado, grandes quantidades de uma meloa muito apreciada, doce e, muito em breve, provavelmente, da ilha vai exportar-se um queijo de ovelha muito especial.
                                        

Print
Autor: João Paz

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima