1 de agosto de 2021

Recados com amor...

Meus Queridos! O meu querido Presidente Marcelo continua a pregar partidas. Ao fim de tantos anos, continua célebre um pretenso jantar que foi descrito pelo político Marcelo Rebelo de Sousa ao jornalista do “Independente”, Paulo Portas, como sendo notícia de primeira mão, em que descreveu com todos os detalhes o que se havia passado em tão importante evento, ao ponto de ter dito que o jantar começou com uma sopa “vichyssoise” e depois veio a saber-se que não houve jantar nem sopa… mas apenas o relato de um jantar/ficção à boa maneira de Marcelo, e que deixou Paulo Portas apopléctico… Desta feita, como Presidente da República, Marcelo resolveu juntar no Palácio de Belém as personagens do programa que foi da SIC e depois passou para a TVI, chamado “Circulatura do Quadrado”, no qual intervêm Pacheco Pereira, Lobo Xavier e Catarina Mendes…. Não sei se foi para matar saudades dos tempos de comentador naquele canal que lhe abriu caminho para a eleição como Presidente da República, … ou se foi uma inovação para falar ao País sobre a situação de cada dia… De qualquer forma não me vou meter nessas tricas entre Belém e São Bento, … mas não posso deixar de lembrar que há coisa de três meses o Director do Jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio publicou um Editorial denunciando que a Censura tinha sido restabelecida em Portugal devido ao artigo 6º da Carta dos Direitos Digitais… Pouca gente falou do assunto e até parecia que alguém tinha posto uma mordaça nos órgãos de comunicação social e nos próprios jornalistas… O “Correio dos Açores” tinha estranhado a diligente promulgação da Lei, por parte do Presidente Marcelo tratando-se de matéria tão delicada, e ficou-se por aí a ver em que davam as coisas, logo que entrasse em vigor a obra-prima da Carta dos Direitos Digitais…. Agora no programa da TVI, Marcelo “comentador” diz que, apesar de na sua qualidade presidencial… ter promulgado a lei que “não teve votos contra”, considerou agora aquela norma “muito original”, porque “não adiantava nada quanto à competência da ERC e no resto eram intenções um pouco absurdas” - isto embora não lhe parecesse claramente inconstitucional na altura… Dito isto, o Presidente/comentador Marcelo, decidiu perante o vasto auditório da Televisão anunciar que vai, pedir a “fiscalização sucessiva” do Tribunal Constitucional, ao tal artigo 6 que “institui a censura em Portugal”…. Isto é Portugal no seu melhor… e depois admiram-se da depressão e dos abusos que vão por aí!....

 


Meus Queridos! Estamos a menos de dois meses das eleições autárquicas e depois da apresentação dos candidatos que concorrem pelos vários partidos políticos, uns esperando que o povo lhes renove a confiança para novo mandato e outros que se apresentam pela primeira vez ao eleitorado… esperando ganhar o lugar com promessas piedosas de servir o concelho e o povo que o compõe… Depois desse corrupio, agora é tempo para saber que projectos têm os candidatos para convencer o eleitorado que se tem afastado cada vez mais da sua participação cívica… Promessas não faltam, mas o que mais incomoda a minha comadre Gertrudes é a leviandade com que muitos candidatos atiram para o ar propostas que não estão na área municipal, mas sim no âmbito regional… Alguns apresentam uma agenda que parece uma candidatura a membro dum qualquer Governo, esquecendo outras medidas que dizem muito aos cidadãos que nas cidades e vilas estão confrontadas com problemas locais graves, como por exemplo a mobilidade dos munícipes, que sofrem com o engarrafamento rodoviário, e para o qual falta coragem e conhecimento para alterar o inferno diário… Para isso não se vê uma ideia sequer, … salvo a proposta que a minha prima Angélica ouviu na Televisão, apresentada nos Mosteiros pelo candidato Pedro Cabral, quando à beira-mar e com algum vento… disse que queria uma SCUT para fazer a ligação entre Ponta Delgada e os Mosteiros… Só faltou dizer quem iria construir tal SCUT, e se o dinheiro de Bruxelas dá para tanto… Já na minha cidade norte o candidato do PSD/A Alexandre Gaudêncio quer construir o resto da avenida marítima que falta, projecto que vem desde meados do século XX, mas vai logo dizendo que precisa do apoio do Governo para levar a carta a Garcia… A minha prima Angélica diz que arrojado… arrojado… é o programa de Cristina Calisto… que na Lagoa aponta que o seu plano é um projecto para uma década, ou seja até 2031…, propósito que é replicado pelo candidato social-democrata António Viveiros … Estou ansiosa para conhecer o miolo do plano de um e de outro para ver quem promete mais milagres… Enquanto isso, a minha prima Maria da Praia diz que os casos de COVID na Terceira abafaram as movimentações para as eleições autárquicas, mas espera que nos próximos dias os candidatos já conhecidos dêem um ar da sua graça… A procissão começou agora e ainda vai no adro e pode haver muitas surpresas no dia 26 de Setembro!

Meus queridos! Ainda há pouco tempo quem lia os jornais só encontrava vozes a dizer que os restaurantes iam falir porque não tinham movimento e o “bicho” estava a dar cabo de tudo. De repente o que se passou a ler, tanto na Ilha do Arcanjo, como na Ilha de Jesus, é que os restaurantes e quejandos estão aflitos por pessoal e não há quem queira trabalhar na arte de servir e cozinhar. Desde há muito tempo que se previa que isto ia acontecer no sector do turismo, pois o desinvestimento em escolas profissionais que de profissionais passaram a ter muito pouco, como se viu pelo triste exemplo do Centro de Formação das Capelas, e também a política de salários que se instalou e que leva a que seja preferível um subsídio a um trabalho, está a dar nisto. Não sou mulher muito entendida nessas coisas, mas sei que não é uma coisa simples de resolver e para aqueles que dizem que a culpa é toda dos patrões… porque não querem pagar, o que eu gostava era de ver os críticos do costume, criarem uma empresa e depois ver o que é que custa ao fim de cada mês… Andar a culpar um lado ou o outro, é como discutir o sexo dos anjos… Ficamos sempre no mesmo lugar!

Ricos! A minha sobrinha-neta que gosta muito de acampar, e que já tinha tudo planeado para ir uma semana em Agosto, lá para os lados das Sete Cidades, ficou triste com o encerramento temporário do Parque de Campismo junto das bonitas lagoas… e logo no dia a seguir leu no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio que para os lados do Porto Formoso ainda ninguém se entendeu sobre onde se deve ou pode acampar. Nunca fui mulher de acampamentos, mas acho que é tempo de se pensar a sério nisso, desde que se escolha lugares que não sejam perto de populações que vêem o seu sossego ir pelo cano abaixo sempre que começa a época das tendas e das churrascadas. É que há campistas e campistas, uns que respeitam a natureza e outros que são autênticos “bichos à solta” e que depois de enfrascados, gritam, partem, põem música em altos berros e deixam lixo por todo o lado… Como não há poções milagrosas, nem um polícia para cada barraca, lá pagam uns pelos outros. Mas o mal maior é sentir que a degradação do civismo de cada um, e dos grupos que têm falta de chá e de educação… De qualquer forma, e depois de uma reunião do Secretário do Ambiente com a Presidente da Junta de Freguesia das Sete Cidades, o parque reabriu este fim-de-semana, segundo o Secretário Alonso, com vigia e novas condições de higiene… A ver vamos se há tempero e por quanto tempo dura!…

Ricos! Ia-me dando um fanico quando li no velhinho e sempre renovado Diário dos Açores os dislates do presidente da Rtp/rectângulo que comparou os Açores com Braga e que nem sabia o nome da segunda ilha do Arquipélago da Madeira e teve de perguntar para o lado, para lhe ensinarem que é Porto Santo…  Já nada me admira nessas cabeças coroadas e emproadas que nunca assumiram a diferença entre continentalidade e insularidade… Nicolau Santos é daqueles que “fabricam fama e deitam-se a dormir”…  Já lá vai o tempo de Freitas do Amaral ( que Deus lá tenha) de comparar os Açores com um bairro da Amadora, ou mais recentemente um certo Rio ter dito que os nossos votos não eram fortuna. O que eu queria era que investissem, pelo menos mais uma “niquinha” no ensino de Geografia, mas nem isso. Olhem só os censos 2021. Lá continua a Praia da Vitória a ser a VILA da Praia da Vitória… Não houve no meio de milhares que lidaram com o programa informático, um ou uma que fosse que soubesse que o Concelho é da Praia da Vitória, por sinal cidade, e não da Vila da Praia da Vitória… São sortes!

Meus queridos! Contou-me a minha amiga Maria do Pico que está muito contente porque a Madalena anda nas bocas do mundo por ter sido o único concelho dos Açores que cresceu em população nos últimos dez anos, que lá para os lados do mercado municipal, e integrado num evento de vinhos e vinhas, foi promovido um festival de cozinha de petiscos e mariscos, ao vivo, e com público, a que pomposamente chamam de “showcooking”. Diz ela que, por este caminho, daqui a dias no Pico e por esses Açores abaixo não vai haver um evento que não tenha nome inglês, nem uma tasca que mantenha o nome português… Para se ser moderno, tem de ter um toque estrangeirado… Até faz lembrar o tempo das invasões francesas, lá para o rectângulo, em que tudo se afrancesou… E quem não se lembra do grito que foi lançado “Lisboa, não sejas francesa”…. Aqui estamos a precisar de quem inventa um poema “Açores, não sejas inglês”...

Meus queridos! Esta semana fui tomar um chazinho com a minha prima da Rua do Poço que já não via há dias bastantes. Disse-me ela que está em pulgas para saber as opiniões que a Ordem dos Arquitectos vai dar sobre o futuro do espaço reservado a usufruto público nas defuntas galerias da Calheta, onde, segundo disse a minha querida Secretária Ana Carvalho, não haverá mais demolições, o que quer dizer que vão ficar os “quiosques a poente”, não se sabendo o que vai restar dos projectos já repetidamente apresentados e emendados. No meio de toda esta conversa, a minha prima da Rua do Poço disse-me que está ansiosa para saber qual é a proposta que os candidatos do PS André Viveiros, e do PSD Pedro Cabral, têm para o espaço que sobra das antigas galerias da Calheta… É tempo de virem a terreiro dizer ao que vêm e o que propõe para preencher aquele espaço… 

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima