3 de outubro de 2021

Recados com Amor...

Meus queridos! Ofereço um cravinho a quem me explicar o que vai por detrás da bernarda lá para os lados do rectângulo com o caso dos chefes da marinha, que num dia são para mudar e no outro não…. obrigando  o meu querido Presidente a intervir e a puxar dos galões de Chefe Supremo das tropas e a chamar os envolvidos a Belém para depois dizer que aceitou as explicações da trapalhada que acabou em nada. Lembro-me muito bem de há alguns anos atrás, por trapalhadas bem menores o saudoso Presidente Jorge Sampaio resolveu desfazer o Parlamento e assim demitir indirectamente o Governo de Pedro Santana Lopes, agora ressuscitado Presidente da Câmara da Figueira da Foz… e que gozava de maioria na Assembleia da República. Agora o Governo “brinca com as Forças Armadas… mas Belém continua a garantir que, haja o que houver, não está disposto a usar a “bomba atómica” para evitar a instabilidade… e o povo vai assistindo impávido e sereno … aos encontros e desencontros entre o meu querido Presidente Marcelo e o meu rico Primeiro António Costa... A minha comadre Genoveva disse-me que lhe parece que este estardalhaço todo com os chefes marinheiros foi manobra de Costa para que se deixasse de falar do Moedas, que conquistou Lisboa que era a Medina de ouro do Reino… Mas, se calhar, a coisa é bem mais profunda que isso… porque Genoveva diz que ficou espantada com as declarações do Ministro das Infra-estruturas, Pedro Nuno Santos, apontando o dedo à burocracia do Governo e culpando  o Ministério das Finanças de dificultar a gestão da empresa CP,  dizendo que esta está há meses à espera da aprovação de compras essenciais e nada… impasse que levou o Presidente da Comboios de Portugal a bater com a porta… Genoveva diz que está para ver como é que se vai fazer aquele investimento da ferrovia anunciado com pompa e circunstância pelo rezingão Ministro Pedro Nuno Santos e candidato à cadeira de António Costa!....

Meus queridos! Tinha prometido no Domingo passado, que iria falar hoje sobre a forma como decorreu o acto eleitoral, e começo por lembrar que mesmo em tempo eleitoral, e de uma forma muito especial no dia das eleições, os políticos devem manter o necessário decoro, sobretudo os governantes, que  não devem ceder às novas tentações multiplicadas e ampliadas pelas redes sociais… Fiquei menente com o facto de um Secretário Regional ter vindo em pleno Domingo de votos para as redes sociais dizer que determinados responsáveis de uma lista andavam a pagar cerveja pelos cafés para que fossem votar neles. Sendo verdade – e quem sou eu para duvidar da palavra do dito cujo – em vez de vir para as redes sociais, na hora deveria era ter-se dirigido às autoridades competentes a denunciar os factos, até porque qualquer causídico sabe bem como isso se faz… E depois, como no lugar em causa nem as cervejas valeram, tudo ficou por isso mesmo, mas fica a dúvida se a denúncia não era a desculpa para caso de derrota… Ricos! É preciso dignidade, mesmo quando a vitória parece que vai morrer na praia…


Ricos! Ainda falando nas eleições, não me posso esquecer do que ouvi da boca do irrequieto deputado Paulo Estevão que desta vez não merece o meu ternurento beijinho, não pela derrota, porque em política há ganhar e há perder, mas pela desculpa que deu na emoção da noite das eleições, dizendo que estava admirado por ter perdido, depois de todos os investimentos que o Governo Regional fez ou prometeu para o Corvo nas últimas semanas. Eu nem queria acreditar no que ouvia, porque sempre pensei que o Governo Regional trabalha para cumprir o Plano e Orçamento e para tratar igualmente todos e todas as ilhas, sem pensar em estratégias eleitorais. No caso concreto, não sei se a boca lhe fugiu para verdade ou se quis descarregar culpas para outros. Mas que não lhe ficou nada bem, lá isso não ficou, porque até dá impressão que ainda não entendeu que, depois de eleito, é um deputado dos Açores e não só do seu mundo eleitoral… Há que saber perder e controlar as emoções…


Meus queridos! Fui seguindo atentamente, na RTP/Açores, a longa maratona da noite eleitoral, bem organizada, desde a aula magna da Universidade até aos diversos repórteres nas sedes dos partidos. A minha prima Teresinha, que me fez companhia na minha casa aqui na Rua Gonçalo Bezerra, ficou de boca aberta quando dos estúdios da Praia da Vitória, o meu querido ex-Presidente da Assembleia Regional, Francisco Coelho, manifestou o seu incómodo por ser sempre o último dos comentadores presentes a falar e disse com todas as letras à jornalista que conduzia o painel de comentadores que se lembrasse de ligar algumas vezes, em primeiro lugar para a Província da Terceira… Sim, ricos: “Província da Terceira”! Só quem anda desatento é que não entende o que Coelho quis dizer… Se este espírito de divisionismo bacoco é condenável seja em quem for, muito mais é num comentador que até já foi presidente do Parlamento açoriano. Humor reprovável, pelo modo e pela hora…


Ricos: Já lá vão as eleições autárquicas com algumas surpresas em alguns concelhos dos Açores, mas por aqui pela minha cidade norte, o patrão é o mesmo, com um resultado de fazer crescer água na boca de outros candidatos, com uma campanha bastante eficaz e mobilizadora. A grande incerteza residia apenas nos resultados da vila de Rabo de Peixe, já que a fasquia de 70% de Jaime Vieira nas eleições de 2017 era difícil de atingir, dado que a oposição, liderada pelo PS, fez um investimento nunca visto, com artistas internacionais a marcarem presença na campanha eleitoral de Álvaro Correia/Lurdes Alfinete e companhia. Até o líder nacional e Primeiro-ministro António Costa desceu as ruas de Rabo de Peixe, para apoiar e pedir o voto no candidato do PS e, assim, lograrem ganhar a Junta de Freguesia. Mas a noite das eleições foi bastante clarificadora, pois Jaime Vieira não só voltou a ganhar a Presidência da Junta, como obteve mais votos do que das outras vezes. Diz a minha prima Amelinha que a campanha eleitoral foi uma autêntica festa da democracia, com muita juventude a espalhar alegria pelas ruas da vila, tal como eram as campanhas nos idos anos 80/90. Assim se cumpre o slogan “o povo quem mais ordena”!


Meus queridos! Não falei disto durante a campanha eleitoral para não se pensar que eu andava por aí de régua na mão a medir os centímetros das ervas nos passeios. Mas é preciso que se diga que com a moda das mondas térmicas não há meio de chegar a todos os lados e o resultado é que em muitas zonas da cidade de Ponta Delgada e também noutros locais da ilha, elas estão a crescer e já se tornam um perigo de valentes escorregões, como aconteceu há poucos dias com a minha prima da Rua do Poço lá para os lados da Calheta. Eu não sei como se resolve isso, mas o certo é que para evitar herbicidas vamos ter que nos acostumar a viver com as ervas e se calhar ainda nasce um partido para as defender…


Ricos! Muito gostei de ler no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio a carta que o sempre jovem médico Carlos Falcão Afonso dirigiu ao meu querido Presidente Bolieiro por via do desaparecido ou escondido gradeamento e portão do lado sul do Palácio da Conceição, cuja falta descaracteriza a vista do palácio e que eu já tinha reparado aqui nos meus recadinhos. Ao lado de muita gente que só sabe chorar o presente, Carlos Falcão Afonso é um crítico das opções históricas que fizeram de Ponta Delgada o que ela é hoje, desde que se enterrou a Varanda de Pilatos, e o Cais Velho, até aos portinhos da Calheta. O que eu ainda não entendi e ninguém foi capaz de me dizer é como seria Ponta Delgada nos dias de hoje sem as obras que se fizeram. Mas isto fica para os entendidos… Agora, como toda a carta tem resposta, vamos a ver se dizem onde estão as grades e o portão!


Ricos: Algo não bate certo nos SMAS de Ponta Delgada, porque a minha prima Evangelina, sem saber como, tinha umas águas atrasadas e lá foi ela própria, apressadamente, no passado mês de Junho, regularizar a situação aos Serviços Municipalizados, pedindo para limparem todos os consumos que estivessem fora do prazo, alegando que ultimamente não recebia nenhuma notificação em casa pelos seus consumos de água. Como ela é muito certinha nas suas contas, teve de pagar sem refilar um balúrdio pelas coimas exigidas. Mas qual não é o seu espanto, quando esta semana, a Evangelina voltou a receber uma simpática cartinha da Câmara Municipal a informar que cortariam o abastecimento de água se não regularizasse o pagamento em atraso, referente ao mês de Maio. Esbaforida lá voltou ela aos SMAS para clarificar a situação e lá informaram que teria de pagar o mês de Maio e só depois poderia reclamar. Foi então que a minha prima me telefonou a pedir que mandasse um recadinho à minha rica Presidente Maria José Duarte ainda em funções, … no sentido de mandar que os Serviços Municipalizados tenham mais atenção para não acontecer o mesmo que à Evangelina, já que ela tinha feito questão que pagar todos os atrasos para não ter mais nenhuma surpresa. O conselho que lhe deram de optar pelo débito directo fica para os mais novos, já que na sua idade ela não confia nestas modernices e prefere ser ela a gerir os poucos euros da sua conta bancária.


Ricos: A minha comadre Elvira anda muito preocupada com as alterações do clima e sobretudo com as chuvadas que têm acontecido ultimamente nos Açores… e por isso é da opinião que aproveitando as novas tecnologias e os apoios que elas têm, os Serviços Florestais deviam usar drones para sobrevoar as grotas e barrancos que existem um pouco por toda a Região, de modo a verificar se os cursos de água estão obstruídos com troncos de árvores e lixo para poderem proceder à limpeza das mesmas. Isto para evitar o que aconteceu nos Mosteiros ou na Povoação recentemente e acautelar o futuro… E duma assentada, também os tais drones seriam úteis para vistoriar as plantações de canábis que pelos vistos crescem abundantemente por vales, grotas e quintais nas várias Ilhas… com todas as implicações e consequências que se conhece. Pelos vistos a  minha comadre Elvira tem razão, e assim haja quem a compreenda!

 

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima