10 de outubro de 2021

Recados com Amor...

Meus Queridos! As coisas não têm estado de feição para o Primeiro-ministro António Costa desde as eleições de 26 de Setembro. Foi o caso da substituição do Chefe do Estado Maior da Armada que o Presidente Marcelo travou e deu a bernarda que se conhece, foi a perda das importantes câmaras de Lisboa e Coimbra, e agora é o aperto que tem sentido nas negociações entre os vários parceiros esquerdinos para fazerem passar o Plano e Orçamento para 2022.O Governo parece um barco sem rumo, com o Ministro Pedro Nuno Santos a dizer do Ministro das Finanças o que Maomé não disse do toucinho, …. e António Costa a perder o verniz no debate de Sexta-feira na Assembleia da República, ao ponto de insultar o Vice-presidente da bancada do PSD durante o debate parlamentar. A fechar a semana, veio o antigo deputado e ex-Ministro João Soares reclamar uma remodelação imediata do Governo e uma redução do número de ministros e secretários de Estado. A coisa está preta e vamos esperar para ver… Por cá, os partidos ainda andam a digerir os resultados das eleições e os responsáveis máximos do PS estiveram reunidos ao longo da noite de Quinta-feira para acerta agulhas, mas pouco ou nada se soube do que lá se passou… O que se sabe é que o meu rico antigo Presidente Vasco e o antigo Director Regional da Saúde Tiago Lopes, vão depor como testemunhas, por escrito, no processo que está em curso na Inspecção de Saúde, sobre o imbróglio que está em investigação relativamente à compra de três milhões de euros de máscaras a Hong Kong… feita pelo Governo em 2020, mas que nunca foram usadas porque vieram “falsificadas”… Espero que a empresa ainda exista e que o Governo anterior tenha dado início a uma acção judicial para reaver os milhões que pagou adiantados!...


Meus Queridos! Os antigos diziam que não se deve dar parabéns antes do dia e por isso não pude, no passado Domingo, felicitar o meu querido amigo Monsenhor Weber Machado Pereira, que completou noventa primaveras no dia seis de Outubro. Monsenhor Weber é um leitor atento dos meus recadinhos e amigo e colaborador de muitas décadas do jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio. Nem é preciso gastar muito Latim para realçar o humanismo, a coragem e a verticalidade do “Padre dos pobres” que continua com a mesma verve na defesa os seus ideais, pela palavra que nele ganha a autoridade de quem sempre primeiro fez… antes de falar. Um ternurento beijinho de parabéns e que continue com essa frescura de ideais e exemplos de vida… para alumiar a penumbra que tem assombrado a sociedade neste primeiro quarto do novo milénio.

Ricos! Quero mandar um ternurento beijinho ao meu querido professor Eduardo Ferraz da Rosa pelo livro cuja apresentação vi anunciada no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio e que tem por título “Releituras e Novos Desafios da Restauração Nacional”, uma edição da Câmara ainda da minha querida Presidente Maria José Duarte que homenageia o saudoso professor Carlos Cordeiro, no terceiro aniversário da sua morte que ocorreu no passado dia 19 de Setembro. A minha prima Teresinha só entendeu o título do livro quando viu que era da SHIP (Sociedade Histórica da Independência de Portugal) porque como no título se fala apenas de “restauração nacional” e como hoje em dia o termo restauração está completamente ligado às actividades de “restaurantes e similares” ela ainda pensou que seria novos desafios gastronómicos que a Câmara queria promover, quando afinal ali estão reunidas as conferências sobre “restauração da independência nacional”… Em Dezembro, e se for convidada lá estarei com o meu vestido azul-bandeira que, afinal tem as cores da “restauração da independência”, mesmo em tempos laicos e republicanos…

Ricos! Li esta semana que o chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, anunciou a criação de um abono mensal de 250 euros para jovens entre 18 e 35 anos e com rendimentos inferiores a 23.725 euros anuais para facilitar a saída de casa dos pais e a sua emancipação. E lembrei-me logo das bocas dos críticos de costume pela medida agora anunciada pelo Governo Regional, pela boca do seu Vice-presidente Artur Lima, a quem tem cabido dar as boas-novas cá do sítio,… e no caso Artur Lima anunciava que o Governo do meu querido Bolieiro vai dar 250 euros mensais, embora em tranches trimestrais, aos estudantes cujos rendimentos próprios ou da família não excedam os 15 mil euros anuais, ou seja, aqueles com mais “vulnerabilidade económica” ou mesmo da classe média. Mas, como a má-língua è o que está a dar… logo apareceram os “puritanos dos costumes e do politicamente correcto”…. a dizer que estavam a estigmatizar os estudantes catalogando as famílias de pobres ou remediadas… Tal postura fez-me lembrar a fábula “do velho do rapaz e do burro”… e se alguém já não se lembrar diga que eu conto num dos meus próximos recadinhos. Ricos! Os puritanos dos costumes têm muito para aprender, ou muito ainda para engolir…

Meus queridos! Durante alguns meses vai ser mais difícil ir ao Mercado da Graça, que agora fica “retalhado”, por via das obras que vão reforçar a cobertura do recinto que desde os anos noventa já vai na terceira intervenção. Claro que há opiniões para todos os gostos, mas a minha prima Teresinha que tem uma sobrinha que lá vende alguns dos seus produtos, diz-me que gostou do que agora se pretende fazer e é preciso que se entenda que até há muito pouco tempo o que se pretendeu fazer foi que o mercado da Graça não fosse mais um espaço simplesmente fechado, tipo armazém ou híper, mas mantivesse um pouco das suas origens. No entanto, as exigências foram mudando. Quando se escolheu a actual solução ainda nem se pensava em que todos os vendedores iam ser obrigados a ter ali computador e máquinas de registar electrónicas que não podem apanhar chuva senão pifam e é um penar para as recuperar. Agora é preciso responder a mais este desafio e só quem lá trabalha é que irá avaliar o resultado da obra... Por isso mesmo, vou esperar para ver, mas era preciso passar por mais esta obra… apesar do transtorno que ela causa a comerciantes e clientes…

Ricos! A minha prima da Rua do Poço ficou menente quando leu no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio que em véspera do Dia da República tinham sido inauguradas as obras da Escola da Mãe de Deus e do Pavilhão Municipal que vem preencher uma lacuna que existia, no lado nascente da cidade de Ponta Delgada. Ela só não entende o motivo de tal inauguração da maior obra municipal dos últimos anos em Ponta Delgada ter sido feita quase em segredo e sem participação da comunidade local, agora que já não se pode argumentar com a questão do “bicho”, porque até os campos de futebol e a campanha eleitoral não tiveram quaisquer limites. Ela sempre pensou que as crianças e suas famílias que foram as sacrificadas durante anos, divididas por outras escolas, deveriam ter ali uma ocasião de festa, com os seus professores e funcionários. Diz a minha prima que compreende que não tenham feito a inauguração antes das eleições, mas depois, não precisava de ter sido quase “debaixo de um alqueire”…

Meus queridos! Sou leitora atenta do irreverente e atento “Pois Alevá”, em cada Domingo, no velhinho e sempre renovado Diário dos Açores e estou com ele na preocupação com esta onda de assaltos e de crescente presença de pedintes atrevidos, insistentes e malcriados em muitos pontos da cidade, sem que se veja um polícia ou alguém dos serviços sociais que deveria acompanhar de perto estes casos supremos de degradação humana. O que se sabe e com razão diz o “Pois Alevá” é que as noites estão cada vez mais por conta deles e já é tempo de alguém perguntar se vale a pena ter uma polícia municipal, ou se é melhor acabar com ela. Como aqui na minha cidade-norte nunca tive esse luxo, não sei o que vai pensar e fazer o novel presidente Nascimento Cabral. Mas que a segurança anda pelas ruas da amargura lá isso anda…

Ricos! E já que falo de casos de degradação humana, a minha prima Josefina contou-me que há duas viaturas estacionadas no canto sul poente do Parque de São Francisco Xavier que servem de dormitório colectivo de noite e de dia, e os usuários vazam no passeio o que sobra da comida e bebida acompanhados depois das respectivas necessidades… Por ali passam enumeras crianças das escolas que se situam nas redondezas e há pessoas receosas pela “estirpe” dos utentes das duas viaturas… Josefina diz a PSP já foi contactada e esteve duas ou três vezes no local, mas tudo permanece na mesma… O que Josefina propõe é que a PSP tome a iniciativa de rebocar as duas viaturas para o parque de perdidos e achados, limpando aquela zona que serve muita gente… antes que aconteça uma desgraça!...

Ricos! Não é novidade para ninguém que a pandemia ia deixar mossa em muitos sectores da sociedade e a Igreja não ia escapar. Mesmo agora que as limitações já são quase nulas, as igrejas estão praticamente vazias nas missas dominicais e mesmo para uma procissão vai ser difícil aparecer gente, porque se pensa que o andor no popó com cornetas à frente a tocar música gravada é a mesma coisa. E nem imaginam os impropérios que um pobre padre teve de ouvir, ou melhor, ler, nas redes sociais, e não sei se de boca a boca, por ter dito que não aceitava pedidos de marcação de casamentos e baptizados através de mail ou mensagem no Facebook. Ou seja, nem para marcar um casamento ou baptizado querem ir à igreja… E que tal casar online? Isto está bem amanhado, mas a culpa é de quem transformou a Igreja em supermercado de sacramentos. Agora já querem o passo seguinte que é sacramentos ao domicílio, em nome do acolhimento… E quase que batem no padre…

Ricos. A minha sobrinha-neta telefonou-me para mandar os parabéns ao músico Hélder Cunha, que acaba de lançar mais um videoclip, na plataforma digital Youtube, desta feita com toada afro-beat, totalmente rodado na Vila de Rabo de Peixe e cujos efeitos visuais têm merecido grandes elogios. Aquele Dj micaelense fez um trabalho notável com adolescentes e jovens de Rabo de Peixe, aproveitando as suas habituais brincadeiras na rua para conviverem descontraidamente, mostrando as suas habilidades e talentos para a dança. O novo single de Hélder Cunha, denominado de “Kitombo original mix”, que significa em português “união”, tem todos os ingredientes para ser um sucesso. Eu não percebo nada destas músicas modernas, mas a minha sobrinha-neta que entende da poda… diz que este jovem Dj tem surpreendido com o trabalho, e os residentes em Rabo de Peixe juntaram-se à aventura…, num cenário escolhido que mostra toda essa “união”. Em nome da minha sobrinha-neta, mando um beijinho repenicado para o jovem Hélder Cunha, com votos de muitos sucessos.

 

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima