28 de novembro de 2021

Opinião - Crónica da Madeira

O disparate do Sr. Rendeiro

A CNN Portugal depois de tanto estilhaçar o seu aparecimento surge, no dia da estreia, com uma entrevista ao Sr. Rendeiro, um ladrão que anda à solta, a viajar, a seu belo prazer, num avião a jato. Ninguém sabe onde ele está e, se calhar, não se saberá nunca. Manipulador da palavra, ele agora justifica a sua saída organizada pelo seu advogado, está claro é fácil de endossar aos outros as suas culpas. O pior é que para fazer sensacionalismo alguns órgãos de informação põem as afirmações do criminoso Sr. Rendeiro como se fossem verdadeiras, agora cheio de saudades do país que roubou! Querer fazer passar a mentira por verdade é grave, mas é mais grave pretender-se fazer do advogado bode expiatório desta questão. É um ser-humano a quem se pretende manchar a sua honra. Não é justo. É ignóbil.
Não é necessário ser muito inteligente para se perceber que um gatuno do quilate do Sr. Rendeiro, que tanto dinheiro roubou, para o qual não necessitou de nenhum orientador técnico, não fugiu segundo as orientações do seu advogado, mas sim por sua própria decisão, fê-lo premeditadamente, até porque fez as contas de quantos anos iria passar na cadeia, então preferiu voar em liberdade sem que ninguém o incomodasse. Quem teve cabeça para roubar milhões, tem cabeça para organizar o seu plano de fuga; tem cabeça para driblar os portugueses, as autoridades, Deus e o diabo até!
Não foi certamente por orientação do seu advogado que foram substituídos os quadros, avaliados em verbas consideráveis. Foi tudo da autoria do Sr. Rendeiro e não da mulher deste, agora em investigação. Naturalmente que ela é cúmplice, mas o plano foi da sinistra figura.
Nos tempos áureos do Sr. Rendeiro, dizia-se que era um banqueiro inteligente e com grande visão e conhecimento da matéria que abraçara. Competente e com espírito futurista. Palavras santas: inteligência, visão e conhecimento tanto quanto bastam para se tornar num ladrão profissional de alto gabarito. Espírito futurista porque programou o seu futuro com milhões, mantendo-lhe uma sobrevivência milionária até ao fim dos seus dias...
Realmente não me canso de dizer que o nosso belo Portugal é um país de “opereta reles”, com tudo o que se sucede: na banca; na política; na saúde. Não se morrerá nunca de monotonia porque as cenas surrealistas que assistimos conduzem a um país virtual.
Voltando ao Sr. Rendeiro que ninguém sabe onde se meteu, mas em algum lugar certamente está bem instalado, bem alimentado, bem dormido.
Esta história vai com certeza durar, não sabemos quanto tempo mais, mas, até lá vão-nos lavando o cérebro com as notícias repetidas da sua fuga...
Bem que por outro lado temos o futebol, com os seus abalizados comentadores, em todas as televisões, coincidindo nos mesmos horários, para nos cultivar – outra forma de lavar o cérebro.
Desculpem-me, os meus possíveis leitores, enganei-me, pois, afinal, o Sr. Rendeiro é um “Santo” que faz parte do conjunto de outros dois “Santos”: o Sr. Ricardo Salgado, que só tem amnésias e o Sr. José Sócrates que nada tem de seu. Vive em estado de extrema pobreza...

Print

Categorias: Opinião

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima