9 de janeiro de 2022

Recados com Amor...

Meus Queridos! Aqui na minha cidade norte, o Natal vai até às Estrelas e por isso convidei umas amigas para um chá servido a preceito, começando com chá da Gorreana com umas queijadas da Graciosa e umas cavacas de Santa Maria, e depois, com uma saborosa massa sovada vinda da Bretanha e acompanhada de um chá de Alecrim. Não faltou o licor de Maracujá e foram cumpridas as regras impostas pela Covid, porque a média de idade das convidadas não permite qualquer descuido. A conversa encalhou nas próximas eleições e não faltaram umas alfinetadas ao meu querido Presidente Marcelo, bem como ao seu Primeiro- ministro António Costa, que até foi ao enceramento do programa da Cristina Ferreira, com lágrimas e com um beijo especial de Costa, em nome do meu rico Presidente Marcelo, com ele tinha acabado de estar… Aquilo é que é um “namoro” a sério entre Presidente e Primeiro-ministro… Mas a dada altura a minha prima Encarnação, que é uma pessoa sempre muito contida nas suas conversas, começou a barafustar, dizendo que estamos de mal a pior no que toca à circulação rodoviária em São Miguel, sobretudo com o trânsito entre a Ribeira Grande e Ponta Delgada sobretudo no troço que vai desde a rotunda da Ribeira Seca até à rotunda do Peixe assado… Os camiões pesados que por ali circulam às dezenas, andam devagar devido ao peso que carregam e aos contentores que transportam, e os camiões mais pequenos, andam entre os quarenta e cinquenta kms/h, fazendo crer que já ultrapassaram a validade… engarrafando o transito que é obrigado a usar aquela trajecto porque não há outro para ligar as duas cidades… já que a auto-estrada que vai da Ribeira Grande à Lagoa… não serve a maioria das empresas e pessoas que transitam entre a Ribeira Grande e Ponta Delgada. Encarnação diz que não há fiscalização quanto ao peso que as viaturas transportam e acha que se a Direcção dos Transportes fizesse uma inspecção aos veículos pesados que se arrastam a quarenta kms/h, mais de dois terços iam certamente para a reforma. Mas pior do que tudo, foi a dona das SCUT’s ter na Sexta-feira acabado com os troços que tinha linha descontinua entre o Pico da Pedra e a Canada do Peixe Assado, passando tudo a linha continua nesses traçados impedindo agora qualquer ultrapassagem sempre que possível, o que deixou a minha amiga Encarnação, pior do que uma Barata ao ponto de me pedir que eu lançasse um desafio à minha querida Secretária Ana Carvalho para que ela se disponibilizasse a fazer tal percurso em horas desencontradas para saber o calvário que é circular entre a Ribeira Grande e Ponta Delgada e assim talvez pudesse tomar medidas que estão a faltar!....


Meus queridos! Quando li no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio a reportagem a mostrar o desgosto e a justa indignação dos moradores da Rua do Valverde pelo chiqueiro e a algazarra que os noctívagos e frequentadores de espaços existentes nas redondezas,… fazem depois de saírem da farra a altas horas da madrugada… conspurcando as portas de cada um… desassossegando quem tem direito a descansar para retomar o trabalho no dia seguinte… e praticando actos contra a moral publica, que violam o artigo 212º do Código Penal que considera o “exibicionismo como ultraje público ao pudor” punindo a prática, em lugar público e em condições de provocar escândalo, de actos que ofendam gravemente o sentimento geral de pudor ou de moralidade sexual… Bem sei que a moral é coisa que anda pelas ruas da amargura, mas é preciso pôr travão à pouca vergonha que anda por aí, tudo coberto pela liberdade… E pela má educação… Estou solidária com os 700 subscritores da petição sobre os desacatos e a porcaria que deixam na Rua do Valverde e fiquei para Deus me levar com tal situação porque nos tempos de hoje já não se pode aceitar tamanho exagero e porcaria que nem animais são capazes de provocar. Por isso mesmo, para aquela zona e para outras onde os moradores mal dormem com o barulho de toda a noite, espero que o meu rico Presidente Nascimento Cabral e as autoridades policiais ponham ordem na casa à semelhança do que faz a policia durante a noite e madrugada no Porto e nos Bairros Lisboetas… pois os piquenos e piquenas não podem fazer da rua caixote de lixo nem muito menos tornar a rua num bordel… e retrete ao ar livre. Tem razão os moradores e comerciantes quando dizem que mais importante que uma cidade sem carros é uma cidade onde se possa entrar e sair de casa sem vomitar com o nojo daquilo que nos deixam à porta. E apetece-me acrescentar que se é para isso que se quer uma cidade sem popós, estejam quietos…

Ricos! Mostrou-me a minha sobrinha-neta, que gosta de andar pela net, a onda de comentários de gente de várias partes dos Açores e mesmo do País contra as declarações do Papa Francisco que esta semana disse que há famílias onde cães e gatos estão a substituir os filhos… E é engraçado que muitos destes comentários vêm de gente afecta a quem gosta de citar o Papa quando lhes convém… e zurzem no Homem quando “lhes toca nas malhadas”. Já muitas vezes disse aqui nos meus recadinhos que a humanização dos animais corresponde à animalização dos sentimentos em relação às pessoas… pois com se sabe, há gatos e cães com camas melhores do que muitos seres humanos, e até quando se gasta dinheiro e tempo com roupas e pintura de unhas a gatos e cães e se deixam os filhos e os idosos ao cuidado de instituições… Depois venham dizer que o Papa não tem razão. Que não lhe falte a voz para denunciar o mundo desequilibrado em que vivemos e que nunca gostou de ouvir verdades. Mas é o que temos…

Meus queridos! Disse-me a minha prima Terezinha que ouviu que era este ano que ia começar a recolha de embalagens de vidro e plástico, mediante o pagamento de uns cêntimos por cada embalagem entregue. Não é por ser mês de eleições, mas já andam há anos a dizer que vai ser desta e depois fica sempre tudo igual. Noutros países, entregar uma garrafa e receber uns cêntimos já é coisa velha do século passado, mas aqui por mais leis e portarias que façam tudo continua igual, porque nunca se parte da base que é responsabilizar os grandes fabricantes e não são os pequeninos fornecedores que ainda terão de ter custos de espaço e trabalho de recolha e armazenagem sem nada ganhar. Por isso mesmo, como diz a minha prima, estamos outra vez com conversa de agradar ambientalistas e depois tudo esquece…Ora se esquece!

Ricos! Andam há anos a dizer que vão mudar o regime de reembolso dos valores que se paga às companhias aéreas para viajar como residente para evitar as idas e perdas de tempo nas filas dos CTT. Ninguém percebe por que motivo a coisa não anda, mas também todos sabem que o tempo dos políticos é de elástico que estica até poder… O pior é que há coisas que dão cabo da cabeça do mais paciente cidadão… Imaginem só o que é ir aos CTT e lá dizerem que o cartão de embarque está pouco legível e mesmo com os restantes elementos confirmativos da viagem não podem dar para trás o pilim do reembolso. Mandam o pobre passageiro pedir uma segunda via do dito cujo e lá vai ele… mais tempo, gasolina e espera. Passam-lhe uma segunda via e levam-lhe cinco euros… porque nada é de graça…A minha comadre Ernestina diz que o melhor é ver antes se o cartão de embarque está bem legível e caso esteja mal impresso, exigir logo outro… na hora. O seguro morre de velho…sobretudo num País ou Região onde a burocracia impera…

Ricos: A minha comadre Zulmira ficou surpresa no final do ano, quando foi com os netos lanchar a um restaurante de Ponta Delgada, encontrar uma das mesas repleta de convivas especiais. Tratava-se nem mais, nem menos, do que um grupo de sacerdotes, todos eles nados e criados em Rabo de Peixe, ficando o bichinho a remoer-lhe o juízo acerca de tão inusitado encontro. Não sossegou sem procurar saber o propósito dos senhores padres naquele restaurante, pelo que indagou junto de alguns paroquianos que ficaram boquiabertos com a notícia, mas que ficou esclarecida pela boca do padre Cidadão, vindo do Canadá, que no final de uma missa na Paróquia onde se baptizara, enfatizou aquele encontro, manifestando a sua alegria por todos os seus colegas no sacerdócio mostrarem todo o seu apego à terra natal e de como acompanharam os acontecimentos relativos à invulgar e tão badalada saída do pároco. Ficou a promessa de que será organizada uma concelebração na Igreja do Bom Jesus, porque o importante é unir a comunidade e os paroquianos à volta dos ensinamentos tão apregoados pelo Papa Francisco. A minha comadre Zulmira diz que fica com o ouvido à escuta para saber quando terá lugar a dita concelebração na Igreja do Bom Jesus, porque quer estar presente na inusitada concelebração.

Meus queridos! Quem é que vai aguentar até ao final do mês este campeonato de debates em que se tornou a pré e a campanha eleitoral? E o pior é que não são os debates em si, mas a onda de comentadeiros e comentadeiras que depois fazem um arraial que nunca mais acaba e dura três ou quatro vezes o tempo do debate. A minha Comadre Maria da Praia, que é uma mulher que gosta de estar atenta à politica…. Diz que já não tem aço para ouvir os comentadores de bancada que parece quererem concorrer os comentadores de futebol… As campanhas eleitorais, como agora já pouco se fazem na rua, tornaram-se uma verdadeira guerra de televisões e de redes sociais, onde a mentira e a meia verdade estão ao serviço dos manipuladores da opinião pública…que acabarão por serem coveiros dos regimes democráticos. E eu que pensava que isso só acontecia no Brasil, na Rússia, ou então com gente da estirpe do ex-Presidente Trump dos Estados Unidos… Maria da Praia diz que tem saudades dos tempos em que os políticos candidatos privilegiavam os contactos e a presença junto das pessoas e as freguesias, vilas e cidades apareciam com ar de festa... que era tida como a festa da democracia. Hoje quase tudo se resolve atrás de computadores ou à frente das câmaras de TV!…

Meus queridos! Aqui nos meus recadinhos, não posso deixar de mandar o meu ternurento beijinho para quantos foram vítimas das enxurradas do último dia do ano e de um modo especial para as famílias das Feteiras que perderam os seus bens e foram obrigadas a deixar provisoriamente as suas casas fazendo votos que o difícil regresso à vida normal seja rápido, e com todos os apoios possíveis. E também é preciso que naquela e noutras freguesias se preste muita atenção ao ordenamento agrário e florestal para que a desgraça não se repita. Circula por aí um vídeo que mostra como toda aquela zona está perigosamente a ser modificada na sua estrutura, com valados enormes maiores que ribeiras e verdadeiras grotas a desviar o curso das águas. Não sou mulher entendida nisso mas basta ver para saber que é preciso fazer alguma coisa…Os responsáveis políticos dessas áreas devem inteirar-se do que se está a passar naquela zona e noutras que há em várias das nossas Ilhas… A natureza nem sempre obedece às alterações feitas pela mão humana!

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

Theme picker