Começou a trabalhar aos 10 anos  de pé descalço a ganhar 40 escudos para sustentar a mãe e quatro irmãs Ler mais

Começou a trabalhar aos 10 anos de pé descalço a ganhar 40 escudos para sustentar a mãe e quatro irmãs

José Eduardo do Rego Constantino, 72 anos de idade, natural da Lomba da Maia, é hoje um gentlemen à moda antiga. Começou a trabalhar com 10 anos, a ganhar 40 escudos por mês, para sustentar a mãe e quatro irmãs porque o pai falecera quando tinha sete anos e não havia outro rendimento na família. Depois de completar a quarta classe, a sua vida foi uma luta diária, constante e permanente. Foi mandarete de famílias em Ponta Delgada e enviava o ordenado semanal para a mãe em carta que o condutor do autocarro levava para a mãe. Cartas que chagavam à Lomba da Maia com a mesma relevância das que vinham da América com dólares para os Açores. José Constantino não perdeu um dia de trabalho, nunca se esquivou a nenhuma tarefa. Foi sempre o empregado perfeito. Como diz, foi “doutorado na escola da vida”. A morte da esposa Ângela marcou-o profundamente. Hoje, como afirma, está a “tentar ser feliz com aquilo que tenho e com o que me falta”. E esta forma de estar tem muito a ver com as “grandes dificuldades” porque passou. Realça que as novas gerações “não são assim. Querem mais e mais, porque há mais…” Apesar de tudo porque passou, considera-se “um homem de sorte”. Aliás, como sublinha, “só posso dar graças a Deus por tudo o que tenho”.

 

Luísa Pereira defende mais rapidez  nos apoios e a extensão dos contratos de concessão de exploração das termas Ler mais

Luísa Pereira defende mais rapidez nos apoios e a extensão dos contratos de concessão de exploração das termas

Localizadas no concelho da Ribeira Grande, as Termas das Caldeiras são um dos pontos turísticos mais conhecidos da ilha de São Miguel. As suas características únicas são um atractivo para o turismo que registou uma subida exponencial nos últimos anos. Com a chegada da pandemia de Covid-19 e com a obrigatoriedade do encerramento decretado pelas autoridades de saúde, este sector está a atravessar dificuldades. Luísa Pereira, a responsável pela exploração das termas desde 2017, relata como têm sido vividos os últimos tempos, defende a extensão do contrato de concessão existente e considera que os apoios às empresas devem ser agilizados.      

Alunos com carências imediatas de alimentos e medicamentos por não estarem na escola são apoiados pelos municípios, diz Sofia Ribeiro Ler mais

Alunos com carências imediatas de alimentos e medicamentos por não estarem na escola são apoiados pelos municípios, diz Sofia Ribeiro

Ficar dependente do ensino à distância pode significar para muitas crianças a perda de uma refeição completa e
nutritiva. No entanto, Sofia Ribeiro garante que “nos casos em que se verifiquem carências imediatas” de bens alimentares ou de medicamentos, é feita uma acção mais directa através dos municípios. Já para “a apoios mais estruturados, decorrentes de quebras de rendimentos porque as escolas fecharam, o Governo Regional implementou um regime de compensação financeira”. Quanto à reabertura das escolas, a Secretária Regional espera que em breve existam condições para regressar ao ensino presencial, isto é, assim que diminuir o risco de contágio na ilha de São Miguel.

Theme picker

Revista Pub açorianissima